31.7.14

Ricardo Mateus conquista bronze nos 5 mil metros

O atleta nisense Ricardo Mateus, em representação do Sporting Clube de Portugal (seniores), classificou-se em 3.º lugar  na final da prova dos 5000m realizada no sábado, no Estádio Universitário de Lisboa, a contar para os Campeonatos de Portugal de Pista. Com esta classificação, Ricardo Mateus conquistou a medalha de bronze e subiu ao pódio da prova.
5.000 metros (Masc) - Classificações
1º Rui Pinto 92 S23 SLB 1 4 2 2,71
2º Bruno Albuquerque 89 Sen SLB 14  27,21
3º Ricardo Mateus 88 Sen SCP 14  28,32
4º Pedro Cruz 82 Sen GDJCI 14  39,46
5º Hugo Correia 91 Sen SCP 14  43,86
6º Nelson Cruz 77 V35 CPPEA 14  46,16
7º Gonçalo Jesus 92 S23 GS-RC 15 16,65
8º Joaquim Machado 71 V40 IFC 17 39,94
Hugo Almeida 88 Sen CCSJM DNF
Nelson Oliveira 81 Sen AAC DNF

26.7.14

PÉ DA SERRA: Festas em honra de S. Simão

A aldeia do Pé da Serra (Nisa) vai estar em festa durante quatro dias. São os tradicionais festejos em honra de S. Simão com mais de um século de existência e com um programa de animação onde não falta a música popular, os jogos tradicionais e os típicos petisco. Visite o Pé da Serra e divirta-se!
PROGRAMA DAS FESTAS
Dia 8 - Sexta-feira
20h00 - Abertura do Serviço de Bar,
23h00 - Baile com o grupo “Domingos & Dias Santos”.
 Dia 9 - Sábado
17h00 - Torneios de Sueca, Bisca de 9 e Matraquilhos,
23h00 - Atuação do grupo “Fora D’Horas”,
24h00 - Baile com o conjunto “Bora (Ó) Baile”.
Dia 10 - Domingo
10h00 - Arruada com a Banda da Sociedade Musical Nisense,
17h00 - Missa seguida de Procissão em honra de S. Simão,
19h00 - Concerto pela Banda da Sociedade Musical Nisense,
23h00 - Baile com o conjunto “Fora da Pauta”.
Dia 11 - Segunda-feira
17h00 - Tarde Desportiva,
23h00 - Baile com o organista “Marco Paulino”,
00h00 - Entrega dos prémios da jornada desportiva,
02h00 - Porco Assado,
04h00 - Nomeação da comissão de festas para 2015,

08h00 - Cacau quente e encerramento das festas.

17.7.14

Dois artistas nisenses no XXXIV Salão Internacional de Pintura Naif

Os pintores nisenses Augusto Pinheiro (já falecido) e António Maria Charrinho (pela primeira vez) vão ter obras expostas no XXXIV Salão Internacional de Pintura Naif  com inauguração marcada para o próximo dia 26 de Julho pelas 17 horas na Galeria de Arte do Casino Estoril.
Esta é a mais importante exposição de arte naif que ocorre no nosso país e nela estarão representados os mais conceituados artistas desta arte pictórica.

16.7.14

NO RASTO DA MEMÓRIA: 1992 - Um ano em revista (III)

