31.5.16

ARNEIRO (Nisa): Caminhada pelos Trilhos do Conhal no Dia Mundial do Ambiente


NISA: Tribunal volta a funcionar em pleno

Por via da reforma do mapa judiciário, realizada em Setembro de 2014, o Tribunal de Nisa foi transformado em Secção de Proximidade deixando de se realizar julgamentos.
Esta desqualificação foi considerada, desde o primeiro momento, pela Presidente da Câmara Municipal como um erro uma vez que as condições do edifício e o número de atos realizados no Tribunal de Nisa justificariam a manutenção das suas valências.
Ainda antes da aplicação da reforma e posteriormente à mesma, foram encetados contatos e reuniões com a Associação Nacional de Municípios Portugueses, a Ordem dos Advogados, a Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo, entre outros, manifestando a preocupação com a reforma judiciária e particularmente com a desqualificação do Tribunal de Nisa.
Com o anúncio do actual Governo de Portugal de que brevemente serão efectuadas alterações ao mapa judiciário o Tribunal de Nisa ganha novas valências e evolui para instância local de competência genérica onde serão realizados julgamentos criminais que não exijam um coletivo de juízes - crimes menores puníveis com penas até cinco anos e também para casos de Família e Menores. Com esta decisão é reposto o serviço público de proximidade e o acesso à justiça, com igualdade de direitos, facilitando o acesso da população do concelho de Nisa ao fundamental da oferta judicial.
CMNisa
 NOTA: O Tribunal de Nisa vai voltar a funcionar em pleno, voltando à anterior situação que detinha antes da desclassificação levada a efeito pelo governo da direita do PSD/CDS a mando da troika. Esta e outras situações, tal como a reposição dos feriados (já em vigor) e a semana de trabalho de 35 horas, constam do acordo firmado pelos partidos da Esquerda (PS, PCP, Verdes e BE) e que possibilitou a constituição do actual governo do Partido Socialista, liderado por António Costa.
Espera-se que, com o mesmo entusiasmo e determinação, a Câmara de Nisa reivindique a reposição do anterior mapa das freguesias existente no concelho, a exemplo, aliás, do que têm exigido muitos municípios do país.
Mário Mendes 

30.5.16

Jornada e Manifestação Anti-Nuclear "Fechar Almaraz"

No próximo dia 11 de Junho, os cidadãos espanhóis e portugueses, assim como diversas organizações, vão-se juntar para exigir o encerramento da Central Nuclear de Almaraz.
A iniciativa vai ocorrer em Cáceres, na Extremadura Espanhola, e pretende mostrar aos Governos de ambos os lados da fronteira que as populações de Espanha e Portugal estão unidas na defesa do Ambiente e de um futuro mais seguro e sustentável, sem Centrais Nucleares como a de Almaraz, que representam um risco enorme para todos.
A Quercus, que segue de perto este tema há vários anos, vai obviamente participar na acção e convida todos, em especial os seus sócios, dirigentes e voluntários a participarem. Nesse sentido, estão a ser organizados transportes, de modo a que todos possam participar de forma gratuita ou com um custo mínimo.
De momento, está assegurado transporte colectivo a partir dos seguintes locais:
- Lisboa (com custo mínimo e em conjunto com outras organizações) - 9.00h;
- Castelo Branco (gratuito) - 10.00h;
- Portalegre (gratuito) - 10.00h.

