27.2.15

NISA: Equipas do Nisa Futsal Clube em destaque

Juniores - Nisa Futsal Clube - Campeões Distritais e Vencedores da Taça AFP
O trabalho desenvolvido pelo Nisa Futsal Clube atingiu esta época um nível de especial destaque. A equipa de Juniores conquistou o título de campeão distrital e a Taça AFP no último fim de semana, em Sousel.
No próximo sábado, dia 28, às 19 horas, no Pavilhão GimnoDesportivo de Ponte de Sor, a equipa de Juniores vai disputar a final da Supertaça AFP tendo como opositor a equipa de Vila Boim, "Os Veteranos".
Também em Ponte de Sor, no mesmo dia e local, às 15horas, a equipa de Juvenis disputa a final da Supertaça AFP, defrontando a União Desportiva do Concelho de Sousel A, equipa campeã distrital e com quem perdeu a final da Taça AFP.
No domingo, 1 de Março, nova deslocação a Ponte de Sor, esta da equipa de Iniciados que vai defrontar o Eléctrico FC, em jogo a contar para o distrital.

CEDILLO: Matança do Porco no dia 15 de Março


26.2.15

NISA: Gente da Corte das Areias (1)








Novo ensaio interconcelhio da FINA 2014/15

 Ensaio - Póvoa e Meadas - 22/2/2015
 Ensaio - Póvoa e Meadas - 22/2/2015
Ensaio - Alegrete - 22/2/2015
A FBFDP – Federação das Bandas Filarmónicas do Distrito de Portalegre continua a desenvolver o seu Plano de Atividades e promoveu mais três ensaios interconcelhios da FINA 2014/15 – Filarmónica Infantil do Norte Alentejano. Os ensaios realizaram-se todos na manhã de 22 de fevereiro, domingo, em Galveias, Póvoa e Meadas e Alegrete. Participaram cerca de 140 jovens músicos com idades entre os 8 e os 14 anos repartidos por 50 em Galveias, 57 em Póvoa e Meadas e 34 em Alegrete, pertencentes a 13 das 15 filiadas na Federação. Ainda participaram 22 monitores e 14 dirigentes. Para o sucesso da atividade muito contribuiu o apoio das bandas locais (anfitriãs), as autarquias (algumas) que ainda vão concedendo apoio nos transportes e todos os maestros, monitores, jovens músicos, diretores e pais e encarregados de educação que um pouco por todo o distrito vão fazendo muito pelas nossas bandas filarmónicas. Lembremos que boa parte destes jovens músicos ainda não integram as bandas a que pertencem, frequentam apenas a escola de música e as bandas juvenis.

Os próximos ensaios terão lugar em Nisa nas tardes de 30 e 31 de março e 1 de abril funcionando em regime de estágio distrital das férias da Páscoa. Esta orquestra está dividida em duas (ALFA e BETA) e caminha para a aptidão para se apresentar em público em concertos, aliás em Nisa, no dia 1 de abril, contamos realizar um ensaio público junto à Biblioteca Municipal.

23.2.15

Quercus Portalegre com nova Direcção

Manuel Sousa Fernandes, Ana Maria Silva, Nuno Sequeira, Joana Alves e Roger Oakes.
Decorreu no, dia 5 de fevereiro, pelas 18h00, na Escola Secundária de São Lourenço, a Assembleia do Núcleo Regional de Portalegre da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza.
No decorrer desta Assembleia foi eleita a nova Direcção do Núcleo com a seguinte constituição:
Presidente: Nuno Sequeira
Tesoureiro: Manuel Sousa Fernandes
Secretário: José Janela
Vogais:
Ana Maria Silva
Emílio Moitas
Franz Georg Binder
Joana Alves
Júlio Henriques
Roger Oakes
O Núcleo de Portalegre da associação ecologista Quercus - ANCN está presente no distrito de Portalegre há cerca de 30 anos.
Tendo sido criado em Março de 1984 com a designação de Grupo para o Estudo e Protecção da Fauna e Flora do Alto-Alentejo, vindo mais tarde a integrar a Quercus-Grupo Para a Recuperação da Floresta e Fauna Autóctones no final do ano de 1985.
A atual direção integra elementos oriundos dos concelhos de Arronches, Avis, Castelo de Vide, Elvas e Portalegre.

