30.8.14

MONTALVÃO: Vem aí a Romaria da Senhora dos Remédios













De 5 a 8 de Setembro realizam-se em Montalvão, os tradicionais festejos em honra da Senhora dos Remédios. A romaria, no dia 8, é o ponto alto destas festas populares que congregam a atenção dos naturais e de povos vizinhos.
As imagens são da romaria realizada a 8 de Setembro de 2008.

Um quadro e um poema (1)

O Alentejo
O Alentejo
é a sombra no deserto.
Tudo tão longe,
tudo tão perto...
O poejo,
a cegonha.
A brancura do casario,
o luar de Agosto.
A azinheira,
o sol posto...
O calor e o frio...
O horizonte desmedido,
o olhar defronte, do cigano
a boina descaída, do alentejano,
a outra margem do colectivo,
o restolho comprido...
O peito aberto ao vento,
a livre seara no pensamento...

Pintura de Virgínia Peleja - Poema de José Mendes

29.8.14

NISA: Exposição de Pintura de Pequito Ribeiro

Durante o mês de setembro está patente na Biblioteca Municipal de Nisa a exposição “MOMENTOS”, com pinturas de Pequito Ribeiro.
Os trabalhos desta exposição na Biblioteca Municipal de Nisa apresentam “momentos vividos pelo autor, que modesta e serenamente, vai refletindo pelo traço e pele cor sobre a brancura e inocência do papel os seus momentos de vida”.
Pequito Ribeiro nasceu em Nisa, de onde saiu com seis de idade. Cresceu e formou-se como homem na cidade do Porto. Tem nas veias sangue alentejano (por parte da mãe) e minhoto (por parte do pai). Afirma sentir “uma certa nostalgia pelo alentejano que é” mas não se revê com tal, dado “pouco ter bebido do ser e pensar alentejano”, por outro lado, sente uma forte ligação ao Porto – cidade de granito e ferro – assim como às suas gentes.
Diz-se profundamente tocado por Vieira da Silva e pela obra de Júlio Resende, invocando igualmente Piet Mondrian.
Pequito Ribeiro é Membro da Associação Artística de Gondomar. A exposição “MOMENTOS” foi apresentada este ano no Centro Cultural da Branca – Albergaria-a-Velha e na Junta de Freguesia de São Mamede de Infesta e Senhora da Hora; em 2013, apresentou a exposição “A COR E A FORMA” no Museu do Vinho do Porto – Câmara Municipal do Porto e na Associação Artística de Gondomar apresentou uma exposição sem título. Desde 2003, participou em exposições coletivas em Rio Tinto, Gondomar, Porto, Oliveira do Hospital e Vidigueira.

28.8.14

NISA: Inscrições abertas para o 1º Trail Running "Vila de Nisa"


Amantes do Trail Running nos Trilhos de Montalvão






Quarenta praticantes de Trail Running de Portalegre, Nisa e outras localidades, deslocaram-se no passado domingo, dia 24, a Montalvão e aproveitaram para treinar e conhecer uma das zonas mais belas do concelho de Nisa e do Norte Alentejano, como reconhece João Correia, dirigente do Atletismo Clube de Portalegre.
"Belos trilhos os que vão de Montalvão ao rio Sever no circuito das azenhas/moinhos. Alguns bastantes técnicos e íngremes desafiaram hoje os cerca de 40 participantes no evento organizado no âmbito do ON 2: Trail Running no Alto Alentejo: Verão de 2014, com que vamos procurando multiplicar o interesse por esta fantástica modalidade desportiva. Deixamos um álbum com as fotos do evento para que se deliciem e motivem.
As fotos que publicamos são de Vitorina Mourato na sua página de Facebook  

26.8.14

SANTANA (Nisa): Festas populares de Santa Ana




De 15 a 18 de Agosto realizaram-se em Arneiro (Nisa), as festas populares em honra da Senhora Santa Ana, padroeira daquela freguesia que inclui as aldeias de Pardo, Duque e Arneiro. Como sempre, os festejos revestiram-se de grande brilhantismo e animação, tendo o seu ponto alto com as celebrações religiosas, a missa seguida de procissão acompanhada por muitos fiéis e à qual deram a sua contribuição muitos dos antigos e actuais pescadores ainda em actividade nesta típica freguesia ribeirinha.
As fotos são de Jorge Nunes, a quem agradecemos.


