27.1.11

Nisa terá unidade de experimentação do Laboratório de Bioenergia – BioErgos

Assinado Protocolo de Financiamento do Sistema Regional de Transferência de Tecnologia
No dia 26 de Janeiro, a Presidente da Câmara Municipal de Nisa, Gabriela Tsukamoto, participou na sessão de assinatura do Protocolo de Financiamento do Programa Estratégico do “Sistema Regional de Transferência de Tecnologia – SRTT. A sessão decorreu na Universidade de Évora e foi presidida pelo Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Vieira da Silva.
O Programa Estratégico do “Sistema Regional de Transferência de Tecnologia - SRTT”, obteve a aprovação do INALENTEJO - Programa Operacional Regional do Alentejo da CCDRA. O investimento proposto tem o valor de 41,8 Milhões de Euros, e corresponde a um montante comunitário FEDER de 29,3 milhões de Euros (com uma taxa de co-financiamento de 70% para todas as operações a candidatar). A candidatura foi apresentada pela ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, líder do Consórcio que lhe dá suporte e que incorpora mais de 20 entidades (Universidade de Évora, Institutos Politécnicos de Beja, Portalegre e Santarém, CEVALOR, CEBAL, COTR, ICTVR, INRB/INIA, LNEG, LOGICA EM, Sines Tecnopólo, IDERSANT, Câmara Municipal de Beja, Câmaras Municipais do Cartaxo, de Évora, de Portalegre e de Nisa, ANJE, NERE-AE, NERBE-AEBAL).
O Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo (PCTA) constitui uma das componentes do Programa Estratégico do “Sistema Regional de Transferência de Tecnologia – SRTT. O ponto de partida que subjaz ao PCTA consiste na criação de uma rede de conhecimento e inovação fundada numa base essencialmente territorial e na concretização de uma estratégia comum de reforço das competências regionais e de afirmação das suas capacidades ao nível nacional e internacional com recurso a factores indutores de criatividade, de diferenciação e de promoção de empreendedorismo, inovação e desenvolvimento.
O PCTA será localizado no Parque Industrial e Tecnológico de Évora, no entanto, esta estrutura será complementada com a criação de pólos temáticos nas cidades de Beja, Santarém e Portalegre, com extensões específicas noutras localidades. O Pólo de Portalegre do PCTA, terá uma gestão e implementação da responsabilidade do Instituto Politécnico de Portalegre. O município de Nisa participa em parceria nessa operação. É objectivo deste pólo dinamizar no Alentejo a instalação de empresas de base tecnológica na área das energias renováveis e do ambiente, numa perspectiva de valorização dos recursos endógenos e com enfoque especial para a valorização energética de recursos e resíduos. Pretende-se que o Pólo se constitua como um “Laboratório de Energias – BioErgos” na perspectiva do desenvolvimento de Trabalhos I&DT para empresas regionais e internacionais e ainda, na criação de condições favoráveis à instalação e criação de empresas de base tecnológica proporcionando a sua fixação na região. O Laboratório porá à disposição das empresas e dos empreendedores recursos humanos altamente qualificados e infra-estruturas laboratoriais, de experimentação a uma escala piloto e de encubação empresarial de base tecnológica permitindo e facilitando a criação de empresa e a promoção do empreendedorismo.
Para Nisa está definida a criação de uma unidade de experimentação do Laboratório de Bioenergia – BioErgos, visando: - a valorização de recursos endógenos geológicos e hidrogeológicos na perspectiva da sua aplicação à indústria extractiva e transformadora, incluindo a modernização das empresas do sector; - o desenvolvimento de novas formas de aplicação das rochas ornamentais, nomeadamente, aplicações artísticas e de design; - a valorização e estudo da utilização de águas termais para aplicações biotecnológicas, saúde e cosmética. Em Nisa, as infra-estruturas de apoio ao BioErgos serão implementadas na Zona de Actividades Económicas, ocuparão uma área de 300 metros quadrados e o investimento elegível é de 900 mil euros.
Fonte: CM Nisa

16.1.11

OPINIÃO: Coisas da Corte das Areias (2)

