29.9.14

PORTALEGRE: Comunicado do Sindicato dos Professores da Zona Sul

Sobre a situação da Escola de Artes do Norte Alentejano/Conservatório Regional de Portalegre
A Escola de Artes do Norte Alentejano/Conservatório de Portalegre encontra-se no início deste ano lectivo 2014-2015 paralisada por falta de verbas para assegurar o seu normal funcionamento e para pagar os salários de professores e funcionários.
A agravar a situação, não foi ainda definida a rede do Ensino Articulado da Música por parte da DGesT/MEC e consequentemente, estão por constituir as turmas de início de Ciclo, bem como os seus horários, o que afeta, centenas de alunos nos vários Concelhos do Distrito de Portalegre e a organização do ano letivo das escolas a que pertencem.
Grande parte destas dificuldades resulta de um regime de financiamento baseado no Fundo Social Europeu (POPH) que foi imposto pelo MEC e que merece profundo desacordo da parte do SPZS/Fenprof que alertou para muitos dos problemas que acabaram por surgir, tendo em devido tempo denunciado os atrasos no pagamento dos salários ao Conselho Diretivo do POPH e à Autoridade para as Condições de Trabalho.
A redução de verbas e a alteração do formato de financiamento impostos a estas escolas, inscrevem-se no perfil ideológico deste Governo, que desde o primeiro momento, afirmou o seu profundo desprezo pelas áreas artísticas e pela Cultura.
A EANA/Conservatório, é uma escola sustentável, indispensável para os alunos do distrito de Portalegre e para os professores que durante largos anos tudo deram para dignificar a formação dos seus alunos.
Na conjuntura atual, o SPZS não pode deixar de chamar a atenção para a situação dramática em que se encontram os professores da EANA/Conservatório que há mais de 4 meses estão sem receber o seu salário.
Urge uma resposta clara por parte das entidades competentes, de forma a garantir a manutenção desta oferta educativa no Distrito de Portalegre, de acordo com a vontade de Pais e Encarregados de Educação, Professores e Alunos.
A Direção do SPZS – Portalegre

NISA: Seguro foi o mais votado nas "primárias" do PS

António José Seguro foi o mais votado, em Nisa, nas eleições primárias do PS, que decorreram no domingo, 28 de Setembro. Uma votação que contrariou a tendência geral no distrito e no país e que permitiram uma robusta vitória a António Costa. Seguem os dados eleitorais registados no distrito de Portalegre.