 JULHO
1 – Câmara protesta pela suspensão da carreira da Rodoviária Nacional que liga Montalvão – Salavessa – Pé da Serra.
8 – Assinatura em Sines do protocolo de geminação entre este município, Vidigueira e Nisa, iniciativa integrada nas Comemorações dos Descobrimentos Portugueses e tendo como elo de ligação a figura de Vasco da Gama.
8 – Três novas zonas de caça associativa no concelho são concessionadas a favor do Clube de Amadores de Caça de Pé da Serra, , Associação de Caçadores de Tolosa e Clube de Caçadores da Fonte Feia (Montalvão).
18 – Câmara de Nisa preside  à Assembleia Inter-Municipal da AMNA.
18 a 25 – Nisa está representada na Feira de Artesanato e Gastronomia de S. Mamede, em Gavião.
AGOSTO
1 – Cinco dias de festa em Nisa. É a Feira de Artesanato e Gastronomia com cerca de cem expositores e com um programa de animação musical onde não faltam o samba e a “lambada”.
3 – “O Jornalinho” é premiado no concurso nacional de jornais escolares.
16 – Sitiados fizeram a festa em Alpalhão e “salvaram” os festejos populares marcados por várias contrariedades.
13 a 16 – Município de Nisa está representado na FIALI, em Sines.
* Festas por todo o concelho marcam o reencontro e trazem animação.
18 – Câmara aprova voto de solidariedade com o Município de Avis, a propósito do esvaziamento da Barragem do Maranhão.
* Pagamento à GNR de serviços prestados aquando da rodagem de um filme, em Nisa, geram polémica em reunião da Câmara.
* Caçadores do Barreiro confundem burros com javalis e abatem dois jumentos próximo do Pé da Serra.
* Um crime que compensa: desastre ecológico no Tejo leva à morte de milhares de peixes, sobretudo bogas, num quadro “negro” e de desolação, situado entre a Barragem de Cedillo e a Ribeira da Ferradura, na freguesia de Perais (Vila velha de Ródão).

SETEMBRO
7 – Morre na cidade do Porto, o dr. Manuel da Cruz Malpique, ilustre nisense, com uma extensa obra bibliográfica e figura intelectual de grande prestígio. Completaria 90 anos de idade em 28 de Setembro.
8 – Festas da Senhora dos Remédios em Montalvão e da Senhora da Sanguinheira, em Amieira do Tejo.
9 – Dificuldades de abastecimento de água a várias povoações do concelho preocupam responsáveis municipais. Abertura de furos não resolvem os problemas.

NISA: Festas de Verão do Sport Nisa e Benfica


15.7.14

NISA: A Terra e as Gentes (2)






Evocação e homenagem aos nossos artesãos
São tantos, aqueles que já partiram. Artesãos da cortiça, da madeira, do barro, dos panos, dos queijos e dos enchidos, da arte do ferro e da pedra. Uma galeria de pessoas, de gentes da terra e do concelho que marcaram, de forma indelével, com o seu saber fazer, a sua arte, a vida de todos nós. Este é o território bordado de encantos, graças à magia destes nossos conterrâneos que com a sua arte, moldaram de forma mais humana, o quotidiano deste chão que pisamos. Bem Hajam!
Honra ao seu trabalho e enaltecemos a sua memória...   

14.7.14

NISA: No rasto da memória - Tempos livres




Nisa - Ocupação dos tempos livres - Crianças e Jovens - Anos 80

OPINIÃO: A Dona Inércia no casino

                                         "Quando amanhã
fugirem os banqueiros
dos palácios roubados
E em vez deles
homens verdadeiros
Forem monges, poetas ou soldados
Então,
na Mão Direita de Deus
Rolará a terra
E será perfeita"
Pedro Homem de Mello
 Longe vai o tempo em que nos enchiam as caixas do correio com publicidade alusiva a cartões de crédito, empréstimos ao consumo e toda uma panóplia de linhas de apoio. Toda uma teia tentadora em prol do bem-estar do consumidor final, o qual tinha saído de 48 anos de ditadura de um estado autoritário, e estava faminto por usufruir destas benesses que lhes ponham à disposição, sem restrições, fruto da benevolência da tão querida economia capitalista.
Durante alguns anos, vivemos num mundo de ilusão, na sombra das baixas taxas de juro, na concorrência desenfreada dos sistemas financeiro. Nunca o dinheiro foi tão barato, e nunca foi tão fácil comprar casa, até sem necessidade de apresentar garantias sólidas. Tudo era um sonho… viver, casar, ter filhos, emprego e fundamentalmente ter esperança num futuro risonho… mesmo a crédito! Tudo valia apena.
Mas como tudo na vida tem um preço, aqui não foi exceção. E o preço a pagar chegou em forma de Troika, com impostos, mais impostos e cortes e mais cortes.
Olharam para a economia nacional e detetaram logo a onde estavam os culpados desta grave crise, claro os portugueses que tinham vivido acima das suas possibilidades. Portanto serão esses a pagar a fatura, têm que aprender o que custa a vida.
Entretanto, aqueles que nos enchiam as caixas do correio com publicidade enganosa de dinheiro fácil, começam a ter problemas, fruto das suas apostas arriscadas de investimento e da sua ganância crescente, primeiro BPN, BPP e Banif.
O que fazer? Fácil, disse o regulador (Banco de Portugal), ajudar o criminoso com dinheiro dos nossos impostos (daqueles que viviam bem demais), porque têm que aprender o que custa a vida, doa a quem doer, ninguém pode ficar para trás.
Mas, quando tudo parecia estar mais calmo, eis que aparece a dona Inércia, saltando dos anúncios publicitários ao lado do CR 7 para a banca do casino, dizendo-nos que o Espirito Santo também está com “problemas”. Por momentos ainda pensei que o assunto não era connosco, portugueses, mas sim com as divindades, com Deus, com a Igreja, eu sei lá, já que se trata do Espirito Santo. Mas, logo me disseram que era o banco da família Espirito Santo, ou melhor as empresas da família (GES).
E agora sei porque “vivemos bem demais”, porque não fomos ao casino. Porque não soubermos jogar no mesmo tabuleiro e executar as melhores jogadas. Não fomos jogadores ativos.
Tal como num jogo de xadrez, não passamos de simples peões, sacrificados em nome da rainha, de uma rainha chamada Banca.
 JOSÉ LEANDRO LOPES SEMEDO

