31.1.17

Almaraz na Ordem de Trabalhos da 1ª sessão camarária de Fevereiro

Já não era sem tempo, como costuma dizer-se. Os problemas (gravíssimos) que têm ocorrido na Central Nuclear de Almaraz, que há muito devia ter fechado, a que se veio juntar a anunciada construção de um armazém para depósito de resíduos nucleares por parte do governo espanhol, sem consulta ao país vizinho e às instituições europeias, é um dos pontos, o último, por sinal, da Ordem de Trabalhos da 1ª reunião de Fevereiro da Câmara de Nisa.
Em ano de eleições autárquicas, faz bem a maioria (relativa) socialista, pronunciar-se sobre esta questão, mesmo que o ponto da agenda tenha sido proposto pela CDU.
Em Lisboa, num município onde o número de eleitos municipais na Assembleia é, substancialmente, maior e diverso, foi possível obter o consenso generalizado de todos os deputados municipais na condenação das intenções espanholas, tanto sobre a construção do aterro nuclear, como sobre o funcionamento da central, situada a 100 quilómetros da fronteira portuguesa. Nisa está muito mais perto de Almaraz do que Lisboa. Temos, aqui, outros problemas, não menos graves e relacionados com as minas de urânio, os escombros a céu aberto e os níveis de radiação, sobre quais não se conhece uma única ideia, palavra ou discurso, dos eleitos socialistas.
Seria bom, mesmo sendo o décimo quarto ponto da Ordem de Trabalhos, que a ocasião pudesse ser aproveitada para todos os eleitos dizerem, de forma clara e inequívoca, o que pensam sobre estes assuntos. Como diz o povo: vale mais prevenir do que remediar! E, nesta matéria, ninguém tem feito algo para tranquilizar as populações que os elegeram.
Mário Mendes

CASTELO DE VIDE: Acção de Reflorestação na Serra de São Paulo

O Gabinete Técnico Florestal da Câmara Municipal de Castelo de Vide, em parceria com a Asociación para la Defensa de la Naturaleza e los Recursos de Extremadura (ADENEX) e a Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA), reconfirmou a realização no próximo sábado, dia 4 de Fevereiro, de mais uma ação de reflorestação em terrenos públicos, na Serra de São Paulo.
Esta iniciativa dá assim continuidade ao que tem vindo a ser feito anualmente por estas entidades desde 2006, no quadro do programa de voluntariado Plantabosques.
Plantados 2 mil sobreiros
A ação do presente ano visa proceder à retancha (substituição de árvores que não vingaram) numa área de 2 hectares, adensamento de povoamentos de 1 hectar e à limpeza de infestantes em redor das plantas instaladas (sacha). Serão utilizadas na plantação perto de 2 000 plantas da espécie Quercus suber (sobreiro), disponibilizadas pela ADENEX.

Estas ações já permitiram a recuperação paisagística de perto de 20 hectares, através da instalação de cerca de 20 000 árvores de diversas espécies autóctones: Carvalho negral (Quercus pyrenaica), Medronheiro (Arbutus unedo), Sobreiro (Quercus suber), Azinheira (Quercus rotundifolia), Carvalho Alvarinho (Quercus robur), Castanheiro (Castanea sativa) e Cerejeira (Prunus avium). 

30.1.17

"Fora d´Horas" actua no sábado no Centro Cultural do Bom Sucesso em Alverca do Ribatejo

Seguindo o lema do CSCBS "promover arte / divulgar cultura" vai o Grupo de Música Tradicional Portuguesa "Sons de Sempre" do CSCBS, realizar no próximo dia 4 de Fevereiro a partir das 16h30m o seu 2º aniversário. Para os acompanhar nesta data, estão convidados o Grupo Fora D´ Horas de Nisa, António Charrinho e Inocêncio Casquinha. Fica prometida uma tarde recheada de muita musica tradicional e popular portuguesa. Fica o convite!