Estão a ser trabalhadas outras soluções de transporte de diversos locais do país, pelo que todos os interessados em participar na iniciativa deverão fazer a sua inscrição em:
http://goo.gl/forms/f4V5dw3q3J
Posteriormente, todos os inscritos serão contactados pela organização a confirmar a disponibilidade de lugar e eventuais custos associados.
O programa da iniciativa desenrola-se a partir das 12.00h em Cáceres e consta de almoço convívio à chegada, palestras, debates e visitas durante a tarde, e a manifestação ao fim do dia.
A Quercus apela à presença de todos nesta importante jornada!
Para mais informações contactar:
Nuno Sequeira - 93 778 84 74 - Organização geral, transporte de Lisboa e Portalegre
Samuel Infante - 96 294 64 25 - Transporte de Castelo Branco

29.5.16

Festival da Paisagem regressa ao Geopark Naturtejo com muita natureza e produtos locais

A Semana Europeia de Geoparques é um evento organizado pela Rede dos Geoparques Mundiais UNESCO, em que todos os geoparques celebram a natureza e cultura dos seus territórios simultaneamente, num evento alargado a toda a Europa, a que o Geopark Naturtejo se tem associado desde 2006 com o apoio do Turismo do Centro.
No ano passado, durante a Semana Europeia de Geoparques decorreram 900 actividades nos geoparques europeus, envolvendo 80 000 participantes. Na celebração dos seus 10 anos de reconhecimento internacional como território UNESCO, o Geopark Naturtejo que integra os municípios de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Nisa, Oleiros, Penamacor, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão, promove de modo integrado com os municípios, freguesias, empresas e associações locais, de 28 de Maio a 12 de Junho, as 15 iniciativas que melhor representam e promovem a natureza, cultura e produtos locais.
Este ano a GENERG junta a sua energia à valorização ambiental do Geopark Naturtejo, como patrocinadora oficial do Festival da Paisagem 2016.
No dia 28, o Festival da Paisagem abre com a já mítica GeoRota do Orvalho, um dos melhores percursos pedestres do país realizado ao cair da tarde pelas cristas da Serra do Muradal, com um jantar teatralizado no magnífico miradouro do Cabeço Mosqueiro. No dia seguinte, a ARCVASO realiza percurso pedestre na sempre surpreendente aldeia de Vale de Souto. Para os menos audazes e amantes dos sabores locais, no mesmo fim-de-semana decorre no Rosmaninhal o já tradicional Festival do Borrego. Este que é um dos elementos mais típicos da gastronomia regional é também tema central da Feira do Borrego dos Escalos de Baixo, desta feita no fim-de-semana de 11 de Junho. Mas ainda no dia 29 de Maio o convite na Aldeia de João Pires é caminhar pela desconhecida Serrinha em busca das suas geoformas graníticas. Esta é aliás uma das várias geopropostas lançadas pelo Município de Penamacor em associação com juntas de freguesia e empresas locais para conhecer o seu património geológico recentemente reconhecido pela UNESCO no âmbito do Geopark Naturtejo: a Oficina dos Fósseis, no Agrupamento de Escolas Ribeiro Sanches, no dia 3 de Junho; a caminhada “Natureza sem Fronteiras” a realizar na Serra da Malcata no dia 12 de Junho; as Olimpíadas das Trilobites, nas celebrações do Dia Mundial da Criança, em pleno centro urbano de Penamacor. No dia 1 de Junho, também o Município de Oleiros celebra no Jardim Municipal o Dia da Criança Local. Já no dia seguinte e até ao fim-de-semana têm início os Dias Templários de Castelo Branco, que nos trazem recreações históricas, muita animação e música em ambiente medievo que cruza todo o território. No mesmo período e complementado a oferta histórica em ambiente distinto, no núcleo antigo de Oleiros, realiza-se o mercado medieval, onde os produtos da montanha, como o vinho Callum, a broa de Isna ou o Cabrito Estonado, certamente não faltarão. No dia 5 de Junho realiza-se ainda em Oleiros, a Festa da Espiga do Estreito. No último fim-de-semana do Festival da Paisagem decorre na Rota dos Fósseis de Penha Garcia um dia inteiro de actividades de desporto de Natureza nos “Trilhos Radicais”. A fechar o Festival, decorre em Segura a II Festa das Migas, a celebrar um dos contextos gastronómicos regionais mais diversificados e populares.
Durante o período do Festival da Paisagem, a empresa Incentivos Outdoor oferece em Vila Velha de Ródão inúmeras actividades na natureza e passeios de barco no Monumento Natural das Portas de Ródão, a todos aqueles que se inscreverem. De resto, mais informações poderão ser obtidas junto das organizações do programa e da Naturtejo.
Estes fins-de-semana temáticos, que cruzam o Geopark Naturtejo com recreações medievais ou percursos de descoberta na Natureza, oferecem excelentes oportunidades para a organização de programas turísticos por hotéis e empresas de animação turística, e que certamente a Naturtejo, E.I.M. não deixará de propor aos operadores turísticos nacionais e internacionais com quem trabalha, bem como aos seus associados.