9.7.14

PEV questiona Governo sobre discriminação no acesso à internet

 O Deputado José Luís Ferreira, do Grupo Parlamentar “Os Verdes”, entregou na Assembleia da República uma pergunta em que questiona o Governo, através do Ministério da Economia, sobre a discriminação no acesso à internet (ADSL) nas áreas de baixa densidade populacional.
Pergunta:
A população e empresas, sobretudo nas áreas de baixa densidade populacional têm apresentado inúmeras queixas e indignação face aos custos elevados de acesso à internet fixa, tecnologia ADSL, serviço prestado quase na totalidade por um único operador, a PT Comunicações, SA. Os preços mínimos praticados fora das campanhas promocionais representam 8% do salário mínimo nacional, já que, associado ao contrato do serviço de internet acresce obrigatoriamente a assinatura da respetiva linha telefónica.
Basicamente, nas áreas de baixa densidade populacional, que corresponderem, de certa forma, ao designado pelo operador de “Fora das Zonas C”, ou seja, zonas sem concorrência, o serviço para além de mais caro, quase o dobro, comparado com os preços praticados pela mesma operadora nas zonas de concorrência, Zonas C, fica muito aquém da necessidade dos clientes e do serviço contratado.
Normalmente, a velocidade de tráfego é consideravelmente inferior face ao anunciado, podendo, em muitos casos, ser extremamente rudimentar (ex. 25 vezes abaixo da velocidade de referência contratada pelos clientes), inconcebível numa sociedade que está cada vez mais dependente deste instrumento de comunicação. Aliás esta operadora não se compromete, conforme referem os seus contratos, a assegurar os níveis mínimos de qualidade do serviço. O desinteresse de outros operadores por estas áreas de baixa densidade populacional e empresarial faz com que os clientes estejam submetidos às condições e serviço apresentado pela PT Comunicações, SA. Este “monopólio” conduz, por um lado, ao preço elevado pago pelos clientes e, por outro, ao desinvestimento na melhoria das infraestruturas, nomeadamente ao nível das linhas telefónicas.
De forma a minimizar a descriminação registada entre clientes, a forma mais justa e equitativa de definição do preço do serviço, terá de passar pela correlação custo/velocidade de tráfego real, em vez da velocidade anunciada, que em ADSL é praticamente uma miragem. A internet e a respetiva velocidade é de tal modo importante na sociedade e na economia que estudos demonstram que o serviço de internet com velocidade de tráfego elevada tem repercussões positivas no emprego, assim como aumenta a produtividade das empresas.
Assim, ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, solicito a S. Exª A Presidente da Assembleia da República que remeta ao Governo a seguinte Pergunta, para que o Ministério da Economia me possa prestar os seguintes esclarecimentos:
1 – O Governo tem conhecimento que nas áreas em que a PT Comunicações, SA é a única operadora a atuar ao nível da internet fixa (ADSL), as velocidades são de um modo geral rudimentares e caras?
2- A divisão entre “Zonas C” e “Fora Zona C”, não é uma forma nítida de descriminação para os clientes que se localizam nas áreas de baixa densidade populacional e empresarial?
3- Estão previstos investimentos consideráveis a breve/médio prazo nas infraestruturas de comunicações fixas nas áreas de baixa densidade, de forma a melhorar a qualidade do serviço prestado?
4- Está previsto a breve prazo o governo regulamentar o preço do serviço de internet, em função da velocidade real de tráfego, em vez da velocidade anunciada?
O Grupo Parlamentar “Os Verdes”