Um texto (quase) poético sobre o Rossio de Nisa
Mar de rosas para os autores da “requalificação” encomendada, por certo transpirando felicidade, eles e os patrões, pelo bom êxito da obra que “eles” consideram uma maravilha.
Um mar não de flores mas de pedra para fruir, mar sem praia, sem areia, mar onde as ondas de cimento e pedra são inertes, por ali passando a vida sugando o espaço.
Ocidental praça de plátanos, ali, plantados, no alvorecer da República, vão 100 anos (1).
Sofrem hoje os plátanos, temendo sentença tipo jacarandás do Boqueirão e afins, castigo supremo pela agressividade geradora de alergias, patranhas não tratadas, é só pedir e “vão à vida, os plátanos.
Lindo Rossio o “nosso, não voado por gaivotas, mas ainda assim passeado. Aqui, os canídeos sem família passeiam e saúdam-se, demarcam o território, alçando a perna vertendo, ladram, lutam, coçam e sacodem as pulgas, ensaiam a tradicional meia volta e, volta e meia dormem.
Cantam as aves, o murmúrio das águas pingando do ferrugento fole harmónico, plantado a norte, faz-se ouvir. Um espectáculo...
Patina-se, pedala-se, joga-se à bola, divertem-se as crianças, desfilam elegantes e jovens modelos, pombos e rolas esvoaceiam, brincam e namoram os indígenas cá do sítio, de pé ou de bicicleta passeiam, vão caindo nas banheiras sem protecção, que os aleijam. Outros há que aqui e ali tropeçam nos “lindos” e apodrecidos estrados de madeira ou na irregular e indecorosa calçada importada, onde o trambolhão acontece e a fractura aparece. Autocarros repletos de turistas é vê-los chegar, olhar e partir, não são bem-vindos, não há “sala de recepção” para os atender, orientar, granjeando algo de útil para a nossa terra.
Pardais saltitam, pintassilgos banham-se e fazem amor, cegonhas cruzam fronteiras, vão e vêm, matraqueiam, vão ao restaurante. Brancas corujas caçam na noite escura.
A Fonte? A fonte lá está, escondida e envergonhada, desprezada, decadente, semi-afundada, colunas remendadas, tubaria de “metal amarelo” unindo-as em falta, corpo superior da fonte montado contra natura. Bonito trabalho... Não haverá, por aí, que se envergonhe?
O Eucalipto vai definhando. Era de prever após o corte assassino das grossas raízes voltadas a sul e a ponte. O Coreto, outrora de verde vestido, exibe agora o cinzentismo do espaço que o rodeia; os idosos por ali sentado ou passeando, vão “desaparecendo”, consumidos também pela saudade das “três cómodas e elegantes escadas de cantaria” (2) que lhes roubaram por capricho.
Saudade, também, do não menos bonito e útil gradeamento forjado que destruíram, invocando parvoeiras razões, ambas as peças ali inseridas, no jardim, vão 100 anos (1911).
Saudade, ainda, das oito belas e elegantes floreiras, destruídas por gente insensível que adora o conflito e despreza o consenso.
“Nada como antes”, foi o brado de guerra que frutificou após 2002, de que resultou ter ficado o nosso “Jardim Romântico”, vítima de “requalificação” sem sentido, mutilado, menos lindo, mais despido, mais pequeno e nada romântico.
Do Jardim antigo, “primorosa realização do paisagista Jacinto de Matos, do Porto” (3), nada resta.
Mas há que perdoar estes crimes de lesa património, pois, como muito bem disse o Mestre: “Perdoai-lhes, senhor, que eles não sabem o que fazem!”.
Notas
(1) – Monografia da Notável Vila de Nisa – José Francisco Figueiredo
(2) – Idem
(3) - ibidem

João Francisco Lopes

10.1.11

ALMANAQUE NIZORRO (1)

