30.7.17

Tunísia aprova lei histórica contra a violência de género

A nova lei aprovada por unanimidade pelo Parlamento tunisino “castiga toda a violência contra as mulheres”, e é a primeira deste género a ser aprovada na região do Magrebe.
27 de Julho, 2017 - 18:59h
A Tunísia deu um passo histórico para a proteção dos direitos das mulheres. O Parlamento aprovou por unanimidade, esta quarta-feira, um conjunto de leis para prevenir e punir “toda a violência contra as mulheres”. Esta nova legislação veio revogar o artigo 227, do Código Penal, que possibilitava ao violador de uma menor não ir preso, caso se casasse com a vítima.
Com o novo diploma legal, quem mantiver relações ou violar uma menor de 16 anos pode incorrer numa pena que pode ir de 20 anos de cadeia até à prisão perpétua, conforme o contexto do crime. Se a jovem tiver entre 16 e 18 anos, a pena poderá ir até aos cinco anos de cadeia. O novo diploma inclui a penalização do assédio sexual, incluindo o verbal, com multas que podem chegar aos mil dinares (350 euros). Um dos assuntos mais fraturantes foi alterar a idade de maturidade sexual - dos 13 para os 18 anos, o que abriu caminho a uma nova legislação sobre relações com menores.
A aprovação deste pacote legislativo contra a violência de género constitui uma vitória das associações feministas tunisinas. Em declarações ao jornal El País, a ministra da Mulher Naziha Labidi afirmou que “é um momento muito emocionante e estamos orgulhosos de Tunes, pois conseguimos criar união à volta de um projeto histórico”.
Apesar de a nova Constituição do país, aprovada em 2014, após a primavera árabe, prever a protecção das mulheres que sofrem de maus tratos, muito pouco se tinha avançado em termos legislativos para proteger as mulheres da Tunísia.
Monia Ben Jamai, presidente da associação de Mulheres Democratas da Tunísia, citada pelo El País, referiu que há ainda algumas alterações a fazer ao novo quadro legal , mas que a votação desta "lei que castiga todas as violências, incluindo as políticas, económicas e psicológicas, é um enorme progresso”.
Após três anos de longas negociações e ajustes à lei contra a violência de género, o diploma foi aprovado por unanimidade com o voto favorável dos 147 deputados e deputadas presentes no hemiciclo, incluindo os representantes do partido islamista moderado Ennahda, primeira força do Parlamento da Tunísia.

 in www.esquerda.net

NISA: Torneio do Jogo da Malha realiza-se no próximo sábado


OPINIÃO: Entre a lama e os alçapões

O verão é um período de poucas notícias, mas este ano não está a ser o caso. Há um denso noticiário em torno de tragédias, com realce para a dos fogos florestais, temos mais lutas sociais dando origem a algumas notícias e é ainda significativo o espaço especulativo a propósito de alguns processos judiciais. No entanto, o debate político que acompanha a agenda noticiosa revela-se muito pobre, o que não afiança nada de bom para o futuro próximo.
Os partidos da Direita, atolados num pântano malcheiroso, atiram lama em todas as direções. Tendo optado por terem como programa político a mera aplicação da cartilha neoliberal reinante, para estes partidos Portugal é apenas mais um espaço para prolongamento desses interesses, fator que aprofunda o seu distanciamento face às realidades concretas que aqui se vivem. O caso da lista de vítimas em Pedrógão Grande ilustra tristemente esse vazio e mostra que daquela banda não virá qualquer contributo sério, neste caso sobre o que é urgente fazer no que toca à floresta nacional, ao ordenamento do território e ao combate aos incêndios.
As lutas sociais latentes ou em curso, a baixa qualidade do emprego e das retribuições, a discussão estruturante sobre o próximo Orçamento do Estado ou o debate sobre a posição do país na UE não merecem à Direita mais do que negligência, aqui e ali salpicada por pronunciamentos de oportunismo político. A Direita entregou-se à chicana política, fazendo uso de quaisquer armas de arremesso e apoiando-se em alguns grandes meios da comunicação social que, sem escrúpulos, se alimentam do alarme social.
O arrastar da política para o patamar da lama pode ter efeitos espúrios vários: i) enfraquece a democracia ao acentuar a sua descredibilização e ao não trazer conteúdos para o debate das ideias e para a formulação de propostas; ii) amplia no Partido Socialista (PS) a ideia de que, a este, basta o Governo ir gerindo a situação para ter garantida a continuidade no poder, o que pode matar mudanças de políticas tenuemente iniciadas em algumas áreas; iii) coloca dificuldades acrescidas aos partidos da Esquerda que dão apoio parlamentar ao Governo, porque estes têm de ser ofensivos face à Direita, mas não podem pactuar com um PS acomodado.
O atual Governo, perante um debate político concentrado na "espuma dos dias" que emerge de uma agenda de retrocesso económico e social e de esvaziamento de valores, se optar por empurrar os problemas com a barriga, deixará atrás de si verdadeiros alçapões que poderão transformar-se em perigosas armadilhas para os trabalhadores, para a maioria dos portugueses e para o país.
Por exemplo, o caso "Altice" reproduz-se, mesmo que parcelarmente, em muitas outras empresas, e perante isso não pode haver silêncios. São muito importantes as inspeções da Autoridade das Condições de Trabalho, instituição de grande mérito mas com crónica falta de meios, contudo os seus pronunciamentos não são decisões de tribunais transitadas em julgado, ou seja, o efeito da sua ação (importante) pode chegar quando o emprego e os direitos de quem trabalha já foram cilindrados. A incapacidade de agir sobre estas situações alia-se, de facto, a uma vontade fortemente impulsionada por Bruxelas que vai no sentido de compatibilizar a legislação laboral com essas subversões das relações de trabalho e não de se fazerem os ajustamentos - talvez bem pequenos se cirúrgicos e acompanhados por sinais motivadores - para dar combate eficaz às precariedades e promover a negociação coletiva.
Por outro lado, a justiça é ela própria um grande alçapão, se continuar prisioneira de uma enorme desconexão entre o estardalhaço na comunicação social provocado pelo início de alguns processos e o que fica no final desses mesmos processos. Esta realidade tolhe a sociedade e contribui para a secundarização do trabalho na justiça.
O Governo tem que ser coerente com a sua plataforma política. Cometerá um erro estratégico grave se no próximo Orçamento do Estado inscrever compromissos limitadores por longo tempo da reposição de direitos, da criação de emprego digno, da requalificação de emprego e da melhoria dos salários. Há condições para o desenvolvimento, haja coragem e bom senso.
Manuel Carvalho da Silva in “Jornal de Notícias” – 30/7/2017