29.1.17

OPINIÃO: ZIF (Zona de Intervenção Florestal) Ribeira de Nisa

Consulta Pública até dia 29 de Janeiro
A gestão equilibrada de uma bacia hidrográfica seja ela de um rio, como o Tejo, ou até de uma linha de água como a Ribeira de Nisa, é de extrema importância para as populações residentes. Gera riqueza, prosperidade, fixa pessoas. Foi assim que surgiram lugares e regiões. Assim aconteceu com o projecto sustentável da construção das mini hídricas da Ribeira de Nisa, cujo mentor foi José Custódio Nunes.
Em 1925 surge a empresa Hidroeléctrica do Alto Alentejo, a Barragem da Póvoa e Meadas inaugura-se em 1928,  em 1932 a Barragem do  Poio, Central da Bruceira em 1934, Central da Velada em 1953 e por fim a Central da Foz em 1939, já quase no rio Tejo.
Em 2009, a Barragem da Póvoa e Meadas retorna ao estado, depois de 75 anos de concessão, sem quaisquer obras de reabilitação e requalificação da estrutura e  do espaço envolvente, conforme o contrato estabelecia.
Por esta altura começa também a exploração do sistema multimunicipal das Águas do Norte Alentejano (AdNA), para consumo humano, fonte principal de abastecimento de oito concelhos do distrito de Portalegre. Por esta altura, não enche, devido ás fissuras e a outros problemas técnicos. Há uns anos, sem que aparentemente tenha sido objecto de algum tipo de intervenção voltou a atingir a cota máxima.
Desde de 2013, que o  Festival Andanças, usufrui do espaço, do que outrora foram instalações diversas, do antigo jardim das hortenses, da casa comunitária com barbecue, e que tinha electricidade gratuita, das mesas para piquenique. Era a Barragem da Povoa e Meadas,  a “nossa praia”.
Perde Nisa, perde o rio Tejo já tão mal tratado. A ribeira chega mesmo a secar durante a primavera/verão junto a foz impedindo a reprodução de peixe como bogas , bastava uma torneira a correr! Já foram á Bruceira e ao Poio durante o Verão, parece um prolongamento da ETAR de Nisa!
Mas eis nova ameaça, ZIF (Zona de Intervenção Florestal) Ribeira de Nisa, em consulta pública até ao dia 29 de Janeiro, norte do concelho de Nisa, cerca 12.500 ha, abrange as freguesias de: União de Freguesias de Espirito Santo, Srª da Graça e S. Simão, Freguesia de S. Matias e Freguesia de Santana, lugar onde foram realizadas as assembleias da constituição da ZIF. Até aqui tudo bem, bom palavreado nos objectivos, sustentabilidade, ordenamento, redução dos incêndios, controle das espécies invasoras, protecção das espécies autóctones, etc. Há nomes duplicados na lista de aderentes. Quando lemos, percebemos nitidamente, nas assinaturas do núcleo fundador, lá estão as chancelas The Navigator Company, Navigator Forest  Portugal SA.
Palavras para quê? Está tudo dito! Despovoamento, Tejo sem peixe, queijo de Nisa vem de Monforte, a Central de Almaraz na iminência de rebentar, vamos mas é tod@s para Lisboa?
Já pedimos aconselhamento junto de alguns deputados da Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação. Encetamos contactos com associações de ambiente, técnicos destas temáticas para que nos ajudem a preparar um plano de acção.
Mas é muito difícil, é preciso o envolvimento das populações, não podemos continuar assistir de bancada ou a criticar que são todos iguais, isto é o que as multinacionais querem, resgatar os nossos recursos, sugarmos até ao tutano.
José Maria Moura - 26/1/2017

Conferência Anti-Nuclear "Fechar Almaraz", em Lisboa


OPINIÃO: Correios

No espaço de uma semana, a estação de Correios onde costumo ir tinha sido transformada num banco assético, dividido em áreas retangulares com painéis alusivos a taxas de juro e livros de autoajuda. Os Correios evoluíram. Ainda entregam e recebem cartas, mas são cada vez mais uma fachada para vender literatura de posto de abastecimento e cartões de crédito. Sabia-se que a privatização de um serviço nuclear para a comunidade acarretava riscos - e traria, também, benefícios em matéria de gestão -, mas a adaptação da empresa à modernidade parece estar a fazê-la desviar-se da sua matriz. Não é aceitável que os vales de pensão de muitos reformados continuem a não ser pagos por falta de dinheiro nos balcões (21% dos pensionistas ainda vão para a fila dos Correios). Verbas que, esclareceu o primeiro-ministro António Costa, continuam a ser transferidas a tempo e horas pela Segurança Social. Por isso, das duas uma: ou os CTT estão a reter as pensões para usos financeiros criativos, ou estão tão entusiasmados com a ideia de emprestar dinheiro a taxas de juro competitivas que nem se apercebem do sarilho em que se pode meter um banco que não devolve dinheiro que é dos clientes. Desta vez, a culpa não é do carteiro.
Pedro Ivo Carvalho in “Jornal de Noticias” – 28/1/2017

ORIENTAÇÃO: Equipa checa estagia no concelho de Nisa

De 27 de Janeiro a 05 de Fevereiro vai estar a estagiar em Nisa uma equipa da Republica Checa - SK Zabovresky Brno, Czech Republic
A equipa escolheu Alpalhão para o seu Quartel General durante 10 dias, durante um dos seus estágios de Inverno.
A equipa celebrou uma parceria com o Grupo Desportivo dos 4 Caminhos para partilha de treinos.
A equipa Checa aproveita as boas condições de Portugal durante o Inverno e o GD4Caminhos irá estagiar na Republica Checa durante o Verão.
Os atletas checos estão alojados na Quinta dos Ribeiros, em Alpalhão, no concelho de Nisa. 