ATL de Alpalhão organiza Torneio Infantil de Futebol de 5


ALPALHÃO: Festa do Dia dos Avós


7.7.14

OPINIÃO: O Exterminador do Interior

 Naquela vila, todos sabiam que tinha chegado o seu dia! O dia final. Tinham de partir, desocupar as casas, deixar os seus pertences e abandonar aquelas terras o mais depressa possível. Urgente, uma calamidade local.
 A única solução que lhes apresentavam era a migração para um dos grandes centros populacionais do litoral. O alarme tinha sido dado pelo alcaide-mor, num edital que fizera publicar no jornal local “Voz da Esperança”, naquela terça-feira negra, referindo o perigo iminente de se viver numa região de baixa densidade populacional.
Acrescentando, que nos próximos dias, chegaria à localidade uma comitiva, composta por três avaliadores externos, com ligações à “Goldman Sachs”, os quais, procederiam a um estudo exaustivo para a exterminação de tão nefasta zona, que tantos encargos tem acarretado ao erário público, procedendo-se de seguida à sua privatização total, para os fins mais adequados para “os mercados” e saúde das nossas finanças, e que poderá ser a reconversão da respetiva zona, em lixeira de resíduos tóxicos ou ainda em condomínios privativos, acompanhados de luxuosos parques de golfe.
As linhas atrás expostas poderiam, muito bem, servir de introdução a um qualquer livro de ficção, sobre a política de coesão territorial de um país em crise, económica, financeira e social, algures na Europa do sul. Mas não, isto está mais próximo da realidade do que pensamos, a crer nas palavras proferidas pelo primeiro-ministro Passos Coelho, na passada sexta-feira, em Castelo de Paiva, distrito de Aveiro, a propósito de novos encerramentos de várias repartições públicas no interior do país, apelidando-os como serviços demasiado “caros e ineficientes” para estarem abertas nestas regiões despovoadas.
Pobre do país que têm este tipo de políticos, sem visão e sem rumo, a comandar os seus destinos.
Senhor primeiro-ministro, gerir um país não é como gerir uma mercearia, requer mais qualquer “coisa”, para lá do Deve e Haver. Mande algum assessor, já que deve ter muitos e bem pagos pelos nossos impostos, dar uma olhadela nos documentos oficiais sobre as políticas de coesão territorial 2014-2020, no qual se enaltece para a promoção do crescimento inteligente, sustentável e inclusivo dos países da União Europeia, da qual fazemos parte.
A continuar assim, com esta política arrasadora, porque não lançar um programa SDI -“Simplex Destruidor do Interior”, fica mais barato!                                                            
JOSÉ LEANDRO LOPES SEMEDO

6.7.14

NISA: Exposição de Gravatas "Retalhos de uma Era"

No próximo sábado, 12 de julho, pelas 17H30, é  inaugurada nos espaços do Cine Teatro de Nisa a Exposição de Gravatas “RETALHOS DE UMA ERA”.

A exposição integra gravatas da coleção de mais de duas mil peças que Francisco Sancho reuniu o longo dos últimos 58 anos. Para o colecionador as gravatas são acessórios do vestuário masculino que “dizem muito sobre a cultura do povo” e cada peça tem uma história e um significado especial.