28.5.16

Hiroshima, meu Amor

A Rosa de Hiroshima
Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atómica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada
 (Vinícius de Moraes)
Gosto do Obama. Vibrei com a sua eleição e depois com a reeleição para o cargo de presidente dos EUA. De ambas as vezes festejei como se de uma vitória do meu Benfica na Liga dos Campeões se tratasse. Tremo, hoje, só de pensar na possibilidade da América poder eleger uma nova versão, ainda mais hitleriana, de Ronald Reagan, agora com o nome de Trump.
Fiquei desgostoso, no entanto, com a visita de Obama a Hiroshima. Pairou no ar um cheiro, intenso, a hipocrisia, enquanto os canais televisivos relatavam a visita como o grande acontecimento da semana e, quiçá, do ano. Fiquei estarrecido ao ouvir, vezes sem conta, como se esse fosse o essencial da mensagem nesta visita, que os Estados Unidos lamentavam a utilização das bombas atómicas (Hiroxima e Nagasaqui) há 70 anos atrás, mas que não tinham intenção de pedir desculpa.
Os milhões de mortos, feridos, estropiados, as vítimas que ainda hoje continuam a aparecer, como sequelas da utilização das bombas atómicas, a destruição de cidades inteiras, continuam, sete décadas passadas, a não pesar na consciência da “nação americana”.
Tenho pena, por Obama, que isto tenha acontecido. Há formas mais dignas e dignificantes de acabar um mandato presidencial...
Mário Mendes

27.5.16

TEJO: Fábrica Silicalia (Abrantes): Poluição sem fim à vista


A Quercus apresentou hoje ao Ministério do Ambiente (IGAMAOT) uma denúncia sobre descargas ilegais contínuas de resíduos no solo e no meio hídrico provocadas pela empresa Silicalia em Abrantes.
Esta empresa dedica-se à preparação de materiais para a construção civil, nomeadamente produção de aglomerados de pedra. Do seu processo de fabrico resultam lamas compostas por resíduos de pedra e resinas utilizadas para aglomeração do produto.
No entanto, em vez que proceder à devida retenção destes resíduos e posterior envio para tratamento adequado, a empresa Silicalia tem vindo de forma contínua a proceder à sua descarga ilegal no solo e numa linha de água nas imediações da fábrica, provocando um grave foco de contaminação ambiental.
Para além do efeito que o pó de pedra provoca em termos de impermeabilização do solo e impacte extremamente negativo no ecossistema aquático, existe ainda o risco de contaminação química provocada pelos agentes aglomeradores adicionados ao pó de pedra (resinas).
A Quercus não compreende como é possível uma empresa estar a laborar nestas condições sem que nenhuma das entidades licenciadoras e fiscalizadoras, nomeadamente a Comissão de Coordenação Regional de Lisboa e Vale do Tejo, a delegação regional do Ministério da Economia, a Inspeção do Ambiente (IGAMAOT), o SEPNA da GNR ou mesmo a Câmara Municipal de Abrantes, ainda tenha posto cobro a esta situação.
Este caso de crime ambiental vai ser apresentado hoje a noite numa reportagem de investigação da RTP no programa Sexta às 9.
Lisboa, 27 de maio de 2016
A Direção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

NISA: A poesia popular de Maria Pinto

ADEUS MAIO!
Já lá vai o mês de Maio,
já lá vai o mês das flores.
Neste mês as raparigas
mais se lembram dos amores.