28.1.17

S. SIMÃO (Nisa) :Poetas populares da freguesia (1)

Maria do Rosário Tremoceiro nasceu a 28 de Agosto de 1934 no Monte Cimeiro, aldeia já desabitada da freguesia de São Simão, concelho de Nisa.
Toda a sua adolescência e juventude foram passadas no Monte Cimeiro.
Aos 23 anos casou e passou a acompanhar o marido nas suas andanças de ferroviário, por todo este país.
Não frequentou a escola primária na altura própria, pois nesses tempos era frequente as raparigas ficarem a tomar conta dos irmãos mais novos.
Só depois dos sessenta anos é que fez exame da 4ª classe.
Cidadã activa, inteligente e perspicaz é dotada de uma veia poética natura, guardando na memória as quadras que compõe. Eis alguns dos seus versos:
Nasci no Monte Cimeiro
Que fica na encosta da serra
É uma aldeia pequenina
Que pertence ao Pé da Serra

A aldeia já acabou
Já lá não mora ninguém
Quando por lá passo
Sinto-me lá muito bem.
Tenho boas recordações
Do meu tempo de infância
Os serões em família
E as brincadeiras de criança.

Os meus irmãos jogavam à bola
E a minha mãe cozia o pão
Eu ia buscar água à fonte
Com o cantarinho na mão.

Quando era criança
Não escola não pude andar
Cuidava dos meus irmãos
Para a minha mãe trabalhar.

Mas, às vezes sinto-me triste
Por me lembrar do passado
Vejo as casas sem porta
E outras já não têm telhado

Na casa onde eu nasci
Essa ainda está de pé
Tem porta e tem telhado
E também tem chaminé.

Governo prorroga a suspensão do Plano de Ordenamento da Albufeira de Castelo de Bode para viabilizar empreendimento turístico

A Albufeira de Castelo do Bode é uma reserva estratégica de água que abastece quase três milhões de portugueses, desde Vila de Rei, até Lisboa.
Esta decisão de manter a suspensão do Plano de Ordenamento da Albufeira de Castelo de Bode (POACB) abrange uma área turística do concelho de Vila de Rei, situada entre as localidades de Cabecinha e Macieira, assim como uma área localizada numa encosta classificada como “Zona de Proteção e Valorização Ambiental”, até recentemente integrada na Reserva Ecológica Nacional.
O Conselho de Ministros aprovou no passado dia 22 de dezembro, com efeitos retroativos a 20 de dezembro de 2016, a prorrogação da suspensão do Plano de Ordenamento da Albufeira de Castelo de Bode (POACB), através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 23/2017, publicada no Diário da República no dia 24 de janeiro, para favorecer a construção de um novo empreendimento turístico.
O Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia avançou com o grave precedente ao prorrogar a suspensão de um plano especial de ordenamento do território para favorecer um promotor privado, contra o interesse público da salvaguarda da Albufeira de Castelo do Bode e sua envolvente.
 Esta resolução surge na sequência do arrastar de um processo pendente no Município de Vila de Rei e na Agência Portuguesa do Ambiente, para viabilizar o projeto turístico de Hotel Rural denominado Herdade Foz da Represa.
Alteração da Reserva Ecológica Nacional à medida do projeto turístico é inaceitável
O Governo para ajudar o promotor do projeto turístico da Herdade da Foz Represa, alterou a delimitação da REN - Reserva Ecológica Nacional à medida do interesse privado, o que se constata no Aviso n.º 12243/2016, publicado no Diário da República de 7 de Outubro de 2016. Esta decisão é inaceitável e contraria a defesa do interesse público ao remover localmente as condicionantes de ordenamento do território para salvaguarda da qualidade da água da Albufeira de Castelo do Bode. Os efluentes do Hotel Rural serão encaminhados para uma fossa estanque e como se não existissem potenciais problemas a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Rural do Centro deu o seu aval.
Um dos problemas da Albufeira de Castelo do Bode é a pressão urbanística adjacente, com risco para a qualidade da água na Albufeira, pelo que o plano de ordenamento deveria conter o avanço de novas construções e atividades potencialmente impactantes.
A Quercus considera que a bacia desta albufeira deve ser preservada sem promoção imobiliária como garantia de manutenção da qualidade da água no futuro. Estas exceções e precedentes podem dar origem a futuros projetos imobiliários indesejáveis nesta importante reserva de água.
A Quercus espera que o Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia salvaguarde o interesse público da conservação dos recursos naturais adjacentes à Albufeira de Castelo do Bode, revogando esta resolução.
Lisboa, 25 de Janeiro de 2017
A Direção Nacional da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza

27.1.17

A um mês da XXII edição do Portugal O' Meeting, foi batido o Record e Países presentes na competição