22.2.15

OPINIÃO: O homem do saco

Deseja saco? Questiona o operador da caixa de um hipermercado. Depois de ter perguntado se desejava factura com nº de contribuinte, se tinha cartão cliente e, por aí fora… Nestes grandes espaços comerciais, só se esquecem mesmo é de cumprimentar o cliente com um afável bom dia ou boa tarde, mas enfim, são modos de uma educação menos conseguida.
O saco de plástico, uma instituição nacional, criada nos anos 80 pelas grandes superfícies comerciais, hipermercados, como forma de satisfazer um consumidor moderno, independente, que sai de casa para fazer as suas habituais compras levando apenas dinheiro nos bolsos, o resto tratam eles. Até lhe davam sacos para levar as compras, muito diferente do comércio tradicional, na altura (só trazia mercadoria quem levava a alcofa, o saco de pano, etc.).
Ainda me lembro, de ver no mercado, as peixeiras a embrulhar carapaus e sardinhas em folhas de jornal e nas listas telefónicas do TLP, ninguém usava sacos de plástico. Na loja do “Ti Jaquim” vendia-se ao peso açúcar, feijão, grão, cominhos, que eram devidamente acondicionados em cartuxos de papel. Tudo era embrulhado em papel pardo, que estava em cima do balcão.
Trinta anos depois, criamos um monstro ambiental, um verdadeiro império de sacos de plástico. Serviam para tudo um pouco, para colocar o lixo, depois de transportar as compras, até mesmo de espanta pardais nas hortas, apesar da sua curta utilidade, tinham uma longa vida (duram várias gerações).
No início do ano 2015, verificando esta situação grave, o governo, olhando mais para o bolso do “Tuga”, do que pela sua saúde ambiental, decidiu implementar a lei da fiscalidade verde, introduzindo uma taxa de 10 Cêntimos na aquisição de sacos de plástico “leves”. Com esta medida previam arrecadar, nada mais, nada menos, que 40 milhões de euros, e como sempre, para tapar algum buraco orçamental.

Mas, pelos vistos a medida está a resultar em termos ambientais, no entanto não resulta no lado da receita fiscal, porque a taxa incide apenas sobre os sacos de plástico “leves” (inferior a 50 microns) e esses, neste momento deixaram de existir nas caixas dos supermercados. Os que atualmente, nos querem vender, estão isentos de taxas, são apenas mais um produto existente naquele espaço comercial, aos quais se juntam sacos de papel, de ráfia ou trolleys.
O comportamento do consumidor foi alterado, sem dúvida, mas o comerciante (grande distribuição), procurou logo, numa primeira fase, contornar a lei, e posteriormente, procurando uma melhor solução do seu ponto de vista, criando assim um novo nicho de mercado, o saco de compras e seus acessórios (isento de taxas).
Longe vai o tempo, em que ameaçavam a crianças com a frase: "Come a sopa senão vem aí o homem do saco!"
JOSÉ LEANDRO LOPES SEMEDO

21.2.15

ALPALHÃO: Festival de cor, magia e tradição
















“A contradança traz tempo de mudança”
 Domingo Gordo é dia de festejos carnavalescos e de Contradança em Alpalhão. Crianças, jovens e adultos saem para a rua com os seus trajes garridos e cheios de vida, dão cor, alegria e movimento a uma terra que preserva como poucas o Carnaval e as tradições. E nem o frio afasta velhos e novos de celebrarem a preceito o Entrudo, com a alegria e o entusiasmo que as fotos documentam.
Esta é uma manifestação etnográfica que bem merece outra divulgação e figurar como cartaz norte-alentejano nas Bolsas de Turismo, sejam de Lisboa, de Bruxelas ou Copenhaga. 
Sem apoios, pagando os trajes do seu próprio bolso - e não ficam tão baratos, quanto isso - os alpalhoeiros  e as alpalhoeiras que todos os anos dão colorido e animação às ruas do burgo, não só no Carnaval, mas em todas as manifestações recreativas e culturais que são organizadas na vila, são um exemplo, cada vez mais raro, do que pode o dinamismo, a força de vontade, o bairrismo e, porque não dizê-lo, o amor à terra. Uma manifestação espontânea que nasce do coração, alicerçada na memória de um passado em que predominava a vida campesina e os dias de festa eram "sagrados": tempo de folga, de festa e folia.
O que será preciso mais para que as entidades ditas "oficiais" apoiem - como deve ser -  esta grande manifestação artística e etnográfica?