Desfolham os malmequeres,
a ver se Amor lhes quer bem.
Se quiseres bem ou mal,
não o digas a ninguém.

E' no mês de Maio que fazem
a festa de Santo Isidro,
padroeiro de quem deita
à terra o bom loiro trigo.

Santo Isidro foi em festa,
em cima do seu andor.
Os campos não têm erva,
está mal o lavrador.

Nem feno houve este ano
para o gadinho comer.
Há sinais de trovoadas.
Mas não há meio de chover.

Seja à vontade de Deus
— sempre foi, e há-de ser —.
Abre os braços para todos,
dá o pão para comer.

E' mês de ceifar o trigo
que depois se leva à eira.
Agora já não há malha,
é só a debulhadeira.

No campo, nada tem graça;
este ano é bem ruim.
E' a vontade de Deus,
veremos... até ao fim.

Adeus, Maio, até p'ro ano;
Traz de lá boas sementes
Traz p'ro ano melhor fruto,
para ficarmos contentes.
“Correio de Nisa” – 12/6/1965


21.5.16

NISA: Corrida de carrinhos de rolamentos na Senhora da Graça


SINDICAL: Cumprida a Semana de Luta, também, no Norte Alentejano

No distrito de Portalegre, os sindicatos filiados na CGTP-IN, responderam à convocatória lançada pela central sindical para a realização de uma Semana Nacional de Acção e Luta em defesa do emprego com direitos, dos serviços públicos, das 35 horas semanais e da contratação colectiva.
Além da mobilização de trabalhadores e estruturas sindicais para as acções nacionais em Lisboa, no dia 17 dos trabalhadores da administração local e no dia 20 dos trabalhadores do sector dos resíduos e dos trabalhadores da administração pública, foram realizadas várias acções de contacto e de protesto nos locais de trabalho do nosso distrito.
O Sindicato dos Professores da Zona Sul (SPZS) promoveu uma banca de recolha de assinaturas em defesa da escola pública na Praça da República em Portalegre no passado dia 16 de maio, juntando-se a muitas dezenas de outras bancas constituídas com o mesmo propósito por todo o país.
O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local e Regional (STAL) dinamizou uma acção de protesto, também no dia 16 de Maio, em frente à Camara Municipal de Portalegre, exigindo a imediata assinatura do Acordo Colectivo de Entidade Pública (ACEP) naquele município, para a reposição das 35 horas semanais sem adaptabilidade nem bancos de horas e dos 25 dias de férias.
O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Ambiente do Sul (SITE/SUL) contactou com os trabalhadores da Hutchinson de Campo Maior com documento próprio e fez chegar um pendão para assinalar a semana de luta e as razões da sua convocação à Evertis, em Portalegre.
O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços conduziu várias acções de contacto com os trabalhadores em locais de trabalho por todo o distrito, desde grandes superfícies comerciais até às mais pequenas, passando pelo sector da economia social.
As acções iniciadas nesta Semana Nacional de Acção e Luta são para continuar nos locais de trabalho e na rua, no sentido da melhoria das condições de trabalho no distrito e da defesa dos direitos e interesses dos trabalhadores e das suas famílias.
Portalegre, 20 de Maio de 2016