34 Países passou a contituir um novo record de participação a um mês da competição do maior evento da Orientação Mundial no período do Carnaval.
Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Bulgária, Canadá, Colômbia, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grã-Bretanha, Hungria, Irlanda, Itália, Japão, Letónia, Lituânia, Noruega, Polónia, Portugal, Republica Checa, Rússia, Suíça, Suécia, Taiwan, Turquia, Ucrânia e USA
Simone Niggli é a mais recente estrela da Orientação Mundial a entrar para o Portugal O Meeting '2017. Tendo alcançado 23 títulos mundiais, 10 títulos europeus e 9 Taças do Mundo, é unanimemente considerada a melhor orientista de todos os tempos e uma verdadeira embaixadora da Desporto da floresta. Escolher Portugal no Inverno, Simone Niggli está de volta ao POM para recordar "os bons velhos tempos" e, estamos certos, espalhar a sua classe pelos terrenos de Alter do Chão, Crato e Portalegre. Recorde-se que Simone Niggli venceu a competição por seis vezes, primeiramente em 2002 e, mais recentemente, por cinco vezes consecutivas, nas edições de 2010 a 2014. Neste momento, o número de inscrições está nos 1116 de 34 Países. Além de Simone Niggli, a sueca Helena Jansson é uma forte presença na Elite Feminina. No lado masculino, Gustav Bergman e Albin Ridefelt (Suécia), Lucas Basset e Thierry Gueorgiou (França), Baptiste Rollier (Suíça) e Milos Nykodym (República Checa) são os maiores nomes até agora.
Mais informações em www.pom.pt
Foto de Simone Niggli da autoria de Susana Luzir

Verdes promovem Jornadas Parlamentares em Castelo Branco e Portalegre

Riscos da central nuclear de Almaraz em destaque
 O Grupo Parlamentar Os Verdes dedica as suas Jornadas Parlamentares, da presente sessão legislativa, ao tema da ameaça e riscos decorrentes da Central Nuclear de Almaraz.
Ouvir e debater os riscos que a Central Nuclear de Almaraz representa para Portugal, nomeadamente para as populações e para os territórios localizados na raia e na zona ribeirinha do Tejo, e a forma como estamos preparados para enfrentar esta ameaça, é o objetivo das Jornadas Parlamentares.
Programa das Jornadas Parlamentares:
30 de Janeiro  - Castelo Branco
11.00H – Reunião com Administração da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco ( Av. Pedro Alvares Cabral)
12.30H – Conferência de Imprensa junto ao Mercado de Castelo Branco (Avenida 1º de Maio, 1º andar)
14.30H – Reunião e visita às Instalações do Comando Distrital de Operações de Socorro - (CDOS, Praça Nercab)
16.00H – Reunião com os Bombeiros Voluntários de Castelo Branco
17.00H – Contacto com Unidade Hoteleira Vila Portuguesa – Casa de Campo (Rua das Pesqueiras, Nº25, Vila Velha de Ródão)
17.30H – Viagem de Barco entre Vila Velha de Ródão e Barragem do Fratel
18.30H – Distrito de Portalegre - Conversa com pescadores do Rio Tejo na sede da Junta de Freguesia de Santana (Aldeia do Arneiro, Nisa)
31 de Janeiro - Portalegre
09.00H – Reunião com a Direção do Agrupamento de Escolas de Nisa e debate com alunos.
11.00H – Visita ao Centro de Formação da Guarda Nacional Republicana de Portalegre ( Avenida George Robinson, 1)
14.00H – Audição Pública Descentralizada sobre a Central Nuclear de Almaraz, no Auditório da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (Praça da República, nº 23-25)
17.00H – Conferência de Imprensa para apresentação das conclusões das Jornadas Parlamentares (Auditório da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais.
O Grupo Parlamentar Os Verdes

