28.4.13

AEAT apresentou o nº 5 da revista Açafa Online


A Associação de Estudos do Alto Tejo apresentou, no passado dia 21 de abril, em Proença-a-Nova, a edição número 5 da sua revista AÇAFA Online.
Esta edição inclui um dossiê temático que pretende assinalar a passagem dos 250 anos sobre os confrontos militares que tiveram lugar nesta região, no âmbito da Guerra dos Sete Anos, e evocar o papel desempenhado pelo Conde de Lippe na defesa de Portugal. Nesse contexto, assume relevância nacional o dispositivo militar hoje denominado Linha Defensiva das Talhadas-Moradal, que está bem representado nos concelhos de Vila Velha de Ródão e em Proença-a-Nova, sendo de salientar as acções de estudo e valorização desenvolvidas por este último município.
A secção de Estudos e Trabalhos integra um conjunto muito diversificado de temas,  com  destaque para o  património  geológico  e geomineiro, a que se seguem outros textos, sobre investigação arqueológica, dialectologia, arquitectura e património rural, economia rural, crenças e religiosidade popular, um contributo para demografia histórica e registos fonográficos de poesia popular. 
Os documentos desta edição reportam-se a  uma região que abrange o sul da Beira Interior, o Norte Alentejano e parte ocidental da Província de Cáceres.
Passados cinco anos sobre a edição desta revista podemos efectuar um balanço daquilo que está a ser o sucesso deste projecto editorial que agilizou a circulação da informação produzida sobre a região, fazendo-a chegar, de forma mais efectiva, aos diferentes públicos nacionais e estrangeiros.
Durante estes anos foram publicados 109 artigos; envolvidos 89 autores, de diferentes nacionalidades; desenvolvidos trabalhos sobre 17 temáticas do património natural a cultural, correspondendo a 20 regiões/concelhos.
Esta intensa produção científica envolveu ainda 28 instituições e outros 15 colaboradores diversos e o seu balanço final corresponde a mais de 3200 páginas.
Estes documentos estão disponíveis para descarga, na página www.altotejo.org.

27.4.13

NISA: Memória do Cine Teatro (Abril 1938)


 “Maria Papoila” foi o grande êxito da bilheteira em Abril de 1938. Exibido no Cine Teatro de Nisa, no dia 17 (domingo de Páscoa) e 18 (dia da Senhora da Graça), o filme português com a grande actriz Mirita Casimiro no principal papel, levou à sala de espectáculos nisense, mais de mil espectadores nas duas sessões.

Tal afluência aos espectáculos pode explicar-se, por um lado, se tratar de dias festivos e por outro, devido a ser um filme português, com uma história simples e sem necessidade de legendas, num tempo em que a grande maioria da população não sabia ler nem escrever.
Antes, a 10 de Abril, houve Teatro e Variedades com companhia nacional de que não conseguimos obter o nome, num espectáculo que atraiu 433 espectadores e uma receita bruta de 1522 escudos, dos quais 440 reverteram para a empresa do Cine Teatro Nisense Lda.
Maria Papoila
Maria Papoila, um filme de Leitão de Barros, realizado em 1937, e estreado nesse ano, a 15 de Agosto no S- Luiz, em Lisboa, tinha um elenco de grandes atores: Estevão Amarante, Mirita Casimiro, Henrique de Albuquerque, Joaquim de Oliveira, Emilia Oliveira, Eduardo Fernandes, Lino Ferreira, Barroso Lopes, Joaquim Pinheiro, Eugénio Salvador, Pereira Saraiva, António Silva, Virginia Soler, entre outros.
O realizador, anos mais tarde, descrevia, assim, o filme:

"Maria Papoila é um filme popular. Realizado dentro de uma técnica simples, pois não pretende revolucionar a cinematografia, procurei rodeá-lo de todas as condições que possam despertar a atenção do público. Foi para ele que trabalhei, sem outras preocupações que não fossem as de realizar espectáculo acessível, no qual a alegria e a emoção têm lugares marcados. A missão do cinema é contar - e quanto mais reportagem da vida, mais certo é. Eis por que a realização do meu filme não tem quaisquer aspectos transcendentes. Pelo contrário, toda a acção decorre numa toada simples, como simples é a história de amor que a anima. Bem sei que o cinema, para muita gente, devia ter características intelectuais e directrizes superiores. Mas a verdade é que a sua feição mais acentuada é a de ser um espectáculo de multidões."
Leitão de Barros (em entrevista)