NISA: Animadores da Etaproni estagiam em entidades reconhecidas (Abril 2013)

Marcas de experiências únicas para seguir António Gedeão
Esta semana, no dia 8 de Abril, os alunos dos Cursos de Animador Sociocultural da Escola Tecnológica, Artística e Profissional de Nisa iniciaram os seus processos de Formação em Contexto de Trabalho. A organização da Formação em Contexto de Trabalho procurou garantir experiências de qualidade, estabelecendo protocolos de parceria com entidades recetoras reconhecidas ao nível nacional e internacional, sediadas em vários espaços do território nacional: Sintra, Faro, Lavradio, Coimbra, Amadora, Cascais, Lisboa, Almada, Nisa, Loures, Buraca, Castelo Branco, Setúbal, Évora, Almada, Gavião e Montargil. Nestas localidades os alunos foram recebidos em instituições que garantem espaços de aprendizagem de competências fundamentais para a formação pessoal, sociocultural, científica e tecnológica, que podem desempenhar um papel crucial para a sua integração socioprofissional futura: Refúgio Aboim Ascensão, Fundação do Gil, Kidzania, Casa da Criança de Tires, Fundação Aragão Pinto, Associação Cultural Moinho da Juventude, Associação Quinta Essência, Associação Nós, Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra, APPACDM de Castelo Branco, CERCI da Amadora, Centro de Atividades Sociais de Miratejo, Centro Social 6 de Maio, Santa Casa da Misericórdia de Nisa, Desafio Sul, Associação de Desenvolvimento de Nisa e Centro Comunitário de Torres Vedras. Algumas destas entidades já recebem estagiários do Curso de Animador Sociocultural há vários anos, tendo algumas delas assegurado o acolhimento dos mesmos aquando da conclusão dos seus cursos, para a realização de estágios profissionais. Os testemunhos apreendidos das experiências vivenciadas demonstram as suas virtualidades, uma vez que permitem aos alunos ultrapassar os seus limites, expandindo as suas possibilidades de desenvolvimento psicossocial. De António Gedeão aprendemos que “O sonho comanda a vida” e na Etaproni damos um sério contributo para que as formações em contexto de trabalho ajudem a construir sonhos. 
11/4/2013


29.7.17

NISA: XXV Festival de Folclore


ALPALHÃO: 1º Encontro Motard de Alpalhão


Bordados de Nisa divulgados em Évora (2011)

Exposição “Têxteis de Nisa” e conferência “Nisa: uma terra para muitos bordados” na Casa de Burgos
A exposição “TÊXTEIS DE NISA” vai estar patente de 18 a 31 de Março em Évora na Galeria de Exposições da Casa de Burgos. A exposição é promovida pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo e será inaugurada no dia 18 de Março pelas 18h30.
No âmbito da exposição terá lugar na mesma Galeria, no dia 23 de Março, pelas 18h30, a Conferência “NISA: UMA TERRA PARA MUITOS BORDADOS” pela Dra. Ana Pires.
A promoção desta exposição surgiu de um convite feito pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo aquando da visita da Ministra da Cultura ao Museu do Bordado e do Barro de Nisa em Janeiro último.
A ideia é apresentar alguns tipos de bordados que se fazem em Nisa, nomeadamente alinhavados, bordados a ponto de cadeia, aplicações em feltro, bainhas abertas e rendas de bilros, apresentando um conjunto diversificado de peças algumas das quais mais antigas (como por exemplo os “caramelos”) a par de outras que ainda hoje fazem.
No decorrer da exposição verificar-se-á a presença de artesãs nisenses que trabalharão ao vivo e darão a conhecer os seus trabalhos, podendo inclusivamente vender as suas peças.
14/3/2011