25.1.17

Morreu o professor Mário Ruivo, pioneiro da investigação oceanográfica

Faleceu hoje em Lisboa o Professor Mário Ruivo. O seu corpo estará hoje em câmara ardente na Gare Marítima de Alcântara a partir das 16 horas e até às 24 horas.
O funeral sairá amanhã, às 15 horas, da Gare Marítima de Alcântara para o Cemitério dos Prazeres.
Natural de Campo Maior, o professor Mário Ruivo era biólogo formado pela Universidade de Lisboa, e especializou-se em Oceanografia Biológica e Gestão dos Recursos Vivos na Universidade de Paris – Sorbonne.
Considerado um cientista e político pioneiro na defesa dos oceanos e no lançamento das temáticas ambientais em Portugal, Mário Ruivo esteve ainda ligado a movimentos antifascistas, desde a sua juventude até Abril de 1974.
Entre outros cargos foi ministro dos Negócios Estrangeiros em 1974-75, secretário de Estado das Pescas, diretor-geral dos Recursos Aquáticos e Ambiente do Ministério da Agricultura e Pescas (1975-1979) e presidente da Comissão Nacional para o Fundo das Nações Unidas para a Agricultura (1974-1979).
Entre 1995 e 1998 foi coordenador da comissão mundial independente para os oceanos e ainda conselheiro científico da Expo’98.
Mário Ruivo foi presidente da Comissão Oceanográfica Intersectorial do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, presidente do Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável e presidente do Comité para a Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO.
Foi agraciado com vários galardões, como a Grã-Cruz da Ordem Nacional de Mérito Científico (Brasil), Grã-Cruz da Ordem de Mérito (Portugal), Grande Oficial da Ordem Militar de Santiago de Espada (Portugal) ou Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique (Portugal).
Universidade do Algarve decreta três dias de luto académico pela morte de Mário Ruivo
O Reitor da Universidade do Algarve, Professor Doutor António Branco, vem, em nome de toda a comunidade académica, manifestar publicamente o mais profundo pesar pelo falecimento do Professor Mário Ruivo e endereçar à família e aos amigos as mais sinceras e sentidas condolências. A Instituição solidariza-se com este momento de tristeza, decretando três dias de luto académico.
Mário Ruivo recebeu, a 14 de dezembro de 2016, o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade do Algarve. Investigador pioneiro na defesa dos oceanos, na cerimónia, em que também se assinalava o 37º aniversário da UAlg, Mário Ruivo brindou os muitos presentes com uma verdadeira evocação ao Mar/ Oceano, reconhecendo que “a Universidade do Algarve tem estado particularmente ativa na reflexão e mobilização da comunidade científica do mar, tem contribuído para uma análise factual da situação e delineado elementos para uma estratégia que responda aos requisitos”.

24.1.17

HUMOR EM TEMPO DE CÓLERA

Animar a malta
Cartoon de Henrique Monteiro in http://henricartoon.blogs.sapo.pt

PORTALEGRE: Cerimónia de transferência de comando na GNR

Realiza-se pelas 11H00 do dia 25 de janeiro do corrente, a cerimónia militar de tomada de posse do novo Comandante do Comando Territorial de Portalegre da GNR, Coronel de Cavalaria Joaquim António Papafina Vivas.
O evento terá lugar no Quartel de Stº Agostinho em Portalegre e será presidido pelo Exmº Tenente-general Luís Francisco Botelho Miguel, Comandante-geral em suplência, da GNR.

Convidam-se os meios de comunicação social interessados a assistir à cerimónia, para o qual deverão fazer a credenciação dos seus representantes, através da apresentação de carteira profissional, junto do acesso do aquartelamento entre as 10H30 e as 10H45, do próprio dia.

21.1.17

NIZA no Archivo Historico de Portugal






É uma publicação de 1890, o número 90 do Archivo Historico de Portugal - Narrativa da fundação e das cidades e villas do Reino, seus brazões d´armas, etc., na qual Nisa consta, a partir da página 195. 
A descrição de Nisa ou a narrativa da sua fundação, nada acrescenta ao que se conhece e publicado quer na Memória Histórica do Dr. Motta e Moura, - de onde, parece ter sido extraída a prosa - quer na Monografia da Notável Vila de Nisa, do Prof. José Francisco Figueiredo.
Curiosa é a apresentação do Brasão de Armas, ainda sem os elementos decorativos, estilizados, da Monarquia, mas mantendo a coerência dos elementos históricos que caracterizaram, até 1986 - data da sua alteração, por imposição legal - o brasão municipal de Nisa.
Sobre esta questão, contamos apresentar noutra mensagem um trabalho mais desenvolvido e que ajude a perceber a "evolução" do símbolo maior da vila e concelho de Nisa.