27.9.14

OPINIÃO - Nisa: As contas das autárquicas 2013

Em qualquer atividade a prestação de contas é entendido como um ato de verdadeira transparência e boa gestão, dignificando e valorizando aqueles que o fazem, transmitindo aos restantes a informação necessária para poderem avaliar de forma isenta essas mesmas funções. E, mais relevante é, quando se fala de dinheiros públicos, aplicados ao serviço da democracia, tal como são as subvenções atribuídas aos partidos políticos, para financiar as suas campanhas eleitorais.
 Faz agora um ano, em 29 de Setembro, que se realizaram as últimas eleições autárquicas 2013, mas, só em Julho de 2014 foram validados os respetivos documentos, junto do Tribunal de Contas.
Perguntamos nós, que partidos políticos tiveram a ousadia de apresentar publicamente as suas verdadeiras contas ao eleitorado? Quando se apregoa tanta transparência e ética na política, o que é que realmente se sabe? Quanto se gastou nas últimas eleições autárquicas 2013, em Nisa? Poucos são os que sabem…os verdadeiros números. Mas, porquê tanto segredo?
Após uma pequena investigação, aqui ficam alguns dados, para refletir:
As quatro candidaturas autárquicas (CDU; PS; PSD/CDS; MIMCN) que se anunciaram ao eleitorado, em 2013, no concelho de Nisa, apresentaram uma despesa total de 81.761,53€, dos quais 48% dizem respeito à candidatura da CDU/Nisa.
Vejamos, mais em pormenor, estes dados:
A CDU apresenta-se como a força política, no concelho de Nisa, com o maior investimento, para esta campanha eleitoral, com uma receita de 40.726,74€, em que 41% provêm da subvenção pública e 25% de fundos próprios do PCP. No campo da despesa, apresenta um valor total de 39.884,64€, com destaque para duas rubricas, que são a divulgação e propaganda politica (que inclui: folhetos, pendões e cartazes) que representam 11% e a rubrica espetáculos e artistas com 10% do total das despesas.
Quanto ao PS, apresenta uma receita de 26.053,45€, dos quais 99% provêm da Subvenção Estatal. No campo das despesas, o total é de 24.531,39€, com destaque para as rubricas mais significativas, que são a “Propaganda, comunicação impressa e digital”, com 46% dos gastos e os “Comícios, espetáculos e caravanas”, que representam 25% do total da despesa.
A coligação PSD/CDS – Nisa, teve uma receita total de 14.345.50€, dos quais 79,8% são de subvenção estatal. Enquanto a despesa total tem o mesmo valor da receita total (14.345,50€), em que 26,1% foram gastos em cartazes, estruturas e telas e 21,7% em espetáculos, comícios e caravana, e 10% em brindes e ofertas.Por último, o Movimento Independente Mexer Com  Nisa, com uma receita de 3.000€ de fundos próprios, sem direito a qualquer subvenção estatal. Apresentou uma despesa do mesmo valor da receita (3.000€), onde se destacam as rubricas de “Propaganda, comunicação impressa e digital” com 43% e “Estruturas, cartazes e telas” com 33.3% do total da despesa.
E, contas são contas! Tal como diz o ditado popular "À mulher de César não basta ser séria, tem de parecer séria", e a prestação de contas é algo que já devia estar enraizado na nossa cultura democrática de quatro décadas de poder local.
Nota: Este texto teve como principal fonte: informação pública e disponível no site do Tribunal de Contas da República Portuguesa, com acesso livre a qualquer cidadão.
JOSÉ LEANDRO LOPES SEMEDO

26.9.14

OPINIÃO: Ainda as homenagens prestadas a João Francisco Lopes e Fernando Carita

Completar a homenagem: da indispensabilidade da inclusão dos seus nomes na toponímica nisense, perpetuar os seus nomes.
(“Ergue-se e enobrece-se a cidade quando os cidadãos se levantam em esforço, dignidade, inteligência, sentimentos fraterno.” in Portalegre, Imagens, Alberto Moreira
 Apesar das justíssimas homenagens a duas figuras, a dois filhos de Nisa que souberam pelo seu exemplo e obra colher os aplausos gerais dos seus conterrâneos, impõe-se a inclusão e registo dos seus nomes na toponímica nisense (um o homem bom, a quem não se conhecem extremismos, antes ponderação, bom senso, desde atleta exemplar com a camisola do nosso sempre grande Sport Nisa e Benfica até ao atleta do serviço e dinamismo cívicos e social em várias sedes, e ainda o escritor, e o autor auto-didacta brilhante na escatologia e no aprofundamento e análise históricas, o investigador sensível pelas coisas da sua terra, da actividade social do homem.
E o outro homenageado tendo partido para o lado de lá da vida logo os seus amigos, colegas e alunos o agraciaram com honra, tal o gosto reconhecendo o testemunho da Vida pessoal do nosso conterrâneo, o seu valor moral e intelectual.
Os seus alunos, os seus colegas jamais esquecem o homem, o poeta, o intelectual brilhante, o homem profundo e bom que soube ser.
Se lembram da sua figura e nome, para celebrar a glória que foi a sua existência não prescindindo do seu nome enquanto patrono num concurso prestigiado de literatura, ficando o seu nome a ombrear com outros que pelo seu valor, vida e obra ficam para sempre na História e ainda ao lado de outros nomes prestigiados da intelectualidade portuguesa.
Parte um jovem mas a sua poesia e a sua vida revelam um exemplo superior de intelectual, do amigo, de poeta, do professor em quem repousa o carinho expresso dos seus alunos, do colega Professor que os seus colegas não esquecem nunca…
“Eu por Ti dava a minha vida por Ti dava a minha vida
Meu anjo por Ti  dava toda a minha vida.
Meu Anjo que vens do Altíssimo meu anjo que me beijas
Meu Anjo que vens do Altíssimo e me beijas e me beijas
Vens do Altíssimo.
Meu Anjo
Eu quero estar contigo no Céu
Meu Anjo
Quero estar contigo na terra e no Céu
Na Terra e no Céu “
São versos dum lindíssimo poema que lhe dedica uma amiga.
Os amigos não encontram palavras para o definir, tal a beleza do ser do nosso conterrâneo.
E a Exm.ª Câmara acompanhou, soube perceber a honra do momento, aguardando-se a compilação dos textos poéticos e provavelmente de alguns inéditos.
Este homem transfigurado pelo sofrimento, que terá sobrevindo logo no fim do curso e que em vez da revolta escolheu a beleza do Amor, e persuadido pela indispensável necessidade de linguagem não descurou o aspecto intelectual que o eleva a um nível como poucos.
É pois indispensável perpetuar os seus exemplos incluindo-os na toponímica nisense o que parece ser competência actual da Junta de Freguesia (Art.º 16.º,1 alínea w da Lei 75/2013, de12 Setembro (NRJAL). 
Vosso, sempre  
João Castanho