26.4.13

NISA: Alentterra organiza "2 Horas de Resistência 50 CC"


O AlenTTerra no próximo dia 18 de Maio de 2013 vai realizar a 1ª Resistência de motorizadas 50 cm3 -  AlenTTerra, esta decorrerá no campo das Feiras de Nisa na Zona industrial de Nisa.
A prova será na integra realizada em terra e contará com duas categorias, as motos sem radiador e com radiador, mas todas elas terão de ter mais de 20 anos.
O percurso será bastante diversificado com várias zonas de espectáculo e com grande apoio logístico.
A inscrição neste evento terá um custo de 10 euros por participante e haverá brindes para todos os participantes, além de um brinde especial para a motorizada mais antiga.
Veja e partilhe a ficha de Inscrição em http://alentterra.blogspot.pt

A Partida será ao estilo "Le Mans" o que vai proporcionar a pilotos e espectadores muita emoção.
Se é espectador e vem divertir-se, pode contar com uma entrada gratuita, um bar que oferece vários serviços e ainda muito companheirismo.
PROGRAMA
13:00 - Recepção aos participantes
14:00 - Verificações Técnicas
16:00 - Início da Prova
18:00 - Término da Prova
18:30 - Entrega dos respectivos Prémios

CASTELO DE VIDE: Tiago Malato é o candidato do PS à Câmara Municipal

Comunicado da Comissão Concelhia de Castelo de Vide do Partido Socialista
A Comissão Politica Concelhia de Castelo de Vide do Partido Socialista reunida a 25 de Abril, data emblemática para a Democracia e em especial para o nosso Concelho, decidiu por unanimidade e aclamação designar o Prof. Tiago Fragoso Malato como candidato à Presidência da Câmara Municipal de Castelo de Vide.
A exigência dos tempos que vivemos e o futuro do Concelho impõem um Projecto competente, aberto e plural capaz de convocar todos sem excepção.
Ouvir os cidadãos e dar resposta aos seus anseios é o compromisso que assumimos.
Para o Partido Socialista e para o candidato Tiago Malato os interesses de Castelo de Vide, dos Castelovidenses e Povoenses são os únicos a defender.
Quem é o candidato
Tiago Fragoso Malato, Licenciado em Geografia – Planeamento Regional (U.N.L), pós-graduado em Demografia e Sociologia da população (ISCTE).
É Professor do Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide e representante da Educação na Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Castelo de Vide.
Foi técnico requisitado no Instituto Português da Juventude e na Câmara Municipal de Nisa, tendo desenvolvido trabalho nas áreas do planeamento e desenvolvimento local.
Ligado ao Associativismo tem promovido projetos e ações em espaços e comunidades rurais, no âmbito da União Europeia.
É pai da Maria e do Afonso.

Quercus volta a exigir o encerramento da Central Nuclear de Almaraz, junto à fronteira com Portugal