Rastreio Nacional da Voz em Portalegre

Na próxima segunda-feira, dia 31 de Julho, e na terça-feira, dia 1 de Agosto, realiza-se no Centro de Saúde de Portalegre, entre as 9h e as 18h, o Rastreio Nacional da Voz, promovido pela Fundação Gestão dos Direitos dos Artistas com o apoio do Ministério da Saúde através da Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano.
Este rastreio nacional é dirigido à comunidade artística, mas aberto a toda a população e é uma forma de chamar a atenção principalmente dos profissionais da voz (artistas, cantores, professores, jornalistas, advogados, políticos, padres…) para os cuidados regulares que se deve ter com o aparelho vocal, assegurando-se também, desta forma, a possibilidade de se fazer o diagnóstico precoce de várias doenças típicas dos profissionais da voz.
ULSNA

ANDANÇAS 2017. Está quase mesmo a chegar...

O Andanças'17 - em redor da vila, Castelo de Vide!
Faltam duas semanas para o Andanças que acontecerá durante 4 dias, de 8 a 11 de agosto, na vila de Castelo de Vide, assinalando a sua vigésima segunda edição, sob o tema Andanças, em Redor da Vila – Castelo de Vide.
Num cenário entre ruas e vielas onde a história transborda, parques verdejantes e a simpatia da gentes da terra, fica o convite para que sigam até Castelo de Vide, no Alto Alentejo, sentir os ritmos do mundo, assistir a concertos no meio das ruas, praças e igrejas, tocar um instrumento, dar um passeio temático, partilhar sonhos e ideias, saborear a gastronomia local, viver momentos com amigos e família, visitar a região, relaxar, estar em comunidade, ser mudança para a sustentabilidade mas, sobretudo, celebrar a vida!
Programação
O Andanças contará com um programa recheado de muita música e dança.
Serão 4 dias com programação repartida entre 8 palcos, onde decorrerão mais 200 atividades, entre 40 oficinas, 30 atividades para crianças e famílias, 30 bailes, 10 concertos, 20 atividades de relaxamento e desenvolvimento pessoal, assim como vários passeios, workshops, conversas, cinema, teatro, performance e sessões de DJ’s. As ruas, lojas, casas e espaços públicos e recantos da vila também serão cenários do festival onde acontecerão oficinas com artesãos locais, passeios e atuações de grupos, que vão transformar a vila de Castelo de Vide num grande palco em festa.
No recinto principal, junto ao Forte de São Roque (antigo campo de tiro), estão os três novos palcos (Palco Horizonte, Palco Terra, Palco Muralha) assim como o Espaço dedicado a crianças e famílias e que serão o epicentro das festividades do Andanças! O Coreto, o Cineteatro Mouzinho da Silveira e a Igreja da Fundação Nossa Senhora da Esperança, serão palcos abertos a todos, com sessões de cinema e teatro, bailes, oficinas e concertos e locais ideias para se relaxar, estar à sombra e apreciar o Andanças a outro ritmo.
Este ano o Andanças conta com a presença de projetos como:
Bailes: B-Road Bastards, Stomping at Six, Rhizottome, Akedeniz, Aurelien Claranbaux, La Base Duo, Paulinho Ferreira, Solune, A Batalha do Camelo Amarelo, Senhora Asem, Ahkorda
Oficinas de Dança: Cha Cha Cha, Danças dos Balcãs, Dança Oriental, Danças da Europa, Danças do Mundo, Danças Portuguesas, Danças Ciganas, Capoeira, Lindy-Hop, Chamarritas, Danças da Ocitânia, Biodanza, Danças Ciganas, Capoeira, Lindy-Hop, Chamarritas, Bollywood, Danças Cabo-Verdianas, Valsas Mandadas, Danças Galegas, Balboa, Jazz Vintage