NISA: Evocação do Beato Diogo Pires Mimoso

Breve História
Nasceu em Nisa, na rua de Angola (centro-histórico) nos meados do século XVI. Quando ainda era jovem entrou no colégio dos Jesuítas em Évora. Juntamente com o Padre Inácio de Azevedo e mais companheiros partiu na nau Santiago em direção ao Brasil com a finalidade de levar a Boa-Nova aos povos do outro lado do mundo. A viagem decorreu sem incidentes até à altura das ilhas Canárias. Pararam por uns momentos nessas ilhas de modo a abastecerem o barco, depois prosseguiram a sua viagem. Ao amanhecer do dia 15 de Julho de 1570 foram atacados no mar por corsários calvinistas, que sabendo que eram missionários católicos os martirizaram e os atiraram ao mar. Diogo Pires Mimoso morreu com uma lança cravada no peito e logo de seguida foi atirado ao mar com os seus companheiros. Ao todo foram martirizados 40 jovens jesuítas, quase todos entre os 20 e 30 anos de idade, 32 portugueses e 8 espanhóis.
De iniciativa do fervoroso católico Jerónimo da Graça Biscaia e por alguns membros da nossa comunidade de Nisa, no ano de 1940 foi adquirida a imagem do Beato Diogo Pires Mimoso e colocada na Igreja Matriz em sua memória. A sua festa litúrgica é celebrada pela Igreja em todo o mundo no dia 17 de Julho.
Estes mártires foram beatificados pelo Papa Pio IX, em 11 de Maio de 1854. Para a sua canonização, é condição necessária que o seu culto seja reconhecido como permanente entre o povo cristão. Mas será melhor ainda se, por seu intermédio, Deus manifestar a sua intervenção, através de um milagre autêntico. Para isso vamos pedir a Deus a canonização destes jovens católicos e heróicos missionários, modelos para a nossa juventude.

SIC Portalegre: assaltante de café baleado em Arez



4.7.14

NISA: Leilão de Borrachos na Sociedade Columbófila Nisense


Homem atingido a tiro durante assalto em Arez (Nisa)

Um homem foi esta sexta-feira atingido por um tiro em Nisa, alegadamente disparado pelo proprietário de um café, após uma tentativa de assalto ao estabelecimento comercial, disse à agência Lusa fonte da GNR. De acordo com a mesma fonte, a tentativa de assalto ocorreu cerca das 05h30, em Arez, no concelho de Nisa, estando ainda envolvidos mais dois homens neste assalto. A fonte da GNR relatou que os três homens foram surpreendidos pelo proprietário do café, que se apercebeu de movimentações estranhas no estabelecimento comercial, tendo tentado dissuadir os assaltantes com "alguns" tiros. Um dos presumíveis assaltantes foi baleado numa perna, tendo sido detido pela GNR pouco tempo depois, ao passo que os outros dois se encontram a monte. Uma outra fonte adiantou à Lusa que os suspeitos se faziam transportar numa carrinha vermelha, com matrícula romena, e que a arma utilizada foi uma caçadeira. Fonte do hospital de Portalegre disse à Lusa que o homem que foi baleado apresenta ferimentos leves e que vai permanecer internado naquela unidade hospitalar para "vigilância" médica. A Polícia Judiciária está a investigar este caso.
CM/Lusa- 4/7/2014