 Não deixem morrer a Contradança!

19.2.15

Amieira do Tejo assinala Dia Internacional da Mulher com almoço


NISA: Terra de queijos e pastores

Lembrando o Ti Zé da Brígida, 50 anos de vida pastoril (1)
Toda a vida fui pastor _
Toda a vida guardei gado
Já tenho o meu peito aberto
De andar ao pau encostado
Popular (Tolosa)
**************
Remonta aos tempos pré-históricos o aparecimento do pastoreio, uma actividade económica que teve grande importância na Idade Média, testemunhada pelos documentos oficiais, nos quais se citam grandes quantidades de gado, nos contratos, nas doações, nos testamentos. A atestar esta importância está o interesse que a vida dos pastores, aliada sempre a um certo bucolismo, despertou na literatura desse tempo. São conhecidas as "pastorelas" - canções tradicionais do cancioneiro galaico-português e as sertanilhas, bem como as referências que lhe fazem grandes escritores como Gil Vicente, Camões, Bernardim Ribeiro, entre outros, que retratam nas suas obras aspectos da vida pastoril.
Hoje em dia o pastoreio tem ainda alguma importância, embora relativamente à economia geral ela seja menor que no passado.
É esse universo feito de bucolismo, superstições, de arte e solidão, de beleza e nomadismo, que iremos retratar, servindo-nos das palavras do ti Zé da Brígida e aproveitando uma longa e proveitosa conversa no Verão de 1992.
O Ti Zé da Brígida
José Maria Beato - Zé da Brígida - nasceu em Nisa, no distante ano de 1902.
Não conheceu os bancos da escola, o tempo de brinca próprio da infância.
A sua meninice foi outra. As dificuldades de uma família numerosa, cedo o remeteram para a vida árdua do campo.
- "Fui para o campo desde pequeno. Comecei a ganhar aos 7 anos. Principiei a guardar um rebanho de cabras, numa casa para onde o meu pai tinha ido quando eu tinha dois anos. Nasceram-me os dentes nesta vida. Sobre a vida da lavoura sei tudo.
Andei a guardar gado e a fazer queijos mais de 50 anos ! "
Ser pastor constitui uma profissão à parte, que em geral se segue toda a vida e tende a fixar-se na família, durante sucessivas gerações.
"O meu pai tinha a mesma vida. Eu comecei a ganhar na companha dele e com ele é que fui aprendendo. Vivíamos sempre no campo. A nossa casa era o chôço. Não era como agora que vão dormir a casa".
Fez a "travessia no deserto" . De criança a adulto, trabalhando em diversos mesteres servindo a vários amos como Jacob.
“ Andei com uma carreta a apanhar feno para os palheiros; fiz quase todos os trabalhos do campo até ir para a tropa, onde estive quinze meses e meio. Depois casei.
Casei no dia 20 de Agosto de 1922 e ao fim de 15 dias de casado marchei a caminho
da Cunheira. Estive lá 8 meses a fazer fardos de cortiça. Mas eu andava era com a lida de me fazer pastor. Foi a minha criação. Meti-me na vida de pastor e nesta vida andei cinquenta anos.”
O Alentejo é terra de grandes culturas e das grandes extensões.
O concelho de Nisa "entalado” entre a planície, com as suas terras de barro e areia a perder de vista e as serranias beirãs, constitui uma zona de transição, onde se entrecruzam e formam um todo quase uniforme, influências de uma e outra região.
Não há aqui pastoras como as descritas nos "autos pastoris" de Gil Vicente, ou as lindas pastorinhas" do romance popular.
As cabeças de gado lanígero mantêm uma grande importância na vida económica da região. Os rebanhos, transitando de herdade em herdade, por vezes a grandes distâncias, são guardados exclusivamente por homens.
Homens a quem era exigido um trabalho persistente, por vezes árduo, um tipo de vida solitário, nómada, quase eremita.
Ao romper da bela aurora
Sai um pastor na choupana
Vai dizendo em altas vozes
Muito padece quem ama. (Popular – Alentejo)
“Levantava-me de madrugada e a primeira a coisa que fazia era o almoço.
Bontava (metia) os feijões pretos ao lume e era assim durante o ano todo.
Tinha o bardo para mudar todas as manhãs. Eram 70 cancelas que eu tinha de carregar às costas. Havia dois ajudas, um para ajudar no almoço, outro para segurar as ovelhas para elas não abalarem.
Almoçava logo ao nascer do sol no chôço, e chegava-se a hora do gado sair, marchava-se com ele até à noite. Ao mei dia comia qualquer coisa, pão com conduto que levava no sarrão. À noite chegava a prender cinquenta ovelhas à perna do bardo, sem nenhuma querer o borrego (enjeitávam-nos).
No tempo da ordenha , eu não estava tratado (contratado) para ir para o alavão, mas para trazer a pensão sempre diante de mim, obrigava-me a ir.
Era bom para o patrão que assim não pagava ao alavoeiro e eu ia fazendo o serviço por uma bagatela" .
A ordenha e a tosquia são dois períodos importantes na exploração do gado de lã. A ordenha começa geralmente pelos meados de Fevereiro, tendo os pastores procedido antes à rabeja - tosquia local de alguma lã que possa estorvar no acto da ordenha.
Rabejadas as ovelhas e apartados os borregos para uma das pastagens onde as mães nãos vejam e não ouçam, fica construído o alavão.
Há duas ordenhas regulares durante o dia; uma de madrugada, outra ao começar da tarde. A ordenha faz-se no aprisco, que tem apenas largura suficiente para trabalharem quatro homens a par e o comprimento suficiente para nele caber todo o alavão.
Os quatro homens são o maioral do alavão, o ajuda do alavão, o roupeiro e o ajuda do roupeiro. Cada um deles ordenha uma ovelha no seu ferrado e passando-a depois para trás das costas, segue com outra e assim sucessivamente.
Quando os quatro homens chegam ao cabo de um alavão de oitocentas cabeças ou mais, chegam derreados. É uma tarefa que se repete duas vezes ao dia e se faz sem interrupção durante três a quatro meses.
Dá-me a chéve da quinjêra