Concertos: Malino, Cantalagoa, Paulinho Ferreira, Ethno Portugal 2017, Sebastião Antunes, Dudi Shaul, Ofer Ronen and Friends, Stomping at Six, Coro da Academia Sénior de Castelo de Vide
Oficinas de desenvolvimento pessoal e relaxamento: Contacto e Improvisação, Massagem Ayurvédica, Massagem Tailandesa, Meditação, Yin Yoga, Hatha Yoga, Yoga Suspenso,Vinyasa Yoga, Biodança e Canto Espiritual da Índia, Reflexologia
Espaço crianças e famílias: Inguz, estórias, massagens e contos, Danças à Volta do Mundo, Reino dos Rolos – Oficinas de artes plásticas, Magicando em Redor da Vila, Teatro Instantâneo, Arte Pura Percusrsão, Geometria faz amigos, Contos ao Luar, Oficina de improvisação, Danças de encantar, Capoeira, Roda de Oleiro com Maria Poejo, Relaxamento, Acrobacia em família
Passeios: Visita a Nisa, Visita a Portalegre, Visita noturna ao Menir da Meada com observação astronómica, Peddy Paper Astrológico com Aldebaran, Visita ao Centro histórico de Castelo de Vide, Dia em Marvão, Dia em Póvoa e Meadas, Visita ao Pôr do Sol na Barragem
Outras Atividades e Oficinas: Canto Indígena, Cerâmica Criativa, Como Remendar uma Câmara de Ar, Mel e as suas aplicações, Costurinhar Cadernos, Oficina de Artes Plásticas, Oficina de Construção de Mini Turbinas, Oficina de Instrumentos, Oficina de Desenho, Oficina de Escrita Criativa
As novidades da Programação do Andanças 2017 poderão ser acompanhadas aqui.
O Andanças 2017 manterá assim o mesmo formato e continuará a ser um festival onde o público deixa a típica postura de espetador para assumir um papel ativo, participando nas dezenas de oficinas e atividades que preenchem cada dia.
Sustentabilidade
Em 2017 o Andanças continuará a manter o espaço livre de poluição, promovendo e disseminando boas práticas sociais, económicas e ambientais, como o uso da caneca, o apelo para a escolha de formas mais sustentáveis de transporte, a compra de produtos produzidos localmente, entre outras.
Nesta edição será mais fácil chegar até ao Andanças de transporte público, tendo sido renovadas parcerias com a CP e a Rede Expressos, com descontos para quem apresente bilhete válido, e transferes gratuitos a partir de Vila Velha de Ródão.
De bicicleta até o Andanças
Um grupo de mais de 40 ciclistas, dinamizado pela Cicloficina dos Anjos, irá fazer o percurso de Lisboa a Castelo de Vide de bicicleta até ao Andanças sob o nome Pedalanças, promovendo assim formas mais sustentáveis e auto-suficientes de mobilidade. Toda a informação sobre esta iniciativa aqui.
Ajudada Andanças e a Caneca Solidária
Este ano a caneca Andanças, ex-libris do festival, para além de ajudar a manter o festival livre de plásticos e descartáveis, transformar-se-á num símbolo da solidariedade. A venda das canecas Andanças reverterá a favor da AJUDADA Andanças 2016 – movimento espontâneo, informal e independente de solidariedade e entreajuda, baseado numa rede alargada de grupos locais e regionais de voluntários, criado para dar apoio aos lesados do incêndio no Andanças em 2016.
Em 2017, o Andanças continuará a ser um laboratório de ideias, experiências, criações, como génese de sonhos e momentos de sinergias, assentes nos pilares da música e da dança, do voluntariado, da sustentabilidade e da comunidade - que este ano estará ainda mais presente!
O Andanças, mais do que um Festival de Música e de Dança, pretende continuar a ser um festival onde se é, se dança, se aprende, se está em família e se faz parte!
Mais informação:
www.andancas.net
https://www.facebook.com/andancas/