25.9.14

MONTALVÃO (Nisa): Comemorações do Dia Nacional dos Castelos

Celebrações do Dia Nacional dos Castelos
Montalvão – 4 de outubro de 2014
PROGRAMA
* 11H00 – Casa do Povo de Montalvão, conferência:
* Rui Correia - Presidente da Direcção da Associação Vamos à Vila
 “Abertura”
* Francisco Almeida - Presidente da Junta de Freguesia de Montalvão - “Boas Vindas”
* Doutora Ana Paula Amendoeira - Directora Regional de Cultura do Alentejo
* Dr. José Dinis Murta - “Montalvão, a Vila e o Castelo”
* Cor. Eng.º Francisco Sousa Lobo – Presidente da Direcção da Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos - “Montalvão, um castelo na fronteira”
* Doutora Ana Maria Paiva Morão - CLEPUL/Centro de Tradições Populares Portuguesas, Universidade de Lisboa - “O Castelo de Montalvão e a Literatura Popular”
12H30 – Visita ao Castelo
15H00 – Escola Primária, abertura de duas exposições
Sala 1 – Montalvão, tradições, usos e costumes
Sala 2 – A presença da Ordem dos Templários em Portugal
17H30 – Igreja Matriz de Montalvão, concerto musical com Ensemble de Cordas do Conservatório Regional de Castelo Branco, direcção do Prof. Nicolas Celis

24.9.14

FALAGUEIRA (Nisa) Associação Cultural discute Orçamento e Plano de Actividades para 2015

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E RECREATIVA DE FALAGUEIRA
CONVOCATÓRIA
Nos termos da Lei e dos Estatutos, convocam-se todos os associados para uma Assembleia Geral Ordinária, a ter lugar pelas 21.00 horas do próximo dia 27 de Setembro na sede social da Associação, com a seguinte Ordem de Trabalhos:
Ponto 1 - Orçamento e Plano de Actividades para o ano 2015.
Ponto 2 – Informações de interesse geral da Associação.
Na falta de quorum à hora indicada, a Assembleia reunirá em segunda convocatória, às 21.30 horas, com qualquer número de associados presentes.
Falagueira, 5 de Setembro de 2014
O Presidente da Mesa da Assembleia Geral
Vítor J. Pereira

NISA: Inicaminhada "Rota das Aldeias"


