20.6.18

NISA: S. João, à porta o temos... (1)

Em 1990, a Casa do Povo de Nisa, com o apoio do Inatel e da Câmara Municipal, promoveu, por ocasião das festas populares na Devesa, um Concurso de Quadras alusivas ou em louvor do S. João. Na altura foi publicada uma brochura com as quadras a concurso e a atribuição dos respectivos prémios. É desse concurso e brochura que respigamos as quadras que por aqui irão "desfilar" por estes dias, pois como se diz, "o povo também é Poeta". E que Poeta, dizemos nós!

19.6.18

OPINIÃO: A tragédia do interior

Um ano depois, o que mudou? Seria injusto responder: pouco ou nada mudou. Um ano volvido sobre a tragédia que sobressaltou o país, fez imensas vítimas mortais e destruiu milhares de hectares de floresta, muito mudou. Nunca a prevenção da época de fogos, talvez, tenha sido feita com tanto cuidado. Há muito se não via, pelo menos no discurso, a floresta a ser tão valorizada. Alterou-se a maneira de olhar o território, o interior e seus dramas silenciosos, e existe consenso - é preciso mudar práticas, tornar a palavra ato, sob pena de se repetir o impensável.

NISA: Oferta Formativa do Agrupamento de Escolas


GNR: "Operação Turismo Seguro" - Resultados

O Comando Territorial de Portalegre, entre os dia 9 e 14 de junho, naquele distrito, promoveu ações de sensibilização dirigidas aos turistas, sobre os procedimentos de segurança a adotar no caso de serem vítimas de crime, de forma a potenciar a seu sentimento segurança.
Durante o período de operação, militares das Secções de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário e dos Postos Territoriais realizaram 43 ações de sensibilização, sendo alcançadas 279 pessoas. Através do policiamento de proximidade foi possível sensibilizar os turistas para a adoção de comportamentos preventivos no que respeita aos tipos de crimes mais relacionados com o turismo, como o furto por carteirista, furto em residência, em interior de veículo e nos transportes públicos.

18.6.18

NISA: Festas de S. João na sede da Banda


CAMPO MAIOR: GNR identifica indivíduo por furto em estabelecimento

O Comando Territorial de Portalegre, através do Posto Territorial de Campo Maior, no dia 15 junho, recuperou diversos artigos alimentares furtados de um estabelecimento daquela localidade.
No âmbito de diligências realizadas devido ao furto em interior de um quiosque, de onde foram levados 800€ em produtos alimentares, os militares identificaram um homem de 21 anos, o qual tinha na sua posse os referidos bens.
O suspeito foi constituído arguido e sujeito à medida de coação de termo de identidade e residência.
Campo Maior – 3 detidos por roubo por esticão
O Comando Territorial de Portalegre, através do Posto Territorial de Campo Maior, no dia 17 junho, deteve três homens, com idades compreendidas entre os 22 e os 38 anos, por terem realizado um roubo por esticão na Estrada Nacional 373, entre Elvas e Juromenha.
Um homem de 60 anos quando circulava na via pública foi abordado por três indivíduos que, sob a ameaça de uma arma branca, lhe roubaram um fio em ouro e 350 euros em numerário. Após ter sido dado o alerta do roubo, os militares efetuaram uma operação policial no sentido de localizar os suspeitos em fuga, o que veio a acontecer junto à localidade de Campo Maior, acabando por ser detidos. Da ação resultou ainda a apreensão da viatura utilizada no roubo.
Os suspeitos, com antecedentes por furto e roubo, ficaram detidos nas instalações da GNR e estão, neste momento, a ser presentes ao Tribunal Judicial de Elvas.

PORTALEGRE: Há Fado na Santa Casa

Matiné de Fado em homenagem a Maria José Miranda
A Santa da Misericórdia de Portalegre vai realizar uma Matiné de Fado no dia 21 de junho pelas 16 horas no Pátio Nobre da Instituição. Esta iniciativa é uma homenagem memória póstuma a Maria José Miranda, fadista que dedicou parte da sua vida a ajudar e animar os utentes da Santa Casa, fazendo ali os seus ensaios e proporcionando-lhes momentos musicais.