27 ANOS APÓS O ACIDENTE NUCLEAR DE CHERNOBIL
Energia nuclear – um historial de acidentes
No dia 26 de Abril passam 27 anos desde que ocorreu o acidente na Central Nuclear de Chernobil, na Ucrânia, que em 1986 fazia parte da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, URSS. Já em 1979 tinha existido um acidente grave na Central Nuclear de Three Mile Island nos Estados Unidos da América, EUA, e mais recentemente, em 2011, outro grave acidente ocorreu, desta vez na Central Nuclear de Fukushima no Japão, tendo este sido também um dos mais severos da história do nuclear. Temos assim os três maiores acidentes nucleares em três dos países mais avançados nas tecnologias da indústria nuclear e é importante pois, reflectir sobre os problemas de segurança inerentes a este tipo de centrais.
Central Nuclear de Almaraz – o perigo bem perto de nós
Após o último grave acidente nuclear em Fukushima, no Japão, o Grupo de Reguladores de Segurança Nuclear Europeu levou a cabo um conjunto de testes de stress (stress tests), por forma a averiguar a segurança das centrais nucleares na Europa. Em Portugal, como não existem centrais nucleares, não se realizaram estes “stress tests”, no entanto, a preocupação da Quercus relativamente a esta questão mantem-se pois a Central Nuclear de Almaraz, localizada a 100km da fronteira e junto ao rio Tejo, continua a revelar-se como um potencial perigo para toda a região transfronteiriça. Com efeito esta central já ultrapassou o seu período normal de funcionamento e, não obstante, viu prolongado em 10 anos o seu período de actividade.
De uma forma geral, a Quercus considera que há um risco preocupante com as centrais nucleares espanholas na medida em que nem todos os factores de risco foram considerados nos testes efectuados. Com efeito, não estão contemplados os riscos de agressões externas (atentados, quedas de aeronaves, etc.) nem são considerados os riscos em caso de acidentes naturais (sismos, inundações, etc) e os sistemas externos de gestão de socorro às centrais nucleares (bombeiros, guarda civil, etc).
A título de exemplo, o risco sísmico no “stress test” à central de Almaraz efetuado pelas autoridades espanholas está claramente subavaliado e só foi analisada a resistência sísmica para sismos equivalentes aos que ocorreram entre 1970 e a atualidade. Pelo contrário, não foi analisada a possibilidade de ocorrerem sismos com uma grande magnitude, que atinjam com uma intensidade significativa a Central, como foi o caso do sismo de 1755, ou do que teve o epicentro em Espanha em 1954, com magnitude de 7,9.
A Quercus considera que devia ser avaliada a possibilidade de poder vir a ocorrer um sismo que afete a barragem donde provêm a água para o arrefecimento da Central de Nuclear (Barragem de Arrocampo) e com isso um acidente que teria consequências desastrosas. É importante recordar que caso não exista água suficiente para o arrefecimento dos reatores da Central poderá acontecer um problema idêntico ao que aconteceu em Fukushima, onde o sistema de arrefecimento falhou e conduziu ao lamentável desastre. À semelhança do que tem vindo a fazer há vários anos, a Quercus alerta mais uma vez para o facto de que a ocorrer um acidente de grandes dimensões em Almaraz este poderia resultar em contaminação radioativa direta que atingiria Portugal, quer por via atmosférica, quer através do rio Tejo.
Nuclear - Um ciclo pouco virtuoso
Neste dia 26 de Abril, em que fazem 27 anos sobre o acidente na Central Nuclear de Chernobil, a Quercus solidariza-se com a ação internacional do “Chernobyl Day”, que este ano pretende chamar a atenção para os problemas relacionados com o urânio.
É fundamental olhar para o nuclear como um todo: os problemas estão no início do ciclo, nas explorações de urânio que causam problemas ambientais e de saúde graves em todo o mundo. Em Portugal várias décadas após o fim da exploração deste minério, sobretudo na zona centro do país, os problemas não foram completamente diagnosticados e por isso estão ainda longe de estar resolvidos. Existem mais de sessenta minas abandonadas que continuam a poluir a água e os solos e a afectar as populações vizinhas.
No final do ciclo também ainda não se conhece um destino estável e seguro a dar aos resíduos nucleares, que se mantêm potencialmente nocivos durante muitos anos, sendo que alguns elementos mantêm a sua radioactividade durante milhares de anos. O fabrico de bombas atómicas e de armas contendo urânio está também intimamente associado à energia nuclear e é um perigo que continua a pairar sobre a humanidade e o planeta Terra, sendo urgente a eliminação de todo este tipo de armamento para um mundo de paz.
 Neste dia simbólico é pois importante continuar a alertar para os riscos que esta forma de energia comporta, para que Portugal e o mundo estejam livres do perigo do nuclear.
Lisboa, 25 de Abril de 2013
 A Direcção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza
A Direcção do Núcleo Regional de Portalegre da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza
Para mais informações contactar:
José Janela – Presidente do Núcleo Regional de Portalegre da Quercus – 960207080
Nuno Sequeira – Presidente da Direcção Nacional da Quercus – 937788474

TOLOSA: XIV Mostra de Queijo e Produtos Tradicionais

Nos próximos dias 3 e 4 de maio, realiza-se em Tolosa (Nisa) a XIV Mostra de Queijo e Produtos Tradicionais organizada pela Junta de Freguesia de Tolosa, com o apoio da Câmara Municipal de Nisa.
A Mostra de Queijo é um evento que visa a valorização e promoção dos produtos tradicionais da região e o incentivo ao desenvolvimento das atividades agroalimentares. Em stands instalados no Campo de Jogos de Tolosa poderão ser apreciados e adquiridos produtos tradicionais como enchidos, bolos, artesanato e, muito especialmente os queijos certificados de Nisa e de Tolosa.
A Mostra de Queijos e Produtos Tradicionais constitui igualmente um pretexto para o convívio entre tolosenses e visitantes e para o reavivar de tradições locais.
Na sexta feira, dia 3 de maio, a partir das 22 horas, realiza-se um baile popular abrilhantado pelo duo musical “Eclipse”.
No sábado, às 10H30, ocorrerá a abertura da exposição e venda dos produtos com a participação da Banda da Sociedade Musical Nisense. O programa integra durante a manhã uma prova de vinhos de produtores tolosenses seguindo-se um almoço tradicional oferecido pelos organizadores com ementa composta por sarapatel de borrego e carne fresca.
Durante a tarde haverá animação musical com as atuações dos alunos da Escola EB1 e Jardim de Infância de Tolosa, da Sociedade Musical Nisense, do Grupo Coral Toc’a Marchar de Tolosa e do Grupo Folclórico dos Fortios e do grupo de música popular “Fora d’Horas”.
À noite tem lugar um baile popular abrilhantado pelo grupo “Bora (Ó) Baile”.