14.9.14

OPINIÃO: A escola

A memória, sempre a memória!
Essa capacidade imensa que o ser humano detém em arquivar momentos, períodos e sentimentos, para mais tarde ativar em forma de recordação.
Somos como que teletransportados no tempo, para um lugar onde a saudade adquire um espaço próprio e mágico, sem limites, como se o não houvesse tempo para ter tempo.
Todos os anos, por esta altura, a memória fica mais viva, e regresso à escola, para sentir o cheiro dos livros ainda por estrar, dos cadernos novos, da borracha, dos lápis de cor, ou mesmo da sala de aulas.
Voltar à escola é sempre bom! Aprender ainda é melhor. E voltar a rever os colegas, passados uns anos, com quem partilhamos a carteira, os lápis as canetas e os apontamentos, isso então, são mesmo momentos únicos. E, com o passar dos anos letivos, sentimos o peso do tempo a passar por nós, tornando-nos homens e mulheres, pais e mães, com mais e maiores responsabilidades perante o futuro da educação das nossas crianças, tal como tiveram noutros tempos os nossos pais e professores. E a luta por uma escola pública, mais democrática e mais inclusiva, essa contínua, para que seja valorizada, dignificada e acessível a todos, aos mais ricos e aos mais pobres, no litoral ou no interior.
Por isso, neste início de ano letivo, devemos anotar dois factos, um negativo e outro positivo, que assinalam o arranque deste novo ano escolar, o primeiro (negativo) é o fecho de cerca de três centenas de escolas do primeiro ciclo do ensino básico (na lista 2 no concelho de Nisa). O facto positivo, é a aplicação de algumas políticas autárquicas para o sector da educação, nomeadamente no apoio às famílias com filhos em idade escolar, como é o exemplo da Câmara de Nisa, que pelo segundo ano consecutivo, distribuiu gratuitamente os manuais escolares a 165 alunos do 1º ciclo do ensino básico, uma iniciativa que, pelo seu valor pecuniário, mas também simbólico, está, e muito bem, a tornar-se viral, um pouco por todo o país, especialmente nos municípios do interior, uma medida que vem acrescentar valor ao ensino.
Voltando ainda ao facto negativo, que é o encerramento das escolas primárias, assim como de outras instituições públicas, deve-se refletir e olhar de forma séria, e sem preconceitos, para o assunto da degradação a longo prazo, desses edifícios públicos, e que outrora, foram lugares centrais na vida dessas povoações, sabendo requalifica-los, inteligentemente, para outras funções, ao serviço da comunidade local.
 JOSÉ LEANDRO LOPES SEMEDO
 Crianças de Alpalhão - Foto de Arquimino Rosa

11.9.14

ALPALHÃO: Exposição de fotografia de João Quinteiro no Centro Cultural


AREZ: Exposição dos esses








Manter acesa a chama da convivência e da cultura
A ACESA – Associação da Cultura e Saberes de Arez promoveu no sábado a Exposição dos Esses – Sabores, Saberes, Sons, Saudades, Sítios – uma iniciativa que pretendeu mostrar os trabalhos dos associados, bem como todo o acervo patrimonial exposto na sede, situada na antiga escola de Arez.
Criada em 20 de Outubro de 2010, na sequência do encerramento da Escola e aproveitando o trabalho desenvolvido com o projecto de dinamização local e comunitário, a Acesa tem procurado não só preservar como reactivar algumas das tradições de Arez, muitas delas já condenadas ao desaparecimento.
A Exposição dos Esses é, também, um motivo de convívio entre os associados e amigos da associação, no qual não faltam as histórias e as cantigas, o relembrar de costumes e tradições, que representam, por vezes, o ponto de partida para outras iniciativas de animação sócio-cultural.
Rosa Metelo, presidente da Acesa e Armando Durão, vice-presidente, falam-nos com entusiasmo dos objectivos da associação e das próximas iniciativas, relevando a sua importância numa aldeia onde o envelhecimento da população é uma situação cada vez mais sentida.
“São estas associações que, com a sua acção, podem manter viva a esperança e preservar o património cultural. Este ano reeditámos, uma vez mais, a “Encomendação das Almas”, em Outubro vamos festejar o 4º aniversário e em Novembro teremos o Magusto e a Matança do Porco.
As Oficinas têm tido boa a participação dos associados dando sentido ao "S" de "Saberes". Estamos a preparar a Recriação do Presépio ao Vivo, entusiasmo não nos falta, mas necessitamos alargar o espaço na sede da associação. Em Janeiro de 2012 contactámos a Câmara e pedimos autorização para construirmos um telheiro com cerca de 40 m2. É uma obra indispensável e nem sequer pedimos apoio monetário ou em materiais. Apenas, a autorização necessária para iniciar e concretizar os trabalhos que, como referimos, são de absoluta necessidade. Aguardamos que a autarquia seja sensível aos nossos anseios e resolva, de vez, uma situação simples e que se arrasta, sem justificação”.
A Acesa quer manter viva, em Arez, a chama da convivência. Ideias, projectos e iniciativas não faltam. Haja quem lhes dê a mão!
Mário Mendes in "Alto Alentejo" -10/9/2014