O Depº de Informação da USNA/cgtp-in

19.5.16

Casa do Benfica promove Festa do 35º Campeonato em Castelo de Vide


NISA: Poetas da nossa Terra

A Mentira
Todas as pessoas mentem
Dos maiores aos mais pequenos
Só a diferença que há
Uns mentem mais, outros menos
 I
Mente o rico, mente o pobre
Mente o padre e o sacristão
Mente o sargento e o capitão
Mente também o mais nobre
Mente aquele que a mentira encobre
Mente até o mais decente
Mente o fraco e o valente
Mente o que tem mais valor
Mente o coronel e o major
Todas as pessoas mentem.
II
Mente o médico e o enfermeiro
Mente o saudável e o doente
Mente mesmo toda a gente
Mente também o engenheiro
Mente o senhor brigadeiro
Mentem até os mais serenos
Mente mesmo sem ter termos
Mente mesmo sem ter arte
Mente tudo por toda a parte
Dos maiores aos mais pequenos.
III
Mente o senhor primeiro-ministro
Mente o nosso presidente
Mentem os de alta patente
Mentem os de baixo registo
Mente também o senhor bispo
Mentem os que vão para lá
Mentem os que vêm para cá
Mentem menos os velhinhos
Mentem pouco os pequeninos
Só a diferença que há.
IV
Mente o barbeiro a barbear
Mente o padeiro a vender pão
Mente o que está ao balcão
Mente o que vai lá comprar
Mente o que está a negociar
Mente o governo que temos
Mente os que poemas fazemos
Mente quem está neste rol
Mente o francês e o espanhol
Uns mentem mais outros menos.
António Elias Estróia

18.5.16

Alpalhão vai ficar um Jardim - Projecto "Florir Alpalhão"


O nome dado ao projeto em Alpalhão será: “Alpalhão é um jardim, toda a gente diz que sim”. O projeto arranca oficialmente no dia 22 de maio, pelas 16:30 no Jardim da Devesa. Neste dia Alpalhão vai receber os promotores do projeto, Eva Dream Florir Portugal, para uma conferência sobre este projeto nacional. O projeto em Alpalhão é uma colaboração entre a Junta de Freguesia de Alpalhão, o Glamour da Palavra e Alcina Batista.
O principal objetivo deste evento, que esperemos que não tenha fim, é florir Alpalhão e torná-lo num autêntico jardim. Desde modo APELAMOS A TODOS OS ALPALHOEIROS que comecem já a florir as suas janelas, portas e jardins para que no início do evento Alpalhão já esteja florido. Outros dos objetivos é tornar Alpalhão a vila mais florida de Portugal, bem como aumentar a atração turística.
Deixo aqui a hiperligação do Eva Dream Florir Portugal para ver como funciona este projeto e para começar a tirar ideias para florir a sua habitação.
Link: https://www.facebook.com/evadream/?fref=ts
Posso adiantar que diversos eventos que vão decorrer ao longo deste ano terão como tema este projeto.
Vamos tornar Alpalhão a vila mais florida de Portugal.
Contamos consigo!

16.5.16

NISA: A remoção dos pisos no Rossio e as esplanadas da Alameda

A Câmara de Nisa tomou a decisão, a meu ver, louvável, de mandar substituir os pisos de madeira instalados na Praça da República (Rossio), devido ao seu estado de degradação.
A obra foi adjudicada à empresa de Tolosa “Crespo & Parreira, Construções, Lda.” pelo valor de 48.989,44€ e com o prazo de execução de 60 dias, estando já a decorrer os trabalhos de remoção dos pisos, na zona da Alameda.
Esta obra vai obrigar (obrigou já, para ser mais preciso) à mudança de local das esplanadas que até aqui eram servidas pelos quiosques ali instalados, com todos os prejuízos e incómodos que os comerciantes irão suportar.
Face a esta situação, seria de elementar justiça que a autarquia - apostada como diz, em promover e dinamizar o comércio local - isentasse do pagamento de taxas e licenças os referidos comerciantes, pelo menos durante o período de tempo em decorrerem as obras de remoção e montagem dos novos pisos na Praça da República.
É uma decisão (a isenção de taxas e licenças) que o executivo pode tomar e que ao tornar-se efectiva, será uma manifestação de justiça e reconhecimento pelos incómodos causados aos comerciantes de restauração, incómodos esses que, em primeiro grau, atingem a rentabilização da sua actividade comercial.
A autarquia, como pessoa de bem, não pode ser apenas um mero cobrador de taxas e licenças. Deve também e acima de tudo, mostrar compreensão e disponibilidade para atender as situações que atingem os seus munícipes e que requerem o mais elementar acto de justiça. 
Mário Mendes

15.5.16

... E o Benfica é um grande TriCampeão!