HUMOR EM TEMPO DE CÓLERA


28.7.17

OPINIÃO: As Corgas... e os abutres

Viçosa, Bica do Aceiro, Maroufeira, Marmeleiro, Barroqueiras, Alagoa, Ribeiro das Figueiras, Vale de Cabreiros, Cabeço do Carril... Por razões familiares, fui, um destes dias, confrontado com a leitura de um inventário onde constam uma série de terrenos outrora ocupados por oliveiras, vinhas, milheirais, figueiras, citrinos e pinheiros. Topónimos que me levaram de regresso aos anos 80 da adolescência e da passagem para a idade adulta, para aqueles longos e quentes verões passados em Domingos da Vinha, aldeia de um pequeno enclave alentejano que se adentra, a norte do Tejo, pelos territórios da Beira Baixa, ali ao lado de Mação.
Entre todos, o meu favorito era o das Corgas, a que se chegava passando pela Charneca e pelo seu caminho em terra bem batida, o único que permitia puxar pela mula, primeiro, e pelo burro, mais tarde, em curtas cavalgadas na carroça. Depois, virava-se à esquerda, entrando pela frescura, pelos cheiros, pelas cores e pelos sons que vinham do pinhal, para se terminar descendo a estreita e íngreme barreira, em direção ao vale, até dar, à entrada da horta, com a generosa nascente que nos matava a sede, a nós e a tudo o que brotava com força e abundância nos férteis terrenos das Corgas: os limões, as laranjas, as tangerinas, o milho, as vinhas, os tomates, as batatas, os feijões e o mais que já se me varreu da memória.
Memórias felizes, memórias infelizes. Porque naquele inventário de nomes, áreas. confrontações e pequenas descrições, feito pela minha mãe e pelo meu tio, o final é quase sempre igual e trágico: "Esta propriedade ardeu em agosto de 2003". Dois ou três anos depois do inferno de fogo, já sem avós, sem burro nem carroça, meti-me a pé pelo caminho que da aldeia sobe para a Charneca. Não cheguei muito longe. O fogo não deixara mais do que espetos negros de pau. Como diria o meu avô João Florindo, se então ainda fosse vivo, a terra ficou viúva. Já não tinha a noção da distância, não reconhecia os caminhos, não havia sons, o cheiro era sempre igual e a queimado, as colinas não eram as mesmas, os vales irreconhecíveis. Voltei para trás, angustiado, e nunca mais lá voltei.
Não foi agora, neste ano de 2017, que Portugal começou a ser destruído pelo fogo. A diferença é que este ano fomos sacudidos com a perda massiva de vidas humanas. Talvez nos sirva de lição. Ou talvez não. Sobretudo quando somos confrontados com o despudor com que um ex-jota, agora líder parlamentar, e quem sabe futuro líder do PSD, profere ultimatos revolvendo os cadáveres, como se fosse um abutre, na sua busca por despojos políticos.
Rafael Barbosa in “Jornal de Notícias” – 27/7/2017

Doar sangue em São Salvador da Aramenha





No pico estival, teve lugar mais uma colheita da responsabilidade da Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Portalegre – ADBSP. Desta feita estivemos em São Salvador da Aramenha, no concelho de Marvão. No local da iniciativa, o salão da Junta de Freguesia, compareceram 16 pessoas, das quais sete mulheres (43,75%).
Por razões de saúde, apenas um participante não pôde colaborar como desejava.
Uma jovem doou sangue pela primeira vez e também se concretizou uma inscrição no Registo Nacional de Dadores Voluntários de Células de Medula Óssea.
O almoço convívio decorreu nas instalações do Lar da povoação e contou com o apoio da Junta de Freguesia de São Salvador da Aramenha.
Fronteira a 05 de agosto
As recolhas de sangue da ADBSP decorrem na parte da manhã de sábados.
Proximamente iremos marcar presença nas seguintes localidades: Fronteira, a 05 de agosto, no Centro de Saúde; Alter do Chão, a 12 de agosto, nos Bombeiros; Alpalhão (Nisa), a 19 de agosto, na sede do Grupo Ciclo Alpalhoense.
Junte-se a nós! Pode-nos encontrar em www.facebook.com/groups/AdbsPortalegre .
JR

GNR: Detenção de autor de incêndio florestal em Portalegre

O Destacamento Territorial de Portalegre, através do Núcleos de Proteção Ambiental e de Investigação Criminal de Portalegre, deteve, ontem, dia 27 de julho, um jovem de 16 anos, pela prática do crime de incêndio florestal.
O indivíduo é suspeito de atear um fogo em que ardeu aproximadamente 1,5 hectares de floresta, junto à localidade de Fortios - Portalegre.
Após ter sido hoje presente a primeiro interrogatório judicial, o jovem foi internado compulsivamente em Centro de Acolhimento de Menores.

NISA: Cancelada a apresentação dos Candidatos da CDU às eleições autárquicas

Por causa dos incêndios florestais no concelho de Nisa
A Comissão Coordenadora Concelhia de Nisa da CDU–Coligação Democrática Unitária PCP-PEV cancelou a sessão pública de apresentação dos seus candidatos às eleições para os órgãos das autarquias locais que estava agendada para a noite de 28 de julho.
O cancelamento da sessão pública de apresentação dos candidatos é motivada pela situação vivida na sequência dos incêndios florestais que atingem várias freguesias do concelho de Nisa.
A Comissão Coordenadora Concelhia de Nisa da CDU expressa toda a solidariedade às populações das freguesias afectadas pelos incêndios.
Oportunamente será divulgada a nova data de realização da sessão pública de apresentação dos candidatos da CDU.

IMPRENSA REGIONAL: "Alto Alentejo" - 26/7/2017


25.7.17

NISA: Apresentação dos Candidatos da CDU às eleições autárquicas

Na próxima sexta feira, 28 de julho, a CDU – Coligação Democrática Unitária PCP-PEV promove a  apresentação dos seus candidatos às eleições para os órgãos das autarquias locais do concelho de Nisa.
 A sessão pública de apresentação dos candidatos ocorrerá pelas 21H30, no auditório da Biblioteca Municipal de Nisa e contará com a participação de Armindo Miranda – membro da Comissão Política do Comité Central do PCP.
Serão apresentados o mandatário concelhio da CDU, os cabeças de lista e os demais candidatos à eleição de todos os órgãos autárquicos do concelho de Nisa - Câmara Municipal, Assembleia Municipal e Assembleias de Freguesia. A CDU apresenta para todos os órgãos o número máximo de candidatos, legalmente possível.