10.9.14

NISA: Visita da delegação de Azay le Rideau, Cheillé e Saché (França

De 12 a 15 de setembro, uma delegação dos municípios franceses de  Azay Le Rideau , Cheillé e Saché visitará Nisa, no âmbito da geminação existente entre Nisa e aqueles municípios da região da Tourraine.
A delegação francesa integra representantes dos municípios e membros do Comité de Geminação, sendo objetivo desta visita a Nisa fortalecer os laços que unem as duas regiões e revitalizar a geminação.
Os elementos da delegação de francesa durante a sua estadia serão acolhidos em casa de famílias niseneses e o programa da visita inclui, na manhã de sábado, 13 de setembro a participação na vindima do vitivinicultor nisense Ricardo Reizinho e a visita às instalações da Salchinisa. Pelas 17 horas  ocorrerá,  nos Paços do Concelho, a cerimónia de Receção Oficial e um Porto de Honra.

No domingo, 14 de setembro, durante a manhã, realizar-se-á uma visita à Coudelaria Ribeirinho Paralta e à Tapada de Linhais – Monte Claro, seguindo-se o almoço na zona da ermida de Nossa Senhora da Graça. Durante a tarde, os visitantes participarão numa visita guiada ao Centro Histórico de Nisa. No Castelo de Amieira do Tejo terá lugar um jantar / convívio e pelas 22 horas, junto ao Castelo haverá uma sessão de fados aberto a toda a população.

AMIEIRA DO TEJO: Noite de Fados junto ao castelo


9.9.14

Alpalhão tem novos dadores de sangue






No derradeiro sábado de Agosto teve lugar uma colheita da responsabilidade da Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Portalegre – ADBSP. Foi em Alpalhão, Concelho de Nisa. À sede do Grupo Ciclo Alpalhoense compareceram 41 pessoas, entre elas 15 mulheres. Depois de avaliados, em termos de saúde, os voluntários: alguns não puderam colaborar nesta oportunidade. Mas sempre foram conseguidas 36 unidades de sangue.
Novos dadores foram cinco, dois do sexo feminino. Quanto ao Registo Nacional de Dadores Voluntários de Células de Medula Óssea passou a contar com mais quatro inscrições.
No local da colheita teve lugar o almoço convívio, comparticipado pela Junta de Freguesia de Alpalhão
Sendo este o torrão natal do Presidente da Associação António Eustáquio, é sempre com emoção que a ADBSP desenvolve iniciativas em Alpalhão. E nesta, pelo lado positivo, há a destacar a presença de logo cinco novos encorajadores dadores, com idades compreendidas entre os 30 e os 45 anos de idade.
Escuteiros e…
De referir que a 05 de Agosto a ADBSP colaborou numa iniciativa constante do XV Acampamento da Junta Regional dos Escuteiros de Portalegre - Castelo Branco e que decorreu na Serra de São Mamede. A dádiva de sangue mobilizou duas dúzias de escuteiros e 17 fizeram-no pela primeira vez. E o Registo Nacional de Dadores Voluntários de Células de Medula Óssea foi aumentado com mais uma dezena de Voluntários.
…Motards
No Sábado 13 de Setembro a ADBSP desenvolve a já habitual parceria com o Grupo Motard Novo Milénio de Portalegre. Vai ser no kartódromo de Portalegre, durante a manhã. Uma iniciativa aberta a todos os interessados em doar sangue! Venha daí!

JR

Aprovado o Plano de Ordenamento dos Recursos Naturais (PORN) do Tejo Internacional.