20.1.17

Zeca Afonso, um dos nomes.da revolta partiu há 30 anos

Comemorações por todo o país assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso
Concertos, exposições e outras criações sob o lema 'Insisto não ser tristeza' assinalam, um pouco por todo o país, as comemorações dos 30 anos da Associação José Afonso e do cantautor que lhe deu nome..
"Insisto não ser tristeza" - um verso de José Afonso - é o mote das comemorações, disse Francisco Fanhais, presidente da associação, acrescentando que estas visam igualmente "não fazer perder a memória do Zeca no coração das pessoas".
"A ideia é celebrar os 30 anos da associação e evocarmos o legado que o Zeca nos deixou, que não está morto, mas que devemos perpetuar para as gerações que nos seguirem, porque se não o fizermos não cumpriremos a nossa função", sublinhou Francisco Fanhais.
Lisboa, Setúbal, Braga, Faro, Santiago do Cacém, Santo André, Aveiro, Seixal, Almada, Évora, Santarém, Agualva-Cacém, Abrantes e Bruxelas são os locais onde irão decorrer as iniciativas, entre as quais está previsto um concerto com o cantor Patxi Andión, em junho, em Évora.
Um concerto intitulado '30 anos', com Francisco Fanhais e Pedro Fragoso, a 04 de fevereiro, na Casa da Cultura de Setúbal, é o primeiro de vários que reunirá, entre outros, Fanhais, um dos companheiros de sempre de Zeca, e Rui Pato, que aos 16 anos começou a acompanhar Zeca Afonso em Coimbra.
A 19 de Fevereiro, no Teatro das Figuras, em Faro, subirão ao palco Francisco Fanhais, Rui Pato, B Fachada, Manuel Freire e Afonso Dias, entre outros.
Quatro dias depois - quando se perfizerem 30 anos da morte de Zeca Afonso - haverá um tributo ao cantautor no Conservatório Gulbenkian, em Braga, que reunirá o Grupo Canto d´Aqui, Artur Caldeira, Ana Ribeiro e a cantora galega Uxia.
'Este rio, este rumo, esta gaivota', 'Semeio palavras na música', 'Somos nós os teus cantores', 'Tenho barco, tenho remos' e 'Insisto não ser tristeza' são os títulos dos 19 concertos que integram a programação da iniciativa.
Questionado pela Lusa sobre se a programação não contará com um grande concerto em LIsboa, Francisco Fanhais disse que a AJA gostaria de o fazer, mas que tudo dependerá dos custos.
O Coliseu dos Recreios, em Lisboa - onde José Afonso atuou pela última vez em 29 de janeiro de 1983 e onde a 29 de março de 1974 foi cantada a "Grândola, Vila Morena" - ou a Aula Magna são salas de que o presidente da AJA gostaria para aquela iniciativa.
'Desta canção que apeteço', o título de uma exposição sobre a obra discográfica de José Afonso, 'Geografias de uma vida', título de outra exposição, e '30 anos da AJA' são títulos de exposições que vão estar patentes em Évora, Mira-Sintra, Santarém, na Fundação Oriente, em Lisboa, Abrantes, Almada, Santo André, Santiago do Cacé, no Thêatre Molière (Bruxelas), Leiria, Évora, Setúbal e Faro.
Para Francisco Fanhais, "o mais importante das iniciativas é mostrar que Zeca foi um artista da música, da poesia, da voz e que pôs a sua arte ao serviço da cidadania de uma maneira desprendida e desinteressada de forma a contribuir para uma sociedade sem muros nem ameias e sem exploradores nem explorados".
"E é esse o espírito que nos anima", frisou, sublinhando que a AJA dá "particular importância ao trabalho que faz junto das escolas para transmitir aos mais jovens o legado do Zeca".
José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos nasceu a 02 de agosto de 1929 em Aveiro e morreu a 23 de fevereiro de 1987, no Hospital de S. Bernardo, em Setúbal, vítima de esclerose lateral amiotrófica.
A Associação José Afonso foi criada a 18 de novembro de 1987 por uma série de amigos de José Afonso, atualmente tem o estatuto de entidade de Utilidade Pública e conta com núcleos no Porto, em Aveiro, Coimbra, Santarém, Lisboa, Almada, Seixal.
in "Hardmúsica" - www.hardmusica.pt

NISA: Espectáculo humorístico com António Raminhos


18.1.17

ALPALHÃO: Junta apoia residentes no preenchimento do IRS


VALNOR e GNR de Elvas entregam 2 cadeiras de rodas aos Bombeiros Voluntários de Campo Maior

Realizou-se hoje, dia 17, no Centro Escolar Comendador Rui Nabeiro, em Campo Maior, a cerimónia de entrega de 2 cadeiras de rodas aos Bombeiros Voluntários de Campo Maior. A ação resulta do culminar de uma campanha de recolha de plásticos, desenvolvida pela GNR de Elvas que, mais uma vez abraçou esta campanha de solidariedade social, em colaboração com a empresa VALNOR, que envia para valorização/reciclagem os plásticos recolhidos.
A VALNOR é uma empresa que aposta na responsabilidade social empresarial, pautando-se em missões técnicas de gestão de resíduos, mas também no desenvolvimento de ações voluntárias de preocupações sociais e ambientais nas operações quotidianas das instituições e particulares. O conceito de desenvolvimento social acontece na sua plenitude quando as pessoas e sociedade evoluem em simultâneo. Para que isto aconteça é necessário que ambas, pessoas e sociedade, melhorem a forma como se relacionam. Criar ou melhorar relações passa por entender o que falta a cada uma das partes, para que possam colaborar mutuamente.
Desde o ano transato a VALNOR encontra-se a desenvolver a “CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL: RECOLHA GARRAFA + TAMPAS DE PLÁSTICO (ASSOCIAÇÕES HUMANITÁRIAS DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS)”. Esta ação integra-se numa campanha de sensibilização cujo principal objetivo é incentivar a população para a valorização/reciclagem do plástico e, ao mesmo tempo, ajudar uma instituição de solidariedade social, consciencializando a população para a necessidade de promover e participar num desenvolvimento sustentado, mas também apoiar as instituições que com escassos recursos ajudam quem mais necessita.