23.7.17

Bloco de Esquerda é o partido com mais projetos de lei aprovados

O partido liderado por Catarina Martins tem uma taxa de sucesso de perto de 30% entre diplomas apresentados e diplomas aprovados.
O Bloco de Esquerda é o partido que assina mais projetos de lei aprovados, em votação final global: no primeiro ano da legislatura conseguiu 24 projetos e, no segundo, baixou para 16.
Os dados apurados pelo DN, hoje divulgados, confirmam que, para o PS, o facto de ser partido do governo não significa mais projetos aprovados – 17 na primeira legislatura (novembro de 2015 a julho de 2016) e 14 na segunda (setembro de 2016 a julho de 2017).
Já o PSD teve na sessão legislativa que agora chega ao fim tantos projetos com a sua assinatura aprovados como o PCP (12).

GNR: Prisão preventiva para cidadã equatoriana detida por posse de produtos estupefacientes em Elvas

O Comando Territorial de Portalegre deteve ontem, dia 22 de julho, uma cidadã do Equador, de 38 anos, por posse de produtos estupefacientes em Elvas.
A cidadã equatoriana, circulava de táxi de Madrid para a zona da grande Lisboa, tendo sido apreendido na sua posse 255 doses de cocaína, 10,8 gramas de liamba, um telemóvel, um tablet, cerca de 200 euros em numerário e cerca de 13 quilos de um produto em pó encontrado em várias pacotes de farinha que será analisado pelo Laboratório de Polícia Científica.
A detida depois de presente ao Tribunal de Elvas, foi conduzida ao Estabelecimento Prisional de Odemira, onde aguarda julgamento em prisão preventiva.

Monforte estendeu o braço para doar sangue




A Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Portalegre – ADBSP – acaba de completar a primeira visita 2017 por todas as terras do distrito onde tem calendarizadas colheitas. Faltava Monforte, pois teve de ser alterada a data estabelecida aquando da feitura do plano anual. Até ao quartel dos Bombeiros de Monforte deslocaram-se 27 pessoas, entre elas 13 do sexo feminino (48,1%).
Uma vez avaliados os presentes, alguns não puderam colaborar. Mas sempre foram 19 as unidades de sangue total recolhidas.
Entre os dadores monfortenses que desta vez não compareceram, contabilizam-se alguns bombeiros que nesta data estavam em serviço noutros pontos do País.
A Câmara Municipal de Monforte apoiou a realização do almoço convívio servido num restaurante local.
Reconhecimento à Enf. Ana Maria
No final da brigada procedeu-se à entrega de um ramo de flores à Enf. Ana Maria Meira. Uma forma de se assinalar com alegria, e em tom de felicitação, a última brigada em que marcou presença como profissional de saúde. Depois de uma longa caminhada de 36 anos na ImunoHemoterapia do Hospital de Portalegre, onde puncionou veias a milhares e milhares de doadores, a Enf. Ana vai deixar de estar ligada a este serviço. Deixamos à Ana Maria uma palavra de reconhecimento pela causa que abraçou com tanta dedicação: a dos dadores de sangue!
Em agosto a ADBSP vai levar a efeito recolhas de sangue em: Fronteira, no Centro de Saúde, dia 05; Alter do Chão, nos Bombeiros, no sábado 12; Alpalhão (Nisa), na sede do Grupo Ciclo Alpalhoense, dia 19.
Decorrem na parte da manhã as nossas brigadas. Levantar cedo e doar sangue dá saúde e... boa disposição! Fica o convite para confirmar esta máxima!
JR