25.4.13

MEMÓRIAS DE ABRIL: José Afonso em Pé da Serra (1)

Já aqui se disse: nos anos 70 e 80 não havia a profusão de meios tecnológicos hoje existentes. Poucos tinham máquinas fotográficas, o digital estava ainda a "anos-luz" e não admira, por isso, que não se conheçam registos fotográficos da actuação de José Afonso em Pé da Serra.
O próprio ano do espectáculo (1985?) não figura no "cartaz", um documento rudimentar, feito em "cima do joelho". Foi uma actuação a todos os títulos notável, não apenas pela presença do Zeca - já com alguns sintomas da doença que o viria a vitimar - mas pelo conjunto de artistas que com ele viajaram até ao extremo norte do Alentejo: Fausto, Júlio Pereira ( com uma das pernas engessada devido a acidente) e Janita Salomé.
Num largo das festas apinhado de gente, José Afonso cantou e falou (falou mais do que cantou) explicando as diferenças musicais e etnográficas entre algumas regiões do país, focando, naturalmente, o Alentejo (das saias e do cante) e a Beira Baixa (dos ferrinhos, bombos e adufes).
As fracas condições acústicas, o palco improvisado, a falta de meios técnicos - hoje abundantemente desfrutados por qualquer "artista pimba" - não retiraram brilhantismo ao espectáculo, antes contribuiu para aproximar os músicos e cantores do público.
Há 30 anos, o Pé da Serra já se destacava pela grandiosidade e colorido das suas festas tradicionais, trazendo até nós grandes artistas e excelentes espectáculos a que não faltavam uma grande participação popular. Foi esse o "cenário" que José Afonso e os seus amigos aqui encontraram e que hoje recordamos.
Aproveitamos a oportunidade para deixar um apelo: se alguém tiver alguma foto desta actuação, pedimos que as envie para publicação, desde já agradecendo a colaboração.

NISA: Postais do Concelho

Nisa - Jovens na Romaria da Senhora da Graça - Anos 80 do século passado

MEMÓRIAS DE ABRIL: Viva a Revolução dos Cravos!

"Hoje ninguém se conhece. A liberdade que conquistámos acabou por nos dividir. Já não trocamos ideias à volta de uma cerveja. Mas a culpa não é do 25 de Abril. É do nosso egoísmo".
Edite Soeiro - Jornalista - "Público"
Naquele tempo ( e parece que foi ontem) não havia boletins "municipais" feitos em papel coché ( ou será crochet) e distribuídos à população na véspera do "grande dia". Os programas das comemorações do 25 de Abril, culturais e desportivos, não eram feitos pelo Grupo de Agitação e Propaganda e "remendados" em cima do acontecimento, por decisão de Sua Excelência.
Havia participação popular, o 25 de Abril chegava a todo o concelho, não se preparava o Cine Teatro para a peça final da "consagração" e da "aclamação" dos Kim Il Sung que ainda vão permanecendo.
E anda esta gente a criticar a "troika"...

QUERCUS alerta sobre Alteração ao Plano de Ordenamento do Parque Natural do Tejo Internacional:


Navegação de embarcações turísticas vai ameaçar espécies em perigo

Terminou a fase de discussão pública da alteração ao Plano de Ordenamento do Parque Natural do Tejo Internacional, cujo objectivo principal é permitir a circulação de uma embarcação turística em áreas até agora pouco perturbadas e o desregramento da atividade de recreio, como a canoagem, atividades que acarretarão impactes negativos muito significativos nos valores naturais que estiveram na base da criação da área protegida.
A Quercus reiterou que considera ser absolutamente imprescindível manter todas as restrições atualmente existentes para a navegação de recreio e turística, no período de nidificação de algumas aves ameaçadas, sob pena de se abrir um precedente que tenha consequências muito graves para a nidificação de espécies mais sensíveis como a Cegonha-preta, o símbolo do PNTI, ironicamente a espécie que será mais perturbada se esta alteração ao Plano de Ordenamento avançar. Fora da época de nidificação a navegação de embarcações poderá ser permitida nos troços dos rios Tejo e Ponsul agora em análise, o que já acontece aliás com o actual Plano de Ordenamento em vigor.
Acresce que face à atualmente visível falta de meios e recursos do ICNF/PNTI para uma efetiva fiscalização no plano de água, comprovada pela incapacidade demonstrada nos últimos anos para realizar ações tão simples como a monitorização da avifauna rupícola, é impossível garantir uma fiscalização adequada para fazer cumprir as regras e acautelar a nidificação de espécies em perigo como a Cegonha-preta ou o Abutre-do-Egipto. Salienta-se que a população de Cegonha-preta que nidifica no PNTI representa cerca de 20% do total da população que existe em território nacional.
A Quercus também exige que se avance com o plano de ordenamento de águas públicas de forma a clarificar algumas regras do POPNTI e disciplinar a sua utilização aleatória e difusa (na forma, no espaço e no tempo), já que desde 2007 que deveria existir a delimitação e sinalização dos troços condicionados, e até agora nada se verificou no terreno.
Alterações propostas são ilegais
No que se refere a navegação turística e à navegação de recreio, as alterações da proposta em discussão pública violam os princípios que nortearam a criação da área protegida, constituindo também uma violação clara do Decreto-Lei n.º 140/99, de 24 de Abril (alterado pelo Decreto-Lei n.º 49/2005, de 24 de Fevereiro), designadamente porque, como prevê a alínea b) do n.º 1 do Artigo 11.º "é proibido (...) Perturbar esses espécimes, nomeadamente durante o período de reprodução, de dependência, de hibernação e de migração, desde que essa perturbação tenha um efeito significativo relativamente aos objetivos do presente diploma", o que é manifestamente o caso.
Por outro lado, perverte claramente a própria Diretiva Aves (Diretiva n° 79/409/CEE), do Conselho, de 2 de Abril, também transposta pela legislação atrás citada, colocando em causa não só os fundamentos que levaram à designação da Zona de Proteção Especial para as Aves do "Tejo Int erna cional, Erges e Ponsul", como também os compromissos de proteção às espécies e aos seus habitats assumidos pelo Estado Português no âmbito da União Europeia.
Salienta-se que a navegação, com ou sem motor, é de forma inequívoca um fator de perturbação. As consequências dessa perturbação é que podem ser diferentes, consoante a forma como a atividade é exercida, onde e em que período de tempo.
A Quercus emitiu um parecer negativo sobre as alterações em discussão pública e, caso esta proposta avançe nos moldes apresentados, pondera avançar com uma queixa na Comissão Europeia e recorrer aos Tribunais Portugueses de forma a salvaguardar o património natural e promover um desenvolvimento equilibrado.
Lisboa, 20 de Abril de 2013
Direcção Nacional da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza
Direção do Núcleo Regional de Castelo Branco da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza

24.4.13

NISA: Memória do Cine Teatro (Abril 1937)





No mês de Abril de 1937 exibiram-se apenas três filmes, todos eles com fraca afluência de público. Talvez que o cartaz não fosse suficientemente apelativo ou houvesse acrescidas dificuldades económicas, certo é que nesse distante ano de 1937, em Abril não houve “filmes mil” e o número de espectadores às sessões do Cine Teatro de Nisa foi apenas uma terça parte, relativamente a igual mês dos anos anteriores (1935 e 1936). No programa de Abril de 1937, constava filmes como “Folies Bergere”, “Acusação” e “Sob a Máscara da Justiça”.
Folies Bergere, produção francesa de 1935, realizado por Marcel Achard e Roy del Ruth, tinha no elenco o famoso Maurice Chevalier, um dos nomes consagrados do cinema francês.