Alpalhão dinamiza Torneio de Futsal


Marvão debate o Património Cultural em Fórum para o Desenvolvimento Sustentável

No âmbito das celebrações do Ano Europeu do Património Cultural, Marvão realiza o Fórum para o Desenvolvimento Sustentável, com o tema “Marvão e o Património Cultural: Que Futuros?”. O encontro realiza-se no dia 23 de junho (sábado), pelas 11h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.
A sessão de abertura conta com a presença do embaixador de Portugal na UNESCO, António Sampaio da Nóvoa, da Diretora Regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira, para além do presidente do Município de Marvão, Luís Vitorino, e do presidente da Mesa da Assembleia Municipal de Marvão, Jorge Marques.
Em 2018 celebra-se, pela primeira vez, o Ano Europeu do Património Cultural, e Marvão aproveita o momento para debater o tema no concelho, alertando para o papel que a cultura e o património devem ter no desenvolvimento social e económico da região, e motivando os marvanenses para a promoção do diálogo. Este será, assim, um importante momento de reflexão, onde se poderá discutir o futuro do vastíssimo Património Cultural de Marvão.
O Fórum para o Desenvolvimento Sustentável é uma das medidas levadas a cabo pela Assembleia Municipal de Marvão, com carácter permanente para o mandato de 2017-2021, tendo como objetivo, incentivar à participação das associações do concelho e de todos os marvanenses, de forma crítica e ativa na vida do concelho.

17.6.18

NISA: Festa dos Artilheiros/as de 1990

DIA DE ANOS
Com que então caiu na asneira
De fazer na quinta-feira
Vinte e oito* anos! Que tolo!
Ainda se os desfizesse...
Mas fazê-los não parece
De quem tem muito miolo!

Não sei quem foi que me disse
Que fez a mesma tolice
Aqui o ano passado...
Agora o que vem, aposto,
Como lhe tomou o gosto,
Que faz o mesmo? Coitado!

Não faça tal: porque os anos
Que nos trazem? Desenganos
Que fazem a gente velho:
Faça outra coisa: que em suma
Não fazer coisa nenhuma,
Também lhe não aconselho.

Mas anos, não caia nessa!
Olhe que a gente começa
Às vezes por brincadeira,
Mas depois que se habitua,
Já não tem vontade sua,
E fá-los queira ou não queira!

João de Deus 
NOTA: O poema fala em 26 anos. 

Centro Cultural Gil Vicente recebe III Encontro Internacional de Piano de Sardoal

O Centro Cultural Gil Vicente vai ser palco do III Encontro Internacional de Piano de Sardoal, que decorrerá entre 29 de junho e 8 de julho. A iniciativa, que nas edições anteriores se pautou por um elevado sucesso, volta a trazer ao Sardoal alguns dos melhores pianistas do mundo, dos quais se destaca Aquilles Delle Vigne, Adriano Jordão, Tomoko Kuronuma e o barítono Wolfgang Holzmair.
Durante dez dias, estarão reunidos na Vila de Sardoal cerca de uma centena de participantes, entre alunos e professores, oriundos de 19 países, entre os quais Argentina, Áustria, Brasil, China, Espanha, Israel Japão, Portugal, Venezuela, alguns deles acolhidos em casa de famílias sardoalenses, à semelhança do sucedido no ano passado.
Ao longo do Encontro, o som do piano ecoará pelas ruas da Vila de Sardoal, uma vez que algumas Capelas acolherão as aulas dos participantes.
As provas do concurso decorrerão diariamente no auditório do Centro Cultural Gil Vicente, em diferentes horários e com entrada gratuita.
O III Encontro Internacional de Piano é organizado pelo Município de Sardoal e pela Academia de Música “Aquiles Delle Vigne”.
O programa completo dos concertos será divulgado brevemente.


NISA: União de Freguesias promove Férias Activas


NISA: Nasceram em 1988 e fizeram a Festa!

Poema dos 30 anos
E chegaram os 30.
Sempre pareceram tão distantes
E agora, inseridos em mim
São o meu melhor amante.
Trinta!
Vocês tem minha história,
Música e Cor…
Tem meus sonhos e minhas horas.
Trinta! Que cheguem mais
Que venham com tudo que serve
Pra construir minha paz!
Trinta!
Os alcancei.
Trinta!
Os devorei.
Trinta.
Me apaixonei.
Carmen Gonçalves
  
Os Anos são Degraus
Os anos são degraus, a Vida a escada.
Longa ou curta, só Deus pode medi-la.
E a Porta, a grande Porta desejada,
só Deus pode fechá-la,
pode abri-la.

São vários os degraus; alguns sombrios,
outros ao sol, na plena luz dos astros,
com asas de anjos, harpas celestiais.
Alguns, quilhas e mastros
nas mãos dos vendavais.

Mas tudo são degraus; tudo é fugir
à humana condição.
Degrau após degrau,
tudo é lenta ascensão.

Senhor, como é possível a descrença,
imaginar, sequer, que ao fim da Estrada,
se encontre após esta ansiedade imensa
uma porta fechada
e mais nada? 