Atrasos da “Reforma Florestal” leva a corrida para compra de eucaliptos

Foram produzidos pelo menos 30 milhões de eucaliptos em Portugal na última época e apenas 17 milhões destinaram-se a plantações legais
Os viveiros florestais nacionais produzem cerca de 30 milhões de eucaliptos certificados por ano, dos quais quase metade são plantas produzidas por empresas do grupo Altri e The Navigator Company. O conjunto destes viveiros florestais também vende para o mercado geral, abastecendo os proprietários privados, mesmo que estes não tenham autorização do ICNF - Instituto de Conservação da Natureza e Florestas para efectuar arborizações com eucaliptos.
Nos últimos anos, foi autorizada pelo ICNF a arborização e rearborização de cerca de 12 a 13 mil hectares de terrenos com eucaliptos por ano.
Mesmo considerando algumas perdas em viveiro e transporte, conclui-se que o número de eucaliptos plantados anualmente de forma legal não ultrapassa os 17 milhões. Sobram assim cerca de 13 milhões de eucaliptos (43% do total), livres para venda e consequente plantação, sem que exista qualquer autorização do ICNF.
 Na consulta pública da reforma da floresta, a Quercus já tinha alertado o Governo de que era essencial criar um mecanismo legal de controlo das plantas produzidas em viveiros para projetos florestais com espécies de rápido crescimento.
A permissão da compra e venda de eucaliptos deveria ser existir apenas mediante a apresentação de uma autorização por parte do ICNF.
Viveiros florestais produzem eucaliptos para plantações ilegais
Enquanto não existe uma regulamentação adequada, a Quercus apela à responsabilidade social das empresas viveiristas, incluindo as pertencentes à industria de celuloses, para que não vendam eucaliptos a particulares ou a outras entidades que não tenham autorização para (re)arborização com eucalipto emitida pelo ICNF.
Para evitar a continuação das plantações ilegais de eucalipto, com os impactes nefastos associados às monoculturas, são essenciais medidas de ordenamento florestal que tardam na atual revisão dos Programas Regionais de Ordenamento Floresta, mas também a fiscalização e o controlo das plantações no terreno.
Quercus teme que a partir de Outubro sejam vendidos mais 30 milhões de eucaliptos se entretanto não entrar em vigor a legislação prometida pelo Governo.
Tudo leva a indicar que a não publicação da prometida legislação para restrição à plantação de novas áreas de eucalipto, levará a uma nova corrida à compra e plantação desta espécie florestal, com graves consequências ao nível do ordenamento do território e ao nível da Defesa da Floresta Contra Incêndios (DFCI).
A Direção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

ALPALHÃO: Festas Populares 2017


As Festas Populares de Alpalhão têm início no próximo dia 4 de Agosto e decorrem até dia 7 do mesmo mês. 
No dia 4, sexta-feira, o programa integra a atuação do grupo de Zumba de Alpalhão e do Grupo de Contradanças Alpalhoense. Os amantes da tauromaquia poderão assistir e participar na novilhada que terá uma demonstração de pegas.
No dia 5, sábado, terá lugar um Encontro de Motards, a actuação de Joaquim Silva e do Grupo das Sevilhanas da Escola Silvina Candeias. 
O programa de domingo, dia 6, será preenchido com um Encontro de Concertinas, uma garraiada, karaoke party e baile.
Na segunda-feira, dia 7, não faltará o típico almoço alpalhoeiro, no qual será servido o tradicional "arroz de cachola" e outros acepipes. Neste dia e para maior animação, haverá a tradicional Corrida dos Cântaros.
Durante os quatro dias dos festejos, haverá sempre baile, a actuação de um DJ, e um esmerado serviço de bar em que não faltarão os petiscos tradicionais de Alpalhão.
As Festas Populares de Alpalhão contam com o apoio do Município de Nisa e das Juntas de Freguesia de Alpalhão e Nisa e terão sempre entradas gratuitas. 
Como vem sendo habitual e uma vez mais, a organização dos festejos está a cargo do Grupo Desportivo e Recreativo Alpalhoense.

GNR: Apreensão de arma de fogo e vestuário contrafeito em Ponte de Sor

O Comando Territorial de Portalegre, através do Núcleo de Investigação Criminal de Ponte de Sor, apreendeu ontem, dia 19 de julho, em Ponte de Sor, uma arma de fogo e vestuário contrafeito.
A operação, que empenhou 30 militares das várias valências do Comando Territorial de Portalegre, envolveu duas buscas domiciliárias que permitiram constituir arguidos três homens, com idades entre os 19 e os 48 anos, e apreender:
* Uma espingarda caçadeira;
* Três cartuchos;
* Uma planta de cannabis;
* Vários artigos de roupa contrafeita

GRÂNDOLA: Colóquio e concerto evocam Zeca Afonso


22.7.17

NISA: O nosso passado não morreu! (1)

Sobre o "Falar de Nisa" - Nota introdutória
O NOSSO PASSADO NÃO MORREU!
... só morrerá quando todos o esquecermos.
E não parece que seja o que mais queremos: basta ler este jornal e/ou pensar no culto de várias das nossas tradições.
Alguém disse, com muita razão, que nós somos nós e as nossas memórias. Na verdade, no nosso Passado estão os caboucos da nossa vida presente e futura.
Mas o Passado é como um “garramiço”. Quantos ramos e quantas folhas tem, umas e outros reciprocamente entrelaçados e solitários?
As artes, os ofícios, o trabalho da terra, o vestuário, a alimentação, a casa, etc., etc., sem esquecer, como factor maior, a língua em que todos se entendiam e que os congregava como comunidade. Quem conhece o seu Passado conhece-se melhor.
Por mero acaso vieram-me parar às mãos vários textos (talvez dezenas), escritos no falar da nossa Terra mas sem respeito pelas regras ortográficas e procurando aproximar-se da Fonética. No seu conjunto, não são fáceis de decifrar.
Porque considero que essa forma de falar não é de ninguém mas é um bem de todos, dou-os agora a publicação na sua versão primitiva que, vista à luz da ortografia actual, tem o seu quê de complicado. Para comodidade dos leitores, cada texto será acompanhado duma versão em Português Padrão.
Se, nas minhas memórias, recuo várias dezenas de anos, verifico ter sido assim que eu ouvi falar as pessoas mais velhas e não só. Claro que, na comunidade local, alguns tinham atingido outros níveis daquilo a que tem sido costume chamar Cultura. No entanto, conservavam alguns traços daquela outra forma de falar.
Para divulgação entre todos os que são curiosos do Passado da nossa Terra, estes textos irão sendo publicados enquanto houver pessoas interessadas no seu conhecimento e a Redacção deste jornal assim o entender.
José d´Oliveira Deniz
 NOTA: Este, excepcional,  conjunto de textos, que hoje começamos a colocar no "Portal de Nisa", foram publicados no "Jornal de Nisa" - 1ª série. Constituem, a meu ver, preciosos documentos etnográficos e culturais, bem elucidativos e marcantes sobre a tradição oral e um modo de falar, singular, o nosso. O "falar de Nisa". Leiam-nos com atenção e... divirtam-se!