Pra i busqué a aferrada
Porque o quêje mestice
Leva munta coalhada. (Popular – Nisa)
Sempre gostei de fazer queijos. Aprendi com o meu pai, de modos que além de pastor também era roupeiro. E a fazer queijos não queria que me "bontassem” (pusessem) as mãos em cima.
O leite chegava à queijeira na aferrada e passava para o azado. Ia-se aquecendo e voltando e deitávamos-lhe cardo até coalhar. A temperatura era importante. A coalhar devia demorar uma hora. Assim é que estava bem. Depois a coalhada era tirada para cima do parreirão ou francela, onde era migada, remigada e apertada nos acinchos.
Com oito litros dava um queijo dos grandes com um quilo e meio, era a tabela, o verdadeiro queijo de Nisa".
Os queijos, a queijeira ou rouparia, são também parte integrante do mundo do pastor. Um mundo onde as superstições andavam à "rédea solta " e faziam lei.
Uma lei talvez alicerçada no saber de experiência feito, quem sabe...
"Feito o queijo tirava-se do parreirão, mudava-se para as pingadeiras e mais tarde ia para as tábuas. Ai estava sessenta dias na cura. Aqui só levava sal e "limpezas”. Quantas mais melhor. Quase no fim da cura, eu punha-lhe, untava-os com uma pinga de azeite para ficarem amarelos e não terem sarro nem bolor.
Na queije1ra só devia entrar gente de confiança e pouca. Mulheres, então, o menos possível.
Uma ocasião estava na rouparia em casa do meu compadre. Um dia foi lá a patroa e uma irmã do meu compadre. Ela ia muito mal disposta. Ela não se lembrou e eu não sabia como ela vinha. Pediram-me para entrar na queijeira e... escangalharam-me o serviço. Os queijos deram em sair olhados e ainda se estragaram alguns. Enfim é a pior coisa que pode haver é uma mulher que esteja... que ande ... mal disposta, com o “incómado”, entrar numa coisa daquelas".
O vestuário
O ti Zé da Brígida é hoje reformado, vivendo de uma magra pensão que mal dá para lhe atenuar a tristeza de uma velhice compartilhada com a solidão.
Mantém ainda uma expressão vigorosa e uma memória de fazer inveja a muita gente nova. Quando fala do seu mundo da pastorícia, do bardo com as suas ovelhinhas ou da "Cigana" uma rafeira de guarda, companheira fiel de tantos dias e noites, nota-se-lhe um certo embargo na voz.
“ Podem dizer o que quiserem mas a vida de pastor era muito ruim. Meses no campo sozinho, às vezes dias inteiros sem ver ninguém, ali andávamos entregues à bicharada.
Fazíamos tudo, desde o comer ao fato que trazíamos vestido.”
O fato, como os costumes e os segredos da profissão eram passados de geração em geração.
"Era o mesmo que já usavam os nossos pais. Tinha a roupinha, umas calças de saragoça e vestia uma samarra. Era um casaco de lã feito de peles. Depois de preparada levava aí umas 5 ou 6 peles.
Por cima das calças usávamos os safões e umas plainas, umas engorras feitas de pano de chapéu velho.
Calçávamos tamancos, feitos de pau de figueira, salgueiro ou amieiro.”
Os tamancos era espécie de sapatos de sola de pau, presos por correia sobre o peito do pé (diferentes dos tamancos do Norte); são ferrados com brochas de arame preparadas, tal como as peças de vestuário, nomeadamente os safões e a samarra, pelos próprios pastores.
Sobre os tamancos trazem polainas de couro, chamadas botas afiveladas pelo lado de fora.
Nos pés os pastores podiam calçar ou não miotes, feitos com linha “grossa” (fiado) pelas mulheres dos próprios pastores.
Para além deste vestuário o pastor de Nisa usava também o gabão – um casacão ou capote alentejano – indispensável nas gélidas noites de Inverno.