17.1.17

Associação de Estudos do Alto Tejo - Central de Almaraz: Bomba atómica na margem do Tejo?

A Associação de Estudos do Alto Tejo associa-se aos esforços do Governo português, organizações ambientais e outras entidades para impedir a construção, por parte das autoridades espanholas, de um aterro de resíduos nucleares da central de Almaraz, Espanha. E reitera o empenho em forçar o governo espanhol a cumprir o calendário que o próprio divulgou em devido tempo de desmantelamento da central nuclear de Almaraz em 2020.
A Associação de Estudos do Alto Tejo sublinha os riscos de devastação na saúde humana e no ambiente associados à laboração de uma central nuclear. No caso de Almaraz, potenciados pela sua laboração junto ao rio Tejo. Razão mais do que suficiente para obrigar a uma posição enérgica de Portugal, pela proximidade geográfica com Almaraz (cerca de 100 quilómetros) e partilha da gestão do Tejo.
A Associação de Estudos do Alto Tejo exige à Comunidade Europeia que seja diligente e rigorosa com Espanha na aplicação das regras comunitárias, em especial as ambientais, e no acompanhamento deste processo.
Por último, a Associação de Estudos do Alto Tejo junta não só a voz como a disponibilidade para planear, organizar e concretizar todas as ações de sensibilização e protesto, de todas as entidades que partilham as mesmas reivindicações, e que visem travar o processo de construção do aterro nuclear de Almaraz e conduzam ao desmantelamento da respetiva central nuclear até ao ano de 2020.

Caixa vai aumentar preços dos cartões e das transferências bancárias

Os clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vão pagar mais pelos serviços prestados pelo Banco do estado, a partir de Abril, nomeadamente pelo uso dos cartões bancários e pelas transferências.
A CGD anunciou um novo preçário, que entrará em vigor em Abril deste ano, e que inclui aumentos nos preços das anuidades dos cartões e nas comissões das transferências bancárias.
A notícia é avançada pelo Jornal de Negócios que atesta que as anuidades dos cartões vão aumentar conforme o tipo de produto utilizado por cada cliente da Caixa.
No caso das transferências bancárias feitas da CGD para outros bancos, nos balcões da instituição ou através de telefone, vão ficar mais caras um euro.
Aumento assinalável verifica-se ainda, na requisição de cheques, seja por telefone, seja pela Internet. Solicitar um pacote de 11 cheques cruzados à ordem custava até agora 16,50 euros e passará a custar 18,15 euros, a partir de Abril, segundo refere o Negócios.
Estas medidas estavam incluídas no plano de reestruturação elaborado por António Domingues, o ex-presidente da CGD e vão entrar em vigor, mesmo após a sua saída da instituição.
O Banco do Estado espera poder amealhar mais 150 milhões de euros em comissões, durante os próximos quatro anos, conforme nota o Negócios.
ZAP //

NISA e ALPALHÃO: Tecnologias de Informação para seniores

Em Nisa, na Biblioteca Municipal e em Alpalhão, no Centro Cultural, irão decorrer acções de formação/aprendizagem de tecnologias de informação (informática) destinada a séniores.
As acções promovidas pela Câmara Municipal, são gratuitas, decorrem de 7 de Fevereiro a 7 de Abril e terão a duração de duas sessões semanais de 1 hora e meia. As inscrições podem ser feitas na Biblioteca Municipal de Nisa e no Centro Cultural de Alpalhão.

16.1.17

CDU ganhou eleiçôes intercalares na Freguesia de Galveias

O Partido Ecologista Os Verdes regozija-se com a vitória obtida pela CDU nas eleições intercalares para a Assembleia de Freguesia de Galveias (Concelho de Ponte Sor – Distrito de Portalegre).
Galveias confiou na lista da CDU, encabeçada por Fernanda Bacalhau, a quem deu a maioria absoluta, com 273 votos (cinco eleitos) dos 547 votos expressos.
Os Verdes estão convictos e confiantes que Galveias pode agora contar com uma equipa competente e dedicada, empenhada na defesa dos interesses da freguesia e das suas populações.
Partido Ecologista Os Verdes

PORTALEGRE: Apreensão de artigos contrafeitos no valor de 3500 euros

Militares do Comando Territorial de Portalegre apreenderam ontem, dia 15 de janeiro, em Portalegre, um veículo e 832 peças de material contrafeito, no decorrer de uma operação de fiscalização direcionada ao transporte de mercadorias.
Além dos artigos de vestuário, malas e perfumes apreendidos, num valor total estimado de cerca de 3 500 euros, foram ainda fiscalizados 120 veículos diversos, tendo sido também feita uma detenção por condução ilegal e elaborados oito autos de contraordenação.
A ação de fiscalização envolveu militares dos destacamentos do Comando Territorial de Portalegre e da Unidade de Ação Fiscal.