PLANÍCIE!...
Planície!... Que quer dizer?... Que significa?...
Imensidão de largos horizontes é o seu restrito significado. Porém, se o aprofundarmos no sentido lato da palavra, veremos que dele se evola um simbolismo enorme, alto, grande...
Campo aspérrimo, duro, selvagem, solo batido por canículas brutais, somente nele nasceu o Homem capaz de praticar a luta insana com a terra e de a domar ao seu capricho tenaz e forte. Gente de compleição rígida, como rígido é o clima do seu torrão natal; índole branda e agreste, consoante as circunstâncias do seu viver...
Ao falar da planície sinto como que uma chama de orgulho enchendo-me repletamente o peito... E porquê?... Porque será?...
A resposta dá-a o coração, amante prisioneiro da terra dos seus antepassados. É por que esse solo bendito que me viu nascer é a planície ardente e hirsuta, mas que tudo cria, tudo produz, transformando-se em inesgotável manancial, em farto celeiro duma Pátria.
Todo aquele eu não sentiu a planície em todas as nuances da vida, não poderá abranger, pelo lado genérico, o significado do esforço heróico empreendido pelas suas gentes, firmando um elo sublime com a beleza mística da paisagem, tenuemente aureolada de enigma e trémulas fantasias...
Tu, viajante, que caminhas para além do Tejo – ouve – detém-te um pouco, deita-te sobre a terra rija da enfebrecida planura e mergulha a vista nos horizontes a sangrar do crepúsculo. E ouvirás a maga voz do sonho e da lenda que acordou as cítaras de Monsaraz, de Florbela Espanca, de António Sardinha, de José Duro... E verás mais. Contemplarás no céu pesado o amor elevado da Pátria nas convulsões de 1385 e nos rasgos de 1640. Sentirás, no mais recôndito lugar da tua alma, a Natureza em toda a sua pujança policroma de cambiantes...
É o Alentejo!... É a planície...
A planície onde se moureja e se reza, onde se canta e se chora...
Toda ela sintetiza uma sinfonia dolente, de músicas suaves e queixosas, repassadas de lirismo e de mágoa, de misticidade oriental. Terra de heróis e de santos, berço de feitos imortais, o seu nome perdurará perenemente, gravado a letras de oiro, nos anais da História.
Em tudo a planície é alta, grande, enorme...
E para nós, filhos dela, aponta-se-nos o sagrado dever de a amarmos enraizadamente, trabalhando nela e por ela, porquanto só do nosso esforço sobre-humano resultarão as condições suficientes ao seu frutificar, tão necessário e indispensável à vida da família e à economia da Nação.
Carlos Franco Figueiredo in “Revista Alentejana” – Abril de 1960

6.1.11

NISA: GENTE DA MINHA TERRA

A “Revolta do Pão” de 1943 em Nisa contada por quem a viveu: Manuel Bugio
Já passaram 67 anos, mas o episódio da “Revolta ou Greve do Pão” no dia 12 de Dezembro de 1943, uma das páginas mais negras e sangrentas da história de Nisa continua viva na memória daqueles que presenciaram ou tomaram parte no acontecimento.
Manuel do Rosário Carita ou Manuel Bugio como é conhecido em toda a vila, lembra, aos 84 anos de uma vida de encontros e desencontros, o que se passou nesse “dia negro” e nos meses seguintes. Relato na primeira pessoa, com pequenas “entradas” de contexto
.
Domingo de festa e de tragédia
“Era domingo e havia baile no “Benfica”. Estive a namorar uma cachopa na “vila” e quando vim de lá deparei-me com uma grande algazarra no Rossio e pus-me a observar o “panorama”.
O povo dizia que tinha vindo o Manuel Vigora com o pão para a padaria do senhor João Mendes na Porta da Vila. O padeiro meteu o pão dentro da padaria e depois não o venderam a toda a gente, só a quem queriam. O pão estava quase todo encomendado, pois estavam lá as bolsas e aí o povo conspirou. Foi ali que começaram o barulho. Alguns, mais exaltados tentaram forçar a porta e sacar o pão que pudessem.
Daí vieram para o Rossio onde o povo se juntou. A multidão era cada vez maior e logo ali a GNR prendeu o ti Simplício Tristão e levou-o para o posto. O homem não tinha nada a ver com o protesto e alguém se lembrou de tocar os sinos a rebate, enquanto outros falaram com um vereador da Câmara para que o ti Simplício Tristão fosse libertado, o que veio a acontecer.
Mas isso não impediu que o povo acalmasse a sua revolta. O movimento engrossou e do Rossio as pessoas dirigiram-se à “fábrica” ao fundo da Devesa de onde tentaram trazer pão.
Depois subiram a Devesa de Traz e dirigiram-se para a Estrada de Alpalhão. Havia baile no “Benfica” e alguns ficaram-se por lá, mas os outros foram em frente e dirigiram-se à padaria do Vigora. É ali, a meio da Estrada de Alpalhão, junto à padaria que se dá o desfecho sangrento. De um momento para o outro, surgem guardas e polícias vindos de Portalegre que começam a disparar sem qualquer aviso. Cada um fugiu para onde pôde. Houve feridos ligeiros e dois feridos com gravidade. Um deles, o João Louro, que nada tinha a ver com aquilo, foi ferido numa perna que teve de ser amputada. Outro, o ti Alfredo Mourato “Galacho” foi ferido nas “partes” (órgãos genitais) sofreu muito e acabou por falecer ao fim de uns meses.”
Não houve presos nessa noite, mas no dia seguinte, a repressão abateu-se sobre inúmeras pessoas, a torto e a direito, tivessem ou não participado naquilo que a acta da sessão da Câmara de 16 de Dezembro descreve como “alteração da ordem pública”. Uma simples suspeita, um nome ouvido à socapa ou a denúncia de alguns dos comerciantes alvo da indignação popular, bastaram para que, em pouco tempo, a cadeia se fosse enchendo de gente que mais não fizera do que pedir um pouco de pão para os seus.
Manuel Charrinho, trabalhava nas minas de volfrâmio no Mato da Póvoa. Foi o primeiro a ser preso, ainda o sol não nascera, nessa fria manhã de 13 de Dezembro. Preparava-se para partir, de fatada aviada para mais uma semana de trabalho, mas a PSP de Nisa deu-lhe como primeiro destino a cadeia comarcã. Outros se seguiram nesse dia e durante toda a semana.
Manuel Bugio, o nosso interlocutor, não escapou às “boas graças” das autoridades policiais da vila.