23.4.13

Nisa Futsal vence Taça AFP (sub 17)




A equipa de futsal de Juniores B (sub 17) do Nisa Futsal Clube venceu a Taça AFP, cuja final se realizou no passado domingo, no Pavilhão Desportivo de Portalegre.
A equipa nisense levou de vencida o Eléctrico F.C. campeão distrital neste escalão, após o desempate através da marcação de grandes penalidades. Durante o tempo regulamentar, o resultado foi de 2-2, tendo o Nisa Futsal marcado 3 grandes penalidades contra uma da equipa pontessorense.
Após a conquista da taça AFP, atletas e dirigentes do Nisa Futsal Clube percorreram, em caravana, algumas ruas da vila assinalando esta vitória desportiva, numa modalidade em que Nisa foi pioneira, a nível do distrito, tendo alcançado o primeiro título oficial, na categoria de seniores.
Estão de parabéns os jovens futsalistas nisenses e os dirigentes do clube, não apenas pela conquista de um título, mas principalmente pelo trabalho que vêm desenvolvendo em prol da modalidade.

Festa de encerramento da época desportiva no Sport Nisa e Benfica -







O Sport Nisa e Benfica promoveu no sábado, dia 20 de Abril, na sede do clube, a festa de encerramento da época desportiva de 2012/2013.
Uma festa muito participada e que contou com a presença dos atletas dos diversos escalões (benjamins, infantis e iniciados), dirigentes do clube, técnicos desportivos, pais de atletas e de alguns convidados que fizeram questão de assistirem à entrega dos certificados de mérito desportivo aos jogadores do clube.
De referir ainda que foi entregue aos atletas do Sport Nisa e Benfica (benjamins), as medalhas de Campeões Distritais da Associação Futebol de Portalegre, Série C, e a respectiva Taça.

NISA: “Imagens da Minha Terra” para ver na Biblioteca Municipal








Até 30 de Abril está patente ao público, na Biblioteca Municipal de Nisa, uma exposição de pintura de António Maria Charrinho.
Intitulada "Imagens da Minha Terra", a mostra integra 14 quadros do artista autodidacta nisense, com imagens de grande beleza e profusão de cores, que ilustram diversas paisagens campestres e urbanas do concelho de Nisa e do Alentejo.
Oportunidade para apreciar os trabalhos pictóricos deste artista nisense.

22.4.13

NISA: Memória do Cine Teatro (Abril de 1936)



As Pupilas do Senhor Reitor, romance de Júlio Dinis, adaptado ao cinema, foi o “grande” filme de Abril de 1936, com mais de 450 espectadores. Um êxito colossal se acrescentarmos que era apresentado pela quarta vez em Nisa. Nem assim os nisenses deixaram de acorrer à velhinha (na altura, ainda nova) sala de espectáculos da vila, para assistirem a um filme português, estreado a 1 de Abril de 1935, no Tivoli, em Lisboa e realizado por Leitão de Barros, tendo como principais intérpretes: Joaquim Almada (Reitor), Maria Matos (Senhora Joana), António Silva (João da Esquina), Leonor d’Eça (Margarida), Maria Paula (Clara), Oliveira Martins (Pedro), Paiva Raposo (Daniel) e Lino Ferreira (João Semana).
Romance Húngaro, exibido no domingo de Páscoa., foi visto por 337 espectadores, num mês em que a empresa do Cine Teatro Nisense Lda registou 1231 entradas pagas e uma receita total de 2.347 escudos.

OPINIÃO: Náufragos de Abril

No sul da Europa vive um povo de marinheiros e poetas, homens e mulheres, que com o esforço do seu trabalho, construíram uma nação, a que chamaram Portugal. Nestes últimos cem anos, quarenta e oito foram passados, de forma dramática, na ilha/prisão de um regime ditatorial que se intitulava de “Estado Novo”, sob o olhar repressivo de uma polícia politica, que lhes imponha um austero modelo de vida, de pensamento único, e de uma infelicidade constante.
Tudo parecia mudar, naquela madruga de 25 de Abril, quando o povo com a coragem dos marinheiros e a utopia dos poetas, saiu à rua e juntou-se aos militares, para fazerem a mais bonita revolução, a que o mundo alguma vez assistira, em vez de balas, houve poemas, canções e cravos, muitos cravos, símbolo da liberdade e da esperança.
Passam agora, trinta e nove anos, sobe a data que fez sonhar muitos portugueses, na esperança de uma vida melhor, de poder construir um futuro diferente para os seus filhos. E agora, como estamos? Trinta e nove anos depois?
Politicamente, temos um presidente, uma maioria e um governo, e que mais? Sinceramente, talvez nem isso exista, concretamente!
Temos um Presidente da República, que teima em valorizar apenas algumas personalidades, que são do seu agrado, deixando para trás aquelas que deveriam, por imposição das circunstâncias serem mencionadas, como aconteceu esta semana, na cerimonia de abertura da feira do livro de Bogotá, na Colômbia, não fazendo referência, no seu discurso inaugural, ao mais ilustre (Nobel) escritor português José Saramago. Como tal facto não poderia passar despercebido, foi o próprio Presidente anfitriã, que salvou a honra do convento, citando por mais de cinco vezes o nosso nobel, Saramago. E trinta e nove anos depois, pelos vistos, ainda existem políticos com digestão lenta. E mal vai o povo que tem estes altos representantes, que pouco ou nada dignificam o lugar que ocupam.
Quanto à maioria, que resulta de uma coligação (PSD/CDS), o melhor será apelar a um consenso, em forma de “maduro”.
Em relação ao governo, depois da nano-remodelação, em que entraram dois burocratas pacifistas para o lugar de um ideólogo neoliberal, restam sair os outros dois, que ainda lá estão, e que continuam a escavar no enorme buracos financeiro, em que nos encontramos. Será que não há para aí ninguém que lhes diga para pararem, que isto não vai lá assim… parem porra! Gaspar, deixa de olhar para a folha do Excel, o modelo não está correto! Mas, ainda não percebeste, que os números que estão aí representados nos gráficos, são pessoas, são empresas, enfim são vidas, agrilhoadas nessas folhas, isto, não é um jogo. E pior, temo que se percam os últimos náufragos deste Abril, que um dia floriu.
JOSÉ LEANDRO LOPES SEMEDO