O gabão tem, aliás, uma curiosa história. Era costume em Nisa o patrão (o lavrador) pelo S. Miguel, oferecer ao pastor com mais uma ano de casa, dinheiro para a compra de um gabão, ou mesmo oferecer o próprio gabão já feito e pronto a usar. O gabão entrava assim no contrato de ajuste ente o lavrador e o pastor e talvez por isso se ouça, por vezes, na região: “Quem tem gabão sempre escapa / Quem não tem, escapará ou não”.
Na cabeça o pastor usava um barrete (“um garruço preto” – como diria o ti Zé da Brígida) e como acessório do vestuário usava o cajado – pau direito ao qual se encostava ou que atirava ao gado – instrumento emblemático, simbólico, formando com o sarrão as insígnias do pastor.
Eu vou per daqui abaixo
C´uma cajadinha às costas
Se eu não achar as ovelhas
Vou ser pastor de cachopas (Popular – Tolosa)
No ombro esquerdo traz pendurado o sarrão feito de pele de um chibo ou de um borrego, com pêlo para fora, exactamente como um chibo sem cabeça; às pernas do chibo prende-se a correia de pendurar o sarrão. Dentro do sarrão o pastor transporta os seus principais utensílios: colher de pau ou de corna, canivete, consoante a comida e o conduto, e ainda alguns apetrechos de trabalho como sovela, martelinho, alicate, turquês e navalha.
O Chôço
“A vida de pastor, além de andar com o gado, é passada no chôço. Ali é que é a sua casa. Foi no chôço que os meus pais criaram uma “catrinféda” (muitos) de filhos. E todos se criaram. No chôço se passava o Natal e os dias festivos com os meus filhos, mesmo depois de eles se casarem e irem para a vila. Traziam a família, vinham de véspera e aqui se acomodavam todos. No chôço e no emparo (amparo – chôço secundário e agregado ao principal).
O chôço é feito com paus de freixo ou de azinho, moldados por nós e era coberto com giestas e colmo. Levava aí uma camada de três dedos de colmo. Bem feito não havia água que entrasse nele.”
Dentro do chôço e para além dos utensílios necessários ao seu mister, o pastor tinha também o seu “mobiliário” tradicional: uma ou duas tropeças (tripeças – bancos de cortiça ou um burro de pau) que ele próprio construía e um caldeiro para cozinhar.
A gastronomia, bastante pobre, consistia especialmente de açorda, feijão-frade cozido – recolhido do feijoal de arado (era semeado com o arado pelo pastor dando este a semente) sendo esta também uma das condições do contrato de ajuste.
(Continua)
VOCABULÁRIO
* Ajudas - Segundo pastor do rebanho (ajudava no alavão, no pastoreio e na queijeira)
* Alavão - Nome do rebanho que dá leite (do árabe al-labban)
* Alavoeiro - Nome do pastor que andava no alavão
* Achincho - Forma redonda onde é colocado o coalho e apertado e de onde sairá o queijo.
* Maioral – Primeiro pastor de cada rebanho - tantos maiorais quantos rebanhos.
* Queijeira ou Rouparia –Local onde se faziam os queijos – geralmente um palheiro velho ou cabanal no monte
* Safões (Ceifões ou Çafões) - são usados pelos pastores durante todo o ano. São peles de ovelha com lã e feitos pelos próprios pastores.
* Pelico- Por vezes também chamado de samarra, embora sejam diferentes. É uma grande jaqueta de peles que os pastores trazem vestida nos dias mais frios.
* Aprisco - Formado por cancelas como as do bardo mas dispostas de modo diferente,  formando um corredor, com uma entrada mais larga. Era o local onde os pastores procediam à ordenha. Nalgumas regiões é chamado de redil.
* Parreirão (francela e queijeira) - Mesa de pinho onde o roupeiro e o ajuda trabalham na confecção do queijo, apertando os achinchos.
* Corna - Recipiente para transportar comida usado pelo pastor; adaptação de chifres de gado vacum. São ornamentados com desenhos, feito pelo pastor e talhados com perícia.
* Gabão - Também chamado cassacão ou capote, ou ainda capote alentejano.
* Sarrão (ou surrão, do espanhol surron) - Feito de pele de um chibo ou de um borrego com o pêlo para fora.
Mário Mendes