“Andava a fazer lenha e vim buscar água à “Sucata” (uma serração onde está hoje a secção de Finanças). Nessa altura vinha o Vigora trazer pão à padaria e diz-me: “Tu ainda aí vens?” e eu respondi-lhe – “ Atão onde é que devia estar?
Passado pouco tempo veio a polícia buscar-me. Alguém tinha dado o meu nome e sem saber porquê fui “engavetado”, levado para o pé do ti Manuel Charrinho. Durante a semana foram chegando mais presos, ao todo perto de 40 homens, ali despejados a monte, sem condições, cada um dormia como podia, uns no chão outros de pé. Estávamos incomunicáveis, as famílias iam-se revezando durante a madrugada para saber se nós ainda lá estávamos. Não podiam contactar connosco e iam deixando alguma coisa, contando com a benevolência do carcereiro, o ti Manuel Ramos.
Ao fim de 10 dias vieram 2 camionetas de Portalegre que nos levaram para os calabouços do Governo Civil. Estivemos lá 41 dias, incomunicáveis, e todos os dias havia interrogatórios.
Queriam saber quem era o “cabecilha” do movimento, coisas da política, e todos nós dizíamos o mesmo: não percebíamos nada de política, eu muito menos, porque só tinha 17 anos e que aquilo que acontecera fora apenas uma revolta por causa da falta de pão, feita extemporaneamente, sem cabecilhas ou lá o que fosse. Era domingo, único dia da semana em que os trabalhadores rurais e assalariados tinham livre e aproveitavam para se juntar e beber uns copos. Nos calabouços do Governo Civil estávamos a “monte”. As necessidades eram feitas no mesmo sítio. Não recebíamos visitas. Os familiares iam lá mas não podiam ver-nos, deixavam o que levavam para nos ser entregue.
Eram tempos de muita miséria e o Natal de 1943 com os principais activos das famílias presos foi uma tragédia, com muita dor e tristeza.
Os interrogatórios no Governo Civil fizeram uma selecção e ainda hoje não sei porque fui “escolhido” para me juntar aos 17 homens que fomos para Caxias.
Atravessámos a cidade de Portalegre a pé e a pé, em pelotão, continuámos até à estação, vigiados por polícias armados como se fôssemos uns criminosos. Foi das coisas que mais me doeu e marcou, o ter de atravessar a cidade sob o olhar das pessoas. Mais tarde compreendi que isso fazia parte da estratégia do regime para mostrar o medo e o terror e apontar-nos como maus exemplos.
Seguimos de comboio para Lisboa, sempre rodeados de polícias até à sede da PIDE onde houve mais interrogatórios e daí fomos levados para o forte de Caxias. Fomos fotografados, um a um e de novo interrogados.
Estivemos um ano em Caxias e só depois é que fomos julgados no Tribunal da Boa Hora. Sete dos que ficaram em Nisa também lá foram para ser julgados. O doutor José Rasquilho de Barros, de Amieira do Tejo, foi o nosso advogado oficioso e testemunharam a nosso favor, os doutores Carlos Bento e Aniceto Ferreira Pinto, farmacêutico na Porta da Vila.
Todos eles disseram o mesmo, que éramos pessoas de trabalho e nada tínhamos a ver com políticas. O dr. Rasquilho de Barros pediu por Deus ao Juiz que nos pusesse em liberdade e que desse a pena como cumprida àqueles que tinha vindo de Nisa, pois que para sofrimento das famílias já chegava.