21.4.13

NISA: Memória do Cine Teatro (Abril de 1935)



 Quatrocentos e cinquenta e quatro espectadores presenciaram a exibição, em Nisa, do filme “Toureiro à Força”, no dia 22 de Abril de 1935, segunda-feira de Páscoa e Dia de Nossa Senhora da Graça. Na véspera, o Cine Teatro de Nisa tinha exibido “Rei do Nudismo”, filme que foi visto por 306 espectadores.
São números que, vistos a quase oitenta anos de distância, nos levam a várias interpretações. Uma delas, talvez, a mais simples é a de que, na altura, o cinema era um espectáculo muito popular e sem ter a concorrência, quer da televisão, quer de outros meios de comunicação e formas de lazer.
Por outro lado, o concelho de Nisa tinha, em 1935, mais de o dobro da população actual, o que explica também essa afluência ao cinema.
No mês de Abril de 1935, às cinco sessões de cinema promovidas pela empresa do Cine Teatro Nisense Lda assistiram 1241 espectadores, com realce para os filmes referidos no Domingo e segunda-feira de Páscoa. 

19.4.13

ETAPRONI: Alunos do Curso de Termalismo visitaram o CRIPS

Na manhã do dia 16 de Abril, os alunos do curso Técnico de Termalismo 2012/2015 da ETAPRONI, visitaram as instalações do Centro de Recuperação Infantil de Ponte de Sor (CRIPS). A visita teve como principal objectivo, para além do conhecimento da instituição, o contacto e interação com os utentes da mesma, culminando numa atividade onde os alunos puderam, pela primeira vez no seu percurso formativo, e em contexto real, aplicar alguns dos conteúdos programáticos abordados no módulo de Técnicas de Cinesioterapia I. A experiência foi bastante gratificante para os alunos, e de máxima importância para a linha de ação que a escola idealiza, baseada na dinamização de parcerias, com instituições que ajudam a enriquecer as experiências que constroem o percurso formativo/evolutivo, para cada aluno da Escola Profissional de Nisa.

NISA: Torneio de Futebol de Veteranos



A Associação de Veteranos do Sport Nisa e Benfica organiza o Torneio de Futebol de Veteranos “Vila de Nisa”,  que vai decorrer no dia 27 de abril, a partir das 16 horas, no campo de jogos “D. Maria Gabriela Vieira” em Nisa e com o seguinte programa:
16h | Sport Nisa e Benfica - GDC Rio de Moinhos (Borba)
17h | CCD Santana do Campo (Arraiolos) - Sport Nisa e Benfica
18h | GDC Rio de Moinhos - CCD Santana do Campo