Serpa promove a Feira do Queijo do Alentejo

No próximo dia 24 de janeiro, o município de Serpa faz a apresentação pública da 16ª edição da Feira do Queijo do Alentejo, no Museu Etnográfico de Serpa, às 11h30. Esta ação pretende dar a conhecer o Programa da Feira, os objetivos do certame e apresentar as diversas ações de promoção que vão decorrer até à abertura da Feira.
A Feira do Queijo do Alentejo realiza-se de 24 a 26 de fevereiro de 2017, no Pavilhão de Feiras e Exposições de Serpa. Mostra económica do melhor que se produz no concelho, com destaque para o queijo e as agroalimentares, onde estão também representados o artesanato, os produtos regionais, as tasquinhas com gastronomia típica e outras atividades ligadas ao mundo rural e à cultura e identidade local, tem vindo a aumentar a capacidade de atração de profissionais do setor, ao mesmo tempo que potencia e estimula o turismo no concelho, com o crescente número de visitantes que anualmente marcam presença.
Nesta edição, o certame terá maior área e maior número de produtores de queijo, estando confirmados queijos de Serpa, Évora, Nisa, Beira Baixa, Castelo Branco, Terrincho-Trás-os-Montes, Azeitão, Redondo, Borba, Estremoz, Rio de Moinhos, Serra da Estrela, Açores e Salamanca (Espanha). Salienta-se a forte presença do Cante Alentejano durante os três dias da Feira, as atividades de animação para o público mais jovem garantido no Espaço Brinca, as oficinas práticas relacionadas com a culinária e o queijo, as sessões de apresentação de projetos e programas relacionados com o desenvolvimento local, o Concurso de Melhor Queijo da Feira do Queijo e muitas outras oportunidades de experimentação e de diversão, que vão continuar a marcar o Programa da Feira.

15.1.17

NISA: Inijovem abriu as inscrições para a Rota do Contrabando 2017

Estão Abertas as inscrições para a "XVIII Rota do Contrabando/ Ruta del Contrabando", este ano entre as localidades de Cedillo (Espanha) e Montalvão (Portugal).
Marque já na sua Agenda, 25 de Março de 2017.

OPINIÃO: Homens do lixo

O caso de Almaraz mostra bem a bagunça do estado português.               
O problema da central nuclear de Almaraz não está apenas na sua lixeira de resíduos. Está sobretudo na forma unilateral como Madrid decide instalá-la aqui à porta sem dar contas ao vigário. O gesto não é ‘bonito’, para usar um eufemismo, mas é compreensível à luz da bagunça lusitana: Almaraz sempre foi tratada com displicência, incompetência, ou uma mistura de ambas pelo Estado português. Tirando alguns especialistas que pregam no deserto, ter uma central velha, fora do prazo de validade e sujeita a incidentes vários nunca perturbou grandemente o sono da nossa fidalguia. Agora, parece que haverá uma queixa a Bruxelas depois do nosso ministro do Ambiente ter ido a Madrid para mostrar que, afinal, estava vivo. Não se esperam milagres. Ou, melhor dizendo, até se esperam: quando o assunto é Almaraz, os portugueses devem confiar mais no céu do que nos comediantes que andam aqui pela terra.

João Pereira Coutinho in “Correio da Manhã” – 13/1/2017

14.1.17

NISA: Convívio de "Artilheiros" de 1972


Nisa recebeu primeira dádiva de sangue 2017






A Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Portalegre – ADBSP – já deu início às colheitas de sangue agendadas para o presente ano. A estreia de 2017 foi em Nisa e, no quartel dos Bombeiros, marcaram presença 21 voluntários, dos quais 12 mulheres (57,1%).
Uma vez consultados os potenciais dadores, só um não seguiu para a sala das colheitas. Este é tempo de resfriados e, como tal, várias foram as pessoas de Nisa que tiveram a amabilidade de comunicar pessoalmente que não se iriam inscrever, pois não estavam bem.
Uma jovem doou sangue pela primeira vez. E o Registo Nacional de Dadores Voluntários de Medula Óssea contabilizou uma entrada.
O almoço convívio decorreu num restaurante local, com o apoio da Câmara Municipal de Nisa.
Castelo de Vide
A ADBSP tem brigadas agendadas proximamente em: Castelo de Vide, nos Bombeiros, a 21 de janeiro; Montargil, no Centro de Saúde e em parceria com os Motards Montargil, a 11 de fevereiro.
Esperamos por si, num destes sábados, da parte da manhã!

JR