Saímos do Tribunal direitos a Caxias onde dormimos mais uma noite. Os nossos camaradas que tinham vindo de Nisa tiveram de cumprir uma pena de sete meses e foram ocupar os nossos lugares. No dia seguinte saímos em liberdade e cada um ficou entregue à sua sorte.
Para mim, acabara um grande drama. Tinha uma boa “cunha” para ir para a polícia, tal como outros para funções públicas, entre eles o Vasco Barra que já tinha o exame feito para entrar e a partir dali ficou chumbado.”
Os meses no Forte de Caxias
“Não posso dizer muito mal de Caxias, o que não aconteceu com outros que foram maltratados. Era faxina dos próprios guardas que nos guardavam a nós e também fazia trabalhos de jardineiro. Os outros iam trabalhar para o forte em trabalhos mais pesados. Tínhamos 2 horas de recreio e estávamos separados dos outros presos políticos, na sala 9, a sala dos nisenses. As famílias em Nisa sofriam, as mulheres e os filhos tinham os homens e os pais presos, os seus únicos sustentos e não os podiam ajudar. Os dois homens solteiros no grupo, era eu e o António Veredas.
Não posso dizer mal dos guardas de Caxias. Sabiam que não estávamos ali por motivos políticos, muitos deles eram pobres como nós e tinham passado pelas mesmas situações de miséria. Fomos dados como “faxinas” do forte e pessoas honestas.”
O regresso a Nisa
“ No regresso a Nisa fomos bem recebidos, com muita alegria e lágrimas à mistura. O pesadelo para nós, não para todos, tinha acabado. Os que trabalhavam no campo continuaram a trabalhar, sem problemas. Aqueles que esperavam entrar para um trabalho no Estado, anos mais tarde foram para França, como eu fui e acabaram, através de muito esforço, por ter direito a reformas dignas que, se calhar, cá não tinham conseguido.”
O que foi a “Revolta do Pão”
Greve do Pão ou Revolta do Pão, o episódio sangrento de 12 de Dezembro de 1943 marcou, por muitos anos o imaginário dos nisenses. O que se passou nesse dia foi sendo esquecido por muitos daqueles que nele participaram. Poucos quiseram avivar a memória e, quando o faziam, contavam, apenas, fragmentos e pequenas histórias do que acontecera.
Manuel Bugio tem a sua própria versão dos factos e não teme contá-la.
“Não houve nenhuma revolta ou greve do pão. Nada foi organizado. Era domingo e dia de mercado. O povo juntou-se no Rossio e na Porta da Vila e os populares, com um copo a mais, indignaram-se quando viram chegar o pão a uma das padarias.
As pessoas naquele tempo viam-se “negras”. Os pobres eram “massacrados”, estávamos em plena guerra mundial, vivia-se à míngua de tudo e o pão foi o “rastilho” para que as pessoas dessem largas à indignação. Política? A maioria das pessoas eram analfabetos e com a miséria que havia quem é que se metia em política? Quem fez disso um caso político foram as autoridades e a repressão a tiro na Estrada de Alpalhão. Eu perdi um ano da minha mocidade, mas ganhei outros e fiquei a perceber melhor a podridão que existia em Portugal.
Mas, o que lá vai, lá vai. Quero é acabar os meus dias em paz e sossego, vir até aqui ao Rossio e rir-me de muitas das histórias que os meus amigos me contam.”
Mário Mendes in "Fonte Nova" - 4/1/2011
FOTOS
1) Manuel do Rosário Carita (Bugio)
2) Porta da Vila (Anos 40) – Local onde se iniciou a “Revolta do Pão”