Fernanda de Castro

16.6.18

PORTALEGRE: Final de concurso escolar promovido pela GNR

Alunos do Agrupamento de Escolas de Alter do Chão, no dia 8 de junho, visitaram, como prémio de um concurso escolar, o quartel da Unidade de Segurança e Honras de Estado, em Lisboa (3.º Esquadrão) e o Museu da Guarda, no Largo do Carmo.
Da iniciativa do Comando Territorial de Portalegre, o concurso “O Papel da Guarda Nacional Republicana na Segurança Rodoviária”, teve como principal objetivo sensibilizar os alunos para a segurança rodoviária, nomeadamente nos percursos que realizam diariamente (casa-escola e escola-casa), alertando-os para perigos e cuidados a ter.
O concurso foi dirigido a estudantes do 1º ciclo, tendo participado 445 alunos dos agrupamentos de escolas de Alter do Chão, Crato, Fronteira, Bonfim e José Régio, tendo sido apurados para a final 159 crianças.

Exposição de Bordados de Nisa na Biblioteca Municipal


HUMOR EM TEMPO DE CÓLERA

O primeiro encontro 
Cartoon de Henrique Monteiro in http://henricartoon.blogs.sapo.pt

III Corrida do Porto de Sines aproxima porto e cidade

A 3ª Corrida e Caminhada do Porto de Sines estão marcadas já para o próximo dia 23 de junho, às 09h30 na Av. Vasco da Gama, em Sines.
Existem duas provas diferentes que envolvem uma Caminhada de 5 km e a Corrida com 10 km, com percursos desafiantes e diferenciados.
A correr ou a caminhar, o objetivo é percorrer as vias internas do porto e da parte histórica da cidade, disfrutando de um ponto de vista diferente do habitualmente percorrido e conhecido das pessoas.
As inscrições estão abertas até 15 de junho em: http://acorrer.pt/eventos/info/1829

A Corrida do Porto de Sines é uma iniciativa que conta com o apoio da Câmara Municipal de Sines e do Grupo Desportivo e Cultural da APS.

15.6.18

NISA: Convívio "Joões" 2018


HUMOR EM TEMPO DE CÓLERA

Canal único
Cartoon de Henrique Monteiro in http://henricartoon.blogs.sapo.pt

ALTER DO CHÃO: Concerto /Audição de Jovens Músicos

A Federação das Bandas Filarmónicas do Distrito de Portalegre, a Escola de Artes do Norte Alentejano, a Câmara Municipal de Alter do chão e a Banda Municipal Alterense têm a honra de convidar V. exª para assistir ao evento do cartaz na noite de 20 de junho de 2018, que irá ocorrer no Cineteatro de Alter do Chão pelas 21.30h.

Heróis do Mar, Nobre Povo, Nação Valente e Imortal!

Já Foste Rico e Forte e Soberano
Já foste rico e forte e soberano,
Já deste leis a mundos e nações,
Heróico Portugal, que o gram Camões
Cantou, como o não pôde um ser humano!

Zombando do furor do mar insano,
Os teus nautas, em fracos galeões,
Descobriram longínquas regiões,
Perdidas na amplidão do vasto oceano.

Hoje vejo-te triste e abatido,
E quem sabe se choras, ou então,
Relembras com saudade o tempo ido?

Mas a queda fatal não temas, não.
Porque o teu povo, outrora tão temido,
Ainda tem ardor no coração.
Saúl Dias (Júlio Maria dos Reis Pereira) 

14.6.18

NISA: Agrupamento de Escolas promove Sarau Cultural


II Ammaia Festum: O Renascer de uma Cidade Romana

O Município de Marvão e a Fundação Ammaia promovem, dias 23 e 24 de junho, nas ruínas da Cidade Romana, em São Salvador da Aramenha, o II Ammaia Festum - O Renascer de uma Cidade Romana, com o intuito de dinamizar, divulgar e valorizar o património histórico-cultural, material e imaterial, do concelho.
Esta animação histórica na Cidade Romana de Ammaia, classificada como Monumento Nacional desde 1949, alia Património e Cultura, numa estratégia integrada e diferenciadora, com o intuito de potenciar o crescimento do setor turístico e incrementar o número de visitantes.