" El Plan de Ordenación de los Recursos Naturales (PORN) tiene como finalidad fijar las medidas necesarias para asegurar la protección, la conservación, la mejora y la utilización racional de este espacio.
Para ello, establece en su articulado las directrices necesarias para conseguir estos objetivos. Así, el documento aprobado aúna conservación y desarrollo, vinculando el cuidado de la naturaleza con los aprovechamientos tradicionales en este importante espacio natural de Extremadura.
Además, este nuevo Plan va a establecer el marco adecuado para la aprobación del Plan Rector de Uso y Gestión (PRUG) del Parque Natural Tajo Internacional que, a su vez, ha recibido el refrendo de la Junta Rectora, después de haber sido estudiado en diferentes mesas sectoriales con participación de los representantes de los principales agentes sociales e institucionales relacionados con este espacio.
Cabe destacar asimismo que este instrumento de planeamiento territorial, que ordena la gestión de los recursos de espacio natural protegido, fue consensuado y aprobado con unanimidad por la Junta Rectora del Parque Natural y refrendado por el Consejo Asesor de Medio Ambiente de Extremadura. Viene a reemplazar al Plan vigente desde la declaración de este espacio como Parque Natural, del año 2005, con el fin de adecuarlo a las nuevas circunstancias que suponen su condición de Parque Internacional Tajo-Tejo desde el pasado año."
8/9/2014 - in diário "Extremadura"

8.9.14

MONTALVÃO: Memória rural e histórica

 Foto1
Foto2
 Em dia festivo e de evocação da Senhora dos Remédios, visitantes do Portal de Nisa não deixaram passar em claro a data e enviaram-nos duas belíssimas fotos, muito antigas, que reproduzem, fielmente, a essência da vida rural daquela povoação situada no extremo norte do concelho de Nisa.
Aqui as reproduzimos citando as legendas e as fontes que as acompanhavam
Foto 1Carreiro, de Montalvão, concelho de Nisa. Foto tirada provavelmente em finais do séc. 19/princípios do séc. 20. Cedida gentilmente por Ana D. C. Morão
Foto 2 - Em Montalvão, concelho de Nisa, Alentejo. Foto sem data, mas possivelmente do início do séc. XX. Foto cedida por Ana Morão