3) Senha para a tristemente "famosa" Bicha do Pão

4.1.11

OPINIÃO: Câmara de Nisa não a(c)ta nem desa(c)ta

O site do Município de Nisa foi premiado, a nível nacional, em 2009. Perdeu, entretanto, algumas das funcionalidades que o tornaram atractivo, sendo, apesar disso, um dos cinco melhores do distrito, a nível autárquico.
Um dos aspectos negativos, que “saltam” à vista desarmada, é o tratamento informativo desequilibrado, privilegiando algumas associações e acontecimentos, em detrimento de outros. Dou um exemplo, actual: a recolha de sangue programada para o próximo sábado, dia 8, no Quartel dos Bombeiros de Nisa não merece qualquer referência. Outro tanto acontece com o tratamento dado às actividades de órgãos autárquicos, de que o caso mais notável de completo alheamento e desinteresse é o da não publicação das Moções da Assembleia Municipal. A página ou secção está lá, mas, "em actualização... "
E está assim desde que o site foi criado, pelo que se pode concluir que deve faltar pachorra a quem tem a responsabilidade de manutenção dos conteúdos.
O caso mais grave e escandaloso é, no entanto, a ausência de publicação das Actas das Sessões Camarárias há mais de um mês (a última publicada é a de 17 de Novembro de 2010).
Não me parece que seja a falta de tempo o motivo para este “atraso”. Outras razões haverão, certamente de natureza política, que impedem os eleitores e munícipes de todo o concelho, residentes ou ausentes, de serem informados sobre as decisões do executivo camarário.
Ora, a meu ver, esta situação configura um acto muito grave de lesar os cidadãos, impedindo o acesso à informação e aos actos da vida pública municipal.
Uma situação, por demais vergonhosa, quando se sabe que um dos slogans da coligação que governa o município é “ honestidade e transparência”.
Que tipo de transparência pode haver quando se esconde dos munícipes informação relevante e que lhe diz, directamente, respeito?
O que leva a presidência da Câmara a tomar tão grave atitude? O que foi discutido, proposto, aprovado, de tão transcendente neste espaço de tempo, que os munícipes não devam saber?
Bem sei que as actas estão publicadas em suporte “papel” e à disposição de quem as procurar na Biblioteca Municipal, mas, então, para que serve o site?
Para que servem as novas tecnologias de comunicação e informação? Os nisenses residentes no concelho ou espalhados pelo mundo não terão direito a saber o que se passa na sua terra?
Se há “uma verdade a que temos direito”, urge perguntar: esse direito é universal, para todos ou, apenas, para alguns privilegiados?
Alguém que responda!
Mário Mendes

3.1.11

ALPALHÃO: Vila Presépio com colorido e animação




O MTA – O Movimento Teresiano do Apostolado, de Alpalhão, levou a efeito no Dia de Natal, uma das mais belas iniciativas da quadra natalícia realizadas na região.
O III Presépio de Alpalhão, desta vez com a designação de “Vila Presépio” levou até aquela vila do concelho de Nisa muitas dezenas de pessoas que não temeram o frio que se fazia sentir e quiseram, com a sua presença, testemunhar e dar um pouco de calor humano, a esta realização dos jovens alpalhoenses.
A iniciativa realizou-se, este ano, em moldes diferentes, prevenindo o aparecimento de adversas condições climatéricas, como se verificou o ano passado, junto ao Calvário e que deitou por terra muitos dias de preparação e ensaios das crianças e jovens do MTA.
O cenário da “Vila Presépio” mudou-se para o designado “centro histórico de Alpalhão”, com actividades em muitas das casas antigas das ruas da Cadeia, Castelo, Direita, Santa Maria, Borralho e Largo da Praça, com aproveitamento e mostra ao público da antiga cadeia de Alpalhão, um espaço para o qual o presidente da Junta de Freguesia, João Moisés, prevê, em breve a sua recuperação e aproveitamento.
No Largo da Praça, onde funcionou o “Mercado de Jerusalém”, espaço para a venda e divulgação de alguns dos produtos característicos de Alpalhão, se entrecruzaram todas as cenas bíblicas que constituíram a estrutura desta “Vila Presépio”.
Uma iniciativa que movimentou mais de 40 figurantes, entre crianças, jovens e adultos, transmitindo às velhinhas ruas do burgo alpalhoense um colorido e animação que já tiveram noutros tempos e que hoje parecem destinadas, apenas, a lugares de passagem e de visita.
Este novo figurino do “Presépio de Alpalhão” tem condições para se afirmar como uma iniciativa cultural de grande valia. Assim os jovens do MTA continuem a acreditar e a trabalhar para que a sua terra mereça o reconhecimento que há muito lhe é devido.
Mário Mendes