Marchas populares: Nova vida para os trajes de Nisa




São lindos, coloridos, vistosos, bordados por mãos de artista e de fina sensibilidade, os trajes de Nisa. Estavam a entrar em desuso, a passarem quase despercebidos nas manifestações colectivas mais importantes do burgo, entre estas o Carnaval onde, nos anos 60 eram as peças de vestuário mais utilizadas, vestidas e mostradas com verdadeiro prazer e orgulho. Depois, quase desapareceram.
Parecem ressurgir, agora, em força, os trajes de Nisa, “bandeiras”, tal como a olaria e os bordados - onde foi buscar muita da sua inspiração – desta terra de encantos.
Não admirou, por isso, que as marchas de Santo António tenham despertado tanto entusiasmo e curiosidade. Foi pena que o trajecto do desfile, entre o Pavilhão Desportivo e o recinto de festas fosse tão curto e não desse para mostrar a toda a vila, a beleza de conjunto destes trajes que são o orgulho da nossa terra.
O mais importante foi conseguido: que dos baús e arcas fossem retiradas as peças -  saias, blusas, xailes – e que estas, vestidas por crianças, jovens e adultos, voltassem à transmitir às pessoas e aos lugares, um pouco do fulgor por que esta Nisa de “tanta gentinha vivendo nela”, passou.
Mário Mendes in “Jornal de Nisa” – Junho 2008

13.6.18

OPINIÃO: Os temas que cansam

Em conversa recente com amigos sobre o incêndio de Pedrógão, um deles dizia que as pessoas já "estão cansadas" de notícias sobre o tema. A frase ficou-me insistente na cabeça e volta e meia lembro-me de tantas e tantas razões pelas quais não nos podemos calar. Muito menos cansar.
Está quase a decorrer um ano sobre o mais trágico fogo de que há memória em Portugal e por estes dias serão abundantes as reportagens e regressos ao local. E há o risco de essas evocações se tornarem burocráticas, olhadas como obrigação ditada pelo calendário.

O festival Sete Sóis Sete Luas, o festival do Mediterrâneo está de volta a Ponte de Sor

Com o apoio do Município de Ponte de Sor, uma XXVI edição do Festival Sete Sóis Sete Luas repleta de grandes artistas e produções originais.
Ponte de Sor, que é também a sede de 2 dos 9 Centrum Sete Sóis Sete Luas, os centros de arte espalhados entre Portugal, Itália, França e Cabo Verde, recebe a XXVI edição deste incrível Festival do Mediterrâneo e do mundo lusófono. Será uma edição rica de grandes artistas mas sobretudo de produções musicais originais com marca Sete Sóis Sete Luas. Muitos são os palcos: do belíssimo anfiteatro da zona ribeirinha de Ponte de Sor, até à Praça Central de Galveias e ainda do anfiteatro de Montargil até Foros de Arrão. Muitos lugares para animar o comprido verão musical do Concelho que começa no dia 30 de Junho com os ritmos característicos das ilhas de Cabo Verde, funaná, mornas e coladeiras, reinterpretados de uma maneira nova pela jovem Sara Alinho, cantora e compositora que reflete a influencia de três continentes: nascida em Portugal, é filha da famosa cantora cabo-verdiana Teté Alhinho e de pai mexicano.

NISA: Cousas e lousas (1)

Ver artigo e comentário em http://aportaeajanela.wordpress.com

12.6.18

NISA: Chegaram os Santos Populares - Marchas de Santo António





SANTO ANTÓNIO
Ó meu rico Santo António
Que tanto gostas de cravinhos
Faz-me lá esse milagre
Arranja-me um rapazinho.

Ó meu rico Santo António
És um demónio que me vem tentar
Envia-me o matrimónio
Ando morta por casar.

Ó meu rico Santo António
É linda a tua capela
Se me arranjares matrimónio
Dou-te uma fita amarela.

No dia da sua festa
Fui à capela rezar
P´ra pedir ao Santo António
Um noivo para casar.

Santo António das cachopas
Com a porta de pau de pinho
Ó meu santo milagreiro
Arranja-me um rapazinho.

Santo António és tão bonito
E tão gordito o teu menino
Com uma capela na cabeça
Está vestido de fradinho.

Um lindo ramo de cravos
Ofereci a Santo António
Em troca me prometeu
Que me arranjava matrimónio.

Santo António era bom santo
Se não fosse tão velhaco
Foram as moças á fonte
Foram três vieram quatro
Maria Sampaio Freire Temudo





OPINIÃO: Cidades despejadas

No Porto como em Lisboa, milhares de pessoas estão a ser despejadas das suas casas. Prédios inteiros são comprados por fundos de investimento que pouco querem saber da idade, condição social ou até mesmo dos contratos dos inquilinos. A lei facilita - basta alegar obras profundas no prédio - e a má-fé ajuda. Somam-se os casos de inquilinos idosos que, por medo e desconhecimento, assinaram novos contratos sem proteção.