Benfica, Benfica
Na terra e no mar
Se perde o Benfica
Não quero jantar
Benfica do meu coração
Porque o Benfica 
É o nosso TriCampeão!

13.5.16

DO ALTO DO TALEFE (9): Voto limpo em cidade limpa

(Ou, como um cão surge numa conversa de gente séria)
Raramente desço à cidade. O apego ao mundo rural, com todas as suas contradições, é forte de mais.
Em Fevereiro de 1983, encontraram-se em Altenberg, próximo de Viena, dois cientistas famosos: Karl Popper – teórico da ciência e filósofo – e Konrad Lorenz – médico, zoólogo e estudioso do comportamento.
Falaram do seu trabalho científico, da interpretação dos seu resultados e das suas convicções filosóficas. A dado passo da conversa, Popper, acariciando o cão de Lorenz, afirma:
- Faz pena, por exemplo, que só se possa ter esta relação com um cão. Não se pode explicar ao cão uma bela teoria.
Ao que Lorenz responde: - Isso a mim não me interessa. Não espero tal de um cão.
Mas, se não interessa a Lorenz, interessa-me a mim, alentejano, que possuo um cão, com o qual tenho longos monólogos, acerca das mais variadas teorias.
É certo que não me responde, mas que é ouvinte atento, disso não tenha dúvidas.
Vem isto a propósito da tal ida à cidade. À cidade de Castelo Branco, mais propriamente.
Foi na segunda-feira, a seguir às eleições autárquicas e para meu pasmo nem um papel, nem um cartaz, nem um plástico, denunciavam a frenética campanha eleitoral que durante dias invadira a cidade.
As árvores tinham recuperado a sua dignidade e os candeeiros cumpriam a sua função, libertos dos materiais coloridos que durante dias apregoaram aos cidadãos as razões dos candidatos.
Um amigo, citadino, explicou-me então que na sexta-feira anterior ao dia das eleições, uma brigada municipal de limpeza devolvera à cidade a dignidade por que todos os candidatos se batem.
Ao regressar, que diferença amigos! Papéis na rua, plásticos rotos esvoaçando ao vento, cartazes nas paredes, mostravam a diferença entre a cidade limpa e a vila que parecia continuar em campanha. Comentei o assunto com o meu cão. E acrescentei no meu monólogo que o exemplo da cidade não era único, já que, em Vila Velha de Ródão tinham feito exactamente o mesmo.
O acto cívico do cidadão eleitor fora cumprido com dignidade no domingo numa “dómus” limpa e asseada. Não adianta discutir a teoria com o meu cão! Mas que a teoria é interessante lá isso é!
Propaganda sim e a necessária, mas só até sexta-feira! Limpe-se a vila e a cidade nesse dia para que se vote num ambiente limpo, no domingo e se aprecie o ambiente nos dias imediatos.
A dignidade do acto de escolha dos nossos representantes não merece ser conspurcado com elementos de publicidade já sem qualquer utilidade.
Ah! É verdade, Popper, eu discordo de si. Pode-se explicar uma bela teoria a um cão, não se pode é esperar que ele a discuta ou sequer que a compreenda! É que o cão não usa a linguagem. A linguagem que vocemessê disse tornar possível a crítica e através da crítica o desenvolvimento de uma cultura.
Zé de Nisa in “Notícias de Nisa nº19 – 7.1.1998

NISA: Lançamento de CD de António Charrinho na Feira do Livro


10.5.16

ANDEBOL EM NISA: Jogo do Torneio de Encerramento - Juvenis Masculinos


IN MEMORIAN: José Maria Semedo Lopes

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...
Vinicius de Moraes

Nisa recebe Almoço de Confraternização dos Ex-Militares da CCaç. 4242 (Moçambique)