NISA: Uma foto com afecto(s)

Pessoa amiga enviou-me esta foto que é uma autêntica "relíquia" e cheia de significado para mim.
A imagem mostra parte da Praça do Município, em meados dos anos 60 e durante as obras de remodelação que culminaram na implantação do pelourinho, décadas e décadas após muitos autarcas terem expresso essa vontade.
A casa ao fundo, ao lado da Fonte do Frade, foi a casa em que nasci e que desde há muito não existe. Nem a mulher que está sentada a fazer meia, à esquina da Praça e da casa onde morava, a senhora Catarina "Troncha". Recordações de um tempo, feliz, de infância e que já não volta...

NISA: "Caixa Forte" com Fernando Mendes no dia 8 de Março


17.2.15

POSTAIS DO CONCELHO: Que quieres?


NISA: Exposição fotográfica de Adalrich Malzbender

De 28 de Fevereiro a 4 de Abril estará patente ao público uma exposição fotográfica de Adalrich Malzbender.
A inauguração no dia 28 de Fevereiro será precedida de um desfile pela Praça da República do Grupo Coral "Os Amigos do Cante" de Alvito, seguido de actuação no Cine-Teatro de Nisa, local da exposição.
Adalrich Malzbender
Nasceu em Berlim, Alemanha, em 1943. É casado com um a portuguesa da região do Alentejo, sul de Portugal. Dedica-se à fotografia Preto e Branco desde 1976, revelando e ampliando filmes de 35mm e médio formato em sua casa.
A paisagem árida e luminosa do Alentejo, suas colinas sinuosas e oliveiras, cidades pequenas com ruas estreitas de paralelepípedo e casas caiadas de branco (remanescentes de 400 anos de ocupação árabe), continua a ser a maior inspiração para o seu trabalho - bem com o os Alentejanos e grupos de ciganos que habitam as margens da cidade e são tão marginalizados com o em qualquer lugar da Europa. Malzbender também manteve um a especial paixão e curiosidade pelas igrejas românicas de Portugal - frequentemente localizadas em paisagens maravilhosas - e suas esculturas simbólicas, adornadas com ornamentos graciosos bem com o demónios e feras temíveis.
Publicou dois livros "Alentejo" (1993) e "Olhares Ciganos" (1995).
Considerado um "poeta da imagem" tem mostrado os seus trabalhos fotográficos um pouco por todo o país, particularmente no sul e no Alentejo, como são exemplo as exposições "É tão grande o Alentejo", "O Alentejo não tem sombra", "A Sul" e "Cante Alentejano" exposição que será mostrada em Nisa e que constitui uma homenagem aos grupos corais alentejanos que viram reconhecido o cante como Património Imaterial da Humanidade.