Animadores da Etaproni apoiam animação ambiental com crianças do 1.º ciclo de Nisa (2011)

"É de pequenino que se torce o pepino"
Como diz o ditado “É de pequenino que se torce o pepino”, ou seja, é nesta fase crucial do desenvolvimento biopsicossocial do ser humano que se joga todo o processo de socialização primária, a partir do qual se manifesta como muito difícil a interiorização e reprodução de determinados comportamentos essenciais à integração e inserção social. Neste sentido, são fundamentais as estratégias, também de animação na infância, no sentido de socializar as crianças para a necessidade e importância da adopção de comportamentos ambientalmente sustentáveis. Actualmente assistimos a consequências nefastas da multiplicação de comportamentos humanos que colocam em risco o equilíbrio dos ecossistemas, entendidos em sentido amplo. É urgente que as várias instituições, como neste caso específico, autarquia local, escola básica do 1.º ciclo e Escola Tecnológica, Artística e Profissional de Nisa se concentrem no desenvolvimento de acções que promovam de forma concertada a educação ambiental dos adultos de amanhã. Os animadores apoiaram os pequenos a “torcer o seu pepino”.  
Maio 2011

21.7.17

Porto Covo nas 7 Maravilhas - Aldeias de Mar

DIA 23 DE JULHO, LIGUE A RTP E VOTE EM PORTO COVO
No dia 23 de julho (domingo), a RTP transmite a gala 7 Maravilhas - Aldeias de Portugal onde Porto Covo estará a votação do público como uma das pré-finalistas na categoria "Aldeias de Mar".
O número de telefone para votar apenas será divulgado na gala, a transmitir a seguir ao Telejornal.
Entre a terra e o mar, Porto Covo é um ícone do Alentejo Atlântico. Aqui, quando o inverno não os deixava sair da pequena angra nas suas embarcações, os pescadores tornavam-se agricultores, e a mesma força vital que usavam para colher o mar usavam para semear a terra.
O centro de Porto Covo é uma das mais belas praças portuguesas, uma maravilha da arquitetura do séc. XVIII, com as suas casinhas caiadas, barras azuis, portas vermelhas e cortinas de renda.
Deste coração da aldeia, estendem-se artérias retilíneas que desembocam num envolvente de pequenas praias de areia dourada e água transparente.
À vista da aldeia, emerge, coroada por bandos de gralhas, a misteriosa Ilha do Pessegueiro, expoente paisagístico do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.
Não faltam razões para votar em Porto Covo como uma das mais maravilhosas aldeias de Portugal.

Doações de sangue não faltaram em Castelo de Vide






Verão é tempo de sol, mergulhos, esplanadas, férias e também ... de se doar sangue. Em Castelo de Vide, a segunda dádiva 2017 mostrou-se bastante viva. Tratou-se de mais uma iniciativa da Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Portalegre – ADBSP. Rumaram até ao Centro de Saúde 44 voluntários, dos quais 18 mulheres.
Por razões clínicas dois dos presentes não puderam estender o braço.
Uma pessoa fez o seu batismo como doador. Quanto ao Registo Nacional de Dadores Voluntários de Células de Medula Óssea verificou-se uma nova inscrição.
O almoço convívio decorreu num restaurante local e contou com o apoio da Câmara Municipal de Castelo de Vide.
22 de julho em São Salvador da Aramenha
A ADBSP promove as suas brigadas em sábados, da parte da manhã. A 22 de julho vamos marcar presença no salão da Junta de Freguesia de São Salvador da Aramenha (Marvão); A 05 de agosto poderá encontrar-nos no Centro de Saúde de Fronteira.
Aproveite o tempo estival e seja solidário doando sangue!

JR

IMPRENSA REGIONAL: "Alto Alentejo" - 19/7/2017