FALAGUEIRA: Eleições na Associação Cultural e Recreativa

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E RECREATIVA DE FALAGUEIRA
CONVOCATÓRIA
Convocam-se todos os associados para uma Assembleia Geral
Ordinária, a ter lugar pelas 21h00 horas do próximo dia 30 de Agosto na sede social da Associação, com a seguinte Ordem de Trabalhos:
Ponto únicoEleição dos Corpos Sociais da Associação para o biénio 2014/2015.
Verificada a falta de quorum, a Assembleia reunirá com qualquer número de associados, em segunda convocatória, pelas 21h30.
Falagueira, 09 de Agosto de 2014
O Presidente da Mesa da Assembleia Geral
Vítor J. Pereira

Dominados os incêndios de Nisa e Pampilhosa da Serra




Vistas do incêndio entre Montalvão e Póvoa e Meadas - 21,15h (Cortesia de Elisabeth Laré)
Os dois incêndios estavam activos desde o início da tarde de segunda-feira. Centenas de operacionais continuam no terreno.
Está dominado o incêndio que esteve activo no concelho de Nisa, distrito de Portalegre, desde as 15h00 de segunda-feira. As chamas estiveram perto da localidade de Montalvão.
Apesar da área ardida ainda não ter sido contabilizada, o Comandante Belo Costa disse à Renascença que este incêndio "evoluiu com grande violência", atingindo grandes proporções e consumindo vários hectares de mato, floresta e pasto.
"Neste momento decorrem as operações de rescaldo e vigilância vão durar todo o dia, com o apoio de 255 efectivos e 81 veículos", indica.
Ao início da madrugada, os bombeiros conseguiram também dominar as chamas em Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra.
Este fogo começou pela hora do almoço de segunda-feira e chegou a mobilizar mais de 500 operacionais, incluindo bombeiros de Lisboa, Porto e Guarda, que foram chamados para reforçar o dispositivo.
"O pior já passou", disse à Renascença o comandante Carlos Tavares, do Centro de Operações de Socorro de Coimbra. "Estamos quase a entrar em fase rescaldo, com 284 operacionais e 93 veículos ainda no terreno".
"Tivemos algumas populações em perigo, mas não se regista qualquer dano físico ou material", garante o comandante Carlos Tavares.
Durante a tarde, as chamas, atiçadas pelo vento que soprava com intensidade, estiveram na rota de várias aldeias e levaram à evacuação parcial e temporária da localidade de Foz do Ribeiro, na freguesia de Cabril.
 Fonte: Página 1

25.8.14

NISA: Grande incêndio próximo de Pé da Serra
















Um violento incêndio deflagrou cerca das 15 horas junto à aldeia de Pé da Serra (Nisa) sendo combatido por 163 bombeiros e quatro meios aéreos, apesar de na ficha da ANPC de Portalegre figurarem apenas 2 AVBs (Aviões Bombardeiros). 
As fotos foram obtidas cerca das 17 horas do monte de Nossa Senhora da Graça.

ALERTA DA DECO - Gás engarrafado: consumidores pagam gás que não usam

Numa botija de butano existem sempre cerca de 300 gramas de gás que são devolvidos à marca. Mas se aquela só for usada num esquentador, a quantidade de gás que não é queimado e volta para a marca ronda os 3 quilos. Para quem compra uma botija por mês, representa um desperdício até € 72 anuais, que corresponde ao custo de quase 3 garrafas de gás.
Na sequência de alertas de vários consumidores, a DECO avaliou se a quantidade de gás que vem nas botijas corresponde ao anunciado e se ficam mesmo vazias, quando chegam ao fim. Com base na análise de 40 botijas adquiridas no Algarve, na Grande Lisboa e no Grande Porto, a DECO concluiu que o problema não está na quantidade comprada, que, regra geral, corresponde à anunciada, mas no gás que fica na botija quando esta já não se consegue usar.
O problema é maior quando a botija só é usada no esquentador. Se puder também colocá-la no fogão, gaste aí o gás remanescente. Mesmo assim, não queima todo e sobram, em média, 285 gramas. Ao considerarmos que 58% dos lares consomem gás butano, se os consumidores usarem 12 garrafas por ano e devolverem cada uma com quase 300 gramas
de gás, as marcas têm um ganho anual mínimo que ronda os 16 milhões de euros.
A DECO, através do portal www.poupenabotija.pt, ajuda os consumidores a encontrar o preço mais baixo na sua zona de residência e a descobrir se estão a usar o gás correto, com base no seu perfil de utilização.
Há que rever a forma como o gás engarrafado é vendido, de modo a impedir que os consumidores fiquem prejudicados. O correto é que aqueles paguem exatamente o que consomem.
Alguns motivos que podem explicar o desperdício de gás são eventuais problemas e danos nas válvulas das garrafas ou a presença de contaminantes e impurezas no interior da garrafa. Daí a DECO apontar como fundamental uma revisão e um reforço das medidas de controlo de qualidade e segurança, não só ao nível das garrafas, como do próprio gás e do processo de enchimento. É ainda importante aumentar a transparência através de um processo que permita uma fácil rastreabilidade das garrafas de gás. Destas deveriam constar informações obrigatórias como a data, lote e local de enchimento.
Para aumentar a concorrência, é fundamental caminhar-se para uma unificação dos formatos dos sistemas de encaixe rápido dos redutores nas garrafas, não só entre as várias marcas, mas também entre Portugal e Espanha. Por fim, a DECO defende que é fundamental que a recém-criada Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis entre em pleno funcionamento o mais rápido possível e que a habitual burocracia do Estado não seja um entrave a uma boa ideia para o setor.