7.9.14

OPINIÃO: Não ter onde cair morto

 A notícia de que a família Espírito Santo não tinha um único bem em seu nome elucidou-me sobre o tipo de sociedade em que vivemos, aonde chegámos. Juristas meus amigos garantiram-me que é perfeitamente legal um cidadão, ou cidadã, ou uma família não ter qualquer bem em nome próprio. Nunca tinha colocado a questão da ausência de bens no quadro da legalidade, mas no da necessidade. Acreditava que pessoas caídas na situação de sem-abrigo, refugiados, minorias étnicas não enquadradas como algumas comunidades ciganas podiam não ter nada em seu nome, mas até já ouvira falar no direito a todos os cidadãos possuírem uma conta bancária, um registo de bens, nem que fosse para prever uma melhoria de situação no futuro. Considerava um ato de reconhecimento da cidadania ter em seu nome o que pelo esforço, ou por herança era seu. Chama-se a isso “património”, que tem a mesma origem de pai e de pátria, aquilo que recebemos dos nossos antecessores e que faz parte dos bens que constituem a entidade onde existimos.
Estes conceitos não valem para os Espirito Santo, para estes agora desmascarados e para os da sua extracção que continuam a não ter bens em seu nome, mas têm o nome em tantos bens, em paredes inteiras, em tetos de edifícios, em frontarias, em supermercados, em rótulos de bebidas.
O caso da ausência de bens dos Espírito Santo trouxe à evidência o que o senso comum nos diz dos ricos e poderosos: vivem sobre a desgraça alheia. Até lhe espremem a miséria absoluta de nada possuírem. Exploram-na.No caso, aproveitam a evidência de que quem nada possui com nada poder contribuir para a sociedade para, tudo tendo, se eximirem a participar no esforço comum dos concidadãos. Tudo dentro da legalidade e da chulice, em bom português.
Imagino com facilidade um dos seus advogados e corifeus, um Proença de Carvalho, por exemplo, a bramar contra a injustiça, contra o atentado às liberdades fundamentais dos pobres a nada terem, à violência socializante e colectivista que seria obrigar alguém a declarar bens que utiliza para habitar, para se movimentar por terra, mar e ar, para viver, em suma. Diria: todos somos iguais perante a lei, todos podemos não ter nada, o nada ter é um direito fundamental. Para ter, é preciso querer, e os Espírito Santo não querem ter, querem o direito de usar sem pagar. O mesmo direito do invasor, do predador.
A legalidade do não registo de bens em nome próprio para se eximir ao pagamento de impostos e fugir às responsabilidades perante a justiça é um exemplo da perversidade do sistema judicial e da sua natureza classista. Esta norma legal destina-se a proteger ricos e poderosos. Quem a fez e a mantém sabe a quem serve. Os Espírito Santo não são gente, são empresas, são registos de conservatória, são sociedades anónimas, são offshores com fato e gravata que recebem rendas e dividendos, que pagam almoços e jantares. Não são cidadãos. As cuecas de Ricardo Espirito Santo não são dele, são de uma SA com sede no Panamá, ou no Luxemburgo. A lingerie da madame Espirito Santo é propriedade de um fundo de investimento de Singapura, presumo porque não sou o contabilista.
Mas a ausência de bens registados pelos Espirito Santos em seu nome diz também sobre a sua personalidade e o seu carácter. A opção de se eximirem a compartilhar com os restantes portugueses os custos de aqui habitar levanta interrogações delicadas: Serão portugueses? Terão alguma raiz na História comum do povo que aqui vive? Merecem algum respeito e protecção deste Estado que nós sustentamos e que alguns até defenderam e defendem com a vida?
Ao declararem que nada possuem, os Espírito Santo assumem que não têm, além de vergonha, onde cair mortos!
O ridículo a que os Espírito Santo se sujeitam com a declaração de nada a declarar com que passam as fronteiras e alfândegas faz deles uns tipos que não têm onde cair mortos, uns párias.
A declaração de “nada a declarar” em meu nome, nem da minha esposa, filhinhos e restante família dos Espirito Santo, os Donos Disto Tudo, também nos elucida a propósito do pindérico capitalismo nacional: Os Donos Disto Tudo não têm onde cair mortos! O capitalismo em Portugal não tem onde cair morto!
Resta ir perguntar pelas declarações de bens dos Amorins, o mais rico dos donos disto, do senhor do Pingo Doce, do engenheiro Belmiro, dos senhores Mellos da antiga Cuf, dos senhores Violas, dos Motas da Engil e do senhor José Guilherme da Amadora para nos certificarmos se o capitalismo nacional se resume a uma colecção de sem abrigo que não têm onde cair mortos! É que, se assim for, os capitalistas portugueses, não só fazem o que é costume: explorar os pobres portugueses, como os envergonham.
Os ricos, antigamente, mandavam construir jazigos que pareciam basílicas para terem onde cair depois de mortos – basta dar uma volta pelos cemitérios das cidades e vilas. Os ricos de hoje alugam um talhão ao ano em nome de uma sociedade anónima! Os Espírito Santo, nem têm um jazigo de família!
Eu, perante a evidência da miséria, se fosse ao senhor presidente da República, num intervalo da hibernação em Belém, declarava o território nacional como uma zona de refúgio de sem-abrigo, uma vala comum e acrescentava a legenda na bandeira Nacional: “Ditosa Pátria que tais filhos tem sem nada!”
Carlos de Matos Gomes

Artista nisense distinguida em Sobral do Campo



A artista plástica nisense, Rosário Bello esteve representada com trabalhos em pintura, na Feira "Delicias do Campo" , realizada nos dias 29, 30 e 31 de Agosto em Sobral do Campo (Castelo Branco), evento no qual participou também o Grupo Bombos de Nisa.
O painel em acrílico de 2,50mX 1,50m elaborado por Rosário Bello teve a honra de ser distinguido com o 1.º prémio, sendo considerado "o melhor produto em exposição".
Mais uma grande e digna participação de artistas nisenses, na pintura e na música, que prestigiam a terra e o concelho onde nasceram e são, por isso, merecedores do público registo. 