Exposição: Arte Rupestre do Vale do Tejo e Arqueologia de Ródão

Local: Centro de Interpretação da Arte Rupestre do Vale do Tejo
Data: Permanente
Encontram-se patentes no Centro de Interpretação da Arte Rupestre do Vale do Tejo (CIART), em Vila Velha de Ródão, as exposições: Arte Rupestre do Vale do Tejo e Arqueologia de Ródão.
 A paisagem – enquadramento geológico e geomorfológico, o Paleolítico – no tempo dos caçadores-recoletores, a Arte Rupestre do Vale do Tejo, o Neolítico e Calcolítico, o final da pré-história e da proto-história, a época romana e a época portuguesa - Da Idade Média aos Tempos Contemporâneos, são alguns dos marcos históricos refletidos nestas magníficas exposições promovidas pela Câmara Municipal e pelo Centro Municipal de Cultura e Desenvolvimento de Vila Velha de Ródão.
O recém-inaugurado CIART tem como principal missão apoiar o estudo e a preservação deste vasto património arqueológico divulgando-o ao público através de uma exposição permanente onde se interpretam as diversas expressões culturais dos habitantes pré-históricos do Vale do Tejo. É simultaneamente uma homenagem aos arqueólogos e estudantes que têm contribuído com elevada dedicação e zelo para o seu conhecimento. Recebe apoio científico de conceituados investigadores em arte rupestre (António Martinho Baptista - Museu do Côa), em arqueologia (Luís Raposo - Museu Nacional de Arqueologia, João Caninas e Francisco Henriques da Associação de Estudos do Alto Tejo), e em geologia e geomorfologia (Pedro Proença e Cunha - Departamento de Ciências da Terra da Univ. Coimbra, e António Martins - Departamento de Geo-Ciências da Univ. Évora).
Complexo de Arte Rupestre do Vale do Tejo
Trata-se de um dos mais importantes conjuntos de arte pós-paleolítico da Europa, constituído por mais de 20.000 gravuras dispersas ao longo de 40 Km de ambas as margens do rio Tejo. As gravuras, executadas na sua quase totalidade por picotagem, datam de um período que medeia entre 20.000 a.C. e finais da Idade do Bronze e representam símbolos geométricos, antropomórficos e zoomórficos. Atualmente mais de 90% das gravuras encontram-se submersas pela albufeira da barragem de Fratel, sendo visíveis apenas na área de Perais e a jusante da barragem de Fratel.
Estas exposições permanentes podem ser visitadas de Terça a Sexta-Feira das 09:00 às 12:30 e das 14:00 às 17:30 e Sábados das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.Aos domingos as visitas só são possíveis com marcação prévia. A entrada para visitar o conjunto de espaços museológicos existentes no concelho é de 1€ por pessoa e de 0,50€ por pessoa em grupo.

3.7.14

NISA: 8º Convívio de Pesca Desportiva Aberto da Inijovem


Escola EB1 de Tolosa afinal não encerra


A APTOS - Associação de Pais de Tolosa acaba de divulgar através das redes sociais a informação de que "a EB1 de Tolosa não encerrará no próximo ano letivo. Mas a APTOS ainda vai lutar para que seja colocado mais um docente para que a escola funcione com duas turmas".
INFORMAÇÃO DA APTOS
Na passada segunda- feira,o Presidente da direcção da APTOS, Carlos da Luz, o sócio Carlos Parreira, assim como o Presidente da Assembleia de Freguesia, Nuno Ribeiro e o Presidente da Junta de Freguesia, Manuel Mourato, estiveram presentes na manifestação realizada junto à Direcção Regional de Educação de Évora, contra o encerramento das escolas e principalmente da EB1 de Tolosa.
Foram recebidos pela Diretora Regional, onde fizeram ouvir a sua tristeza e revolta e os seus argumentos a favor da continuidade da mesma. Vieram com a convicção de tudo terem feito para o evitar e a Diretora comprometeu-se a rever a situação.
Ontem chegou a noticia de que a EB1 de Tolosa não encerrará no próximo ano letivo. Mas a APTOS ainda vai lutar para que seja colocado mais um docente para que a escola funcione com duas turmas.
Acreditar é poder....e nós acreditamos!

A Direcção.

2.7.14

ALPALHÃO: 14º Convívio Benfiquista


NISA: Exposição de Fotografia de João Quinteiro

Na Biblioteca Municipal de Nisa está patente, até final de agosto, a exposição “AOS MEUS OLHOS”, com fotografias de João Quinteiro.
João José Serra Quinteiro nasceu em Nisa no ano de 1975. Dotado de uma qualidade inata para "congelar momentos", ou seja, fotografar, apresenta-se nesta exposição individual de maneira despretensiosa dando a conhecer alguns dos melhores trabalhos do seu já vasto espólio.

Na exposição, que agora decorre na Biblioteca Municipal, podemos testemunhar o contributo deste nisense para a divulgação de Nisa e das suas belezas através da fotografia.

ALPALHÃO: Exposição de Pintura de Prazeres Ribeiro Videira Costa


VELADA: 7º Encontro de Famílias no dia 16 de Agosto