Nisa recebeu o Dia Diocesano do Acólito






O Dia Diocesano do Acólito foi este ano celebrado em Nisa, no dia 14 Fev 2015, com o tema: Ser “Sal da Terra e Luz do Mundo” com a Palavra e a Eucaristia.
Presentes centena e meia de adolescentes e jovens, acompanhados pelos seus animadores e alguns párocos, vindos dos cinco Arciprestados da Diocese.
Pelas 9h30 começaram a chegar à Praça em frente do Cine-Teatro de Nisa os carros, carrinhas e pequenos autocarros com os Acólitos e seus animadores. Depois da sessão da Abertura com a presença do Pároco de Nisa e da representante da Presidente da Câmara Municipal de Nisa, iniciou-se o Dia com a animação a cargo do Grupo de Acólitos de Carvoeiro e Belver.
Depois a formação em sintonia com a festa de hoje em Roma, investidura de novos cardeais, pois o tema deste ano foi a Catequese feita pelo Papa Francisco aos Acólitos Alemães em número de 50.000 no passado dia 05 Ago 2014, na Praça de São Pedro, com quatro respostas sobre o que a comunidade cristã espera dos Acólitos e desafiando-os à vivência do bom uso da liberdade para serem verdadeiros protagonistas na Igreja. No contexto desta formação, foi feita a oração inicial orientada pelo Pároco de Alcains e alguns dos acólitos dessa paróquia.
Seguiu-se a partilha espontânea de diversos testemunhos que alegrou quem os comunicou e quem alegremente os escutou, referindo-se por fim a sintonia da resposta do Papa Francisco com o tema do Plano Diocesano que estamos a viver, quando te disse: «Só cumprindo a vontade de Deus conseguiremos realizar o bem e ser luz do mundo e sal da terra!»
O almoço foi partilhado com sopa, sumos, fruta e doces oferecidos pela comunidade de Nisa. Viveu-se um momento de alegre partilha e de grande convivência.
De tarde, em dois locais alternadamente – Cine-Teatro e Igreja do Calvário – dois momentos orientados pelo P. Nuno Silva e pelos Pré Seminaristas sobre a vocação e pela Irmã Manuela do Coração de Maria de Portalegre sobre o Ano da Vida Consagrada.
Depois o início da Procissão de entrada para a Igreja Matriz onde foi concelebrada a Eucaristia, como “cume e fonte” da vivência deste dia, presidida por D. Antonino Dias, Bispo Diocesano que na Homilia, partindo das Leituras da Liturgia da Palavra desafiou os Acólitos a permanecerem fiéis ao serviço litúrgico que agora exercem e «não abandonem como infelizmente outros fazem à medida que vão crescendo; nós, partindo da comunidade, temos o dever de testemunhar a fé no ambiente em que vivemos; portanto, continuem a servir com perseverança e sem abandonar».
Feitos os agradecimentos pelo Secretariado à Câmara Municipal e ao Pároco e às pessoas da comunidade que com ele colaboraram na preparação deste Dia e pelo Bispo Diocesano ao Secretariado de Liturgia, seguiu-se a Oração do Acólito que foi rezada por todos «num só coração e numa só alma», depois de distribuída por todos pelos Acólitos de Nisa em estampa preparada com a fotografia da Senhora da Graça como lembrança deste dia, preparando a recepção da bênção.
Na despedida «até à próxima», fez-se presente “alguma cacimba que foi engrossando” como que a confirmar a “chuva de graças” para quem marcou presença e participou na experiência deste dia.
in www.diocesedeportalegre.pt