NISA: Uma foto e um poema (2)

A CASA DA FESTA
A Catrina vai-se casá
Cô o filhe do ti Quetém
Da tá Jaquina dos Tramoces
Uma família de bem.
************
Que bunita casa da festa
C´a minha Catrina tinha
Tinha péssas damarelos
Uma bunita casa tinha.
****************
Agora vai vandé tude
Qué comprá uma cozinha
Um inxoval tã bunito
C´a minha Catrina tinha...
*************
Ela fés o  inxoval
Que bunitas mãs ela tem
Casou cô um home bom
É filhe do ti Quetem
*************
Ainda sã da famila
Daqueles dos Serra Osses
É filha da tá Jaquina
Da c´anda a vandé tramoces.
***************
Ela fés cobertores de faxa
E cobertores bordados
Fés uma coberta de renda
A cama grave e os panos d´alinhavados.
*****************
A minha filha foi bem
Cum gente trabalhadora
Nom se mêti na vida dela
Qu´aí vai ser uma pôrra.
****************
Quadras de Maria Dinis Pereira

5.9.14

ARTES: José Reisinho Serra representado em exposição colectiva de pintura


O artista plástico nisense, José Maria Reisinho Serra está representado com um quadro intitulado "A águia" na exposição colectiva de pintura promovida pela Associação Magenta da Figueira da Foz.

3.9.14

Inijovem promove Caminhada Nisa - Fátima de 3 a 5 Outubro

A Inijovem uma vez mais vai organizar a “Caminhada Nisa – Fátima”, desta vez a data escolhida é entre 3 e 5 de Outubro.
Inscrições abertas entre:
01 a 24 de Setembro - (De 01 a 3 de Setembro, exclusivo a sócios)
Das 21h30 às 23h00 - (Sexta, Sábado, Domingo, Segunda e Terça-feira)

1.9.14

MONTALVÃO: Exposição e homenagem ao professor António Pires Lopes


PORTALEGRE: "Fonte Nova" suspende publicação


Foi suspensa a edição impressa do semanário regional Fonte Nova editado em Portalegre que já não voltou às bancas depois das habituais férias na primeira metade de Agosto.
“O Fonte Nova está por agora suspenso”, referiu Aurélio Bentes Bravo numa nota aos leitores da edição digital. “Ninguém mais do que nós lamenta o sucedido, mas do facto pedimos desculpa.
Logo que se proporcione daremos os respectivos esclarecimentos”.

O proprietário e director da publicação adianta no entanto que “por agora poderão, se entenderem, seguir o nosso blog: http://jornalfontenova.blogspot.com (ainda pouco activo) ou as nossas páginas de Facebook: www.facebook.com/fontenova.deportalegre ou www.facebook.com/JornalFonteNova”. 

SETEMBRO: "Lua nova setembrina, sete luas domina"


Setembro é o nono mês do ano no calendário gregoriano, tendo a duração de 30 dias. Setembro deve o seu nome à palavra latina septem (sete), dado que era o sétimo mês do calendário romano, que começava em Março. Na Grécia Antiga, Setembro chamava-se Boedromion.
Em 22 ou 23 de Setembro, o Sol cruza o equador celeste rumo ao sul; é o equinócio de setembro, começo do outono no Hemisfério Norte e da primavera no Hemisfério Sul.

Astrologia (Curiosidades de Setembro)
O varão nascido sob o domínio desta constelação será bem formado, generoso e amante de honrarias; será envergonhado e variável; terá riquezas mas ver-se-á na miséria por não saber governar. Prognostica este signo que viverá 70 anos.
A mulher será alegre e afável. Terá alguma queimadura nos pés e padecerá algumas enfermidades. Denota que será muito inclinada a ir a terras estranhas, onde lhe irá melhor que na sua pátria e será mulher de bom entendimento. Se Deus Nosso Senhor estiver pelos ajustes, viverá até aos 77 anos.
ADÁGIOS DE SETEMBRO
Setembro comendo e colhendo
Febre outonal ou longa ou mortal
Lua nova setembrina, sete luas domina.
No pó semeia que Setembro to pagará.
Setembro cara de poucos amigos e manhã de figos.
S. Miguel soalheiro, enche o celeiro.
Pelo S. Mateus faz as contas das ovelhas que os borregos são teus.
Quem se ajusta pelo S. Miguel não se senta quando quer
Em Setembro planta, colhe e cava que é mês para tudo.
Vindima molhada, pipa depressa despejada.
Setembro molhado, figo estragado.
No S. Mateus (21), vindimam os sisudos e semeiam os sandeus.
Setembro ou seca fontes, ou leva açudes e pontes.
Música: Duo Ouro Negro - Au revoir Sylvie