18.4.13

NISA: Comemorações do 25 de Abril


NISA: Património versus Propaganda


Hoje, 18 de Abril, é assinalado em todo o país, o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios. A Câmara de Nisa, programou para o efeito, uma iniciativa a realizar no castelo de Amieira do Tejo.
Depois de alguns anos fechado e sem visitas do público, o castelo hospitalário transformou-se no palco de todas as iniciativas ligadas à história e ao património, como se o concelho de Nisa não tivesse mais nada de interesse histórico e monumental para mostrar e oferecer aos visitantes.
Abandonou-se à sua sorte – triste sorte, sublinhe-se -, sem honra nem glória, o projecto de revitalização dos centros históricos (Nisa, Alpalhão, Montalvão), a recuperação de diversas antas e menires, disseminados pelo concelho e o município nisense não encontrou coisa mais significativa para assinalar a efeméride do que a realização de um “workshop” sobre hortas, plantas e cheiros.
Ao menos - e com despesa que se justifica – poderiam ter feito, em ano de eleições, uma obra de inegável interesse público: pôr o relógio da torre a funcionar e acabar com a imagem de desleixo e imobilismo que caracteriza a (in) acção municipal.
Assinalem o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (como poderiam ter comemorado, a 28 de Março, o Dia Nacional dos Centros Históricos, que não mereceu uma simples referência) com acções relevantes e necessárias.
Dêem corda ao relógio e deixem-se de tangas!
Mário Mendes

17.4.13

OPINIÃO: Os câmara boys

 As câmaras municipais são as maiores agências de emprego do País.

A integração de "boys" partidários nos quadros de pessoal das câmaras e empresas municipais é regra e, com a aproximação da data das eleições autárquicas, adivinha-se um despautério de admissões e nomeações em catadupa.
Esta situação é particularmente expressiva no que diz respeito aos dirigentes que, nas juventudes partidárias, organizam as campanhas eleitorais e arregimentam votos. Uma vez instalados nos seus "tachos", continuam por norma a trabalhar ao serviço dos partidos, mas remunerados à custa dos municípios. Ao longo dos últimos anos, este fenómeno agravou-se de tal forma que algumas empresas municipais mais parecem sedes partidárias dissimuladas.
Contudo, é nos municípios mais pequenos, alguns com apenas quatro ou cinco mil eleitores, que este problema se torna ainda mais grave e dramático no plano social. Nesses municípios, a obtenção de um qualquer emprego, ou a promoção numa função, depende quase exclusivamente do presidente de câmara local. Isto porque o maior empregador no concelho é a câmara; o segundo maior é, por regra, a misericórdia local ou alguma instituição de solidariedade, que atua em conúbio com o poder autárquico. Segue-se-lhes a administração central descentralizada, de forte dependência política, ou eventualmente uma empresa de média dimensão… amiga da câmara. Com esta estrutura de emprego, só o presidente de câmara e os caciques que dele dependem conseguem atribuir empregos que, em regra, beneficiam afilhados e familiares do presidente, os militantes do partido e os apaniguados das redes clientelares. Claro que a sua seleção raramente resulta do seu currículo ou das suas competências.
Estas práticas reiteradas, nomeadamente nos pequenos concelhos do interior, consolidam, na maioria do território nacional, a ideia de que o estudo, a formação e o esforço de nada adiantam. Fazem vingar a tese de que a qualidade do desempenho é irrelevante para ocupar um qualquer cargo. A qualidade não constitui critério de escolha de colaboradores, ou de progressão nas carreiras. A estrutura de recursos humanos está invertida. O profissionalismo foi dizimado pelo clientelismo.
Paulo Morais - Fio de Prumo - "Correio da Manhã" - 16/4/2013

15.4.13

Poetas Nisenses: Maria Sampaio Freire Temudo

EU GOSTO DA PRIMAVERA
Quando chega a Primavera
Regressam as andorinhas
Gosto de vê-las voar
As bonitas avezinhas.

Foi também na Primavera
Que eu casei com o meu amor
O campo todo verdinho
Todo cercado de flores.

As bonitas andorinhas
Quando chega a Primavera
Se está para chover
Elas voam junto á terra

Eu gosto da Primavera
O campo está a florir
Foi também na Primavera
Que o meu amor conheci

O meu amor conheci
Quando fomos passear
Só para ver as andorinhas
Tão lindas, a voar.

Primavera, deita muitas flores
Todas são bonitas, mas não iguais
Primavera vai e volta sempre
Vai-se a mocidade para nunca mais.

Ao longe cortando o espaço
Vai um bando de andorinhas
Que levam te um grande abraço
E muitas saudades minhas.

12.4.13

AVIS: Concurso de Quadras Populares volta a homenagear “O 25 de Abril”

O Município de Avis e o Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Avis vão voltar a promover o Concurso Concelhio de Quadras Populares sobre “O 25 de Abril”.
O Concurso, inserido nas Comemorações Concelhias do 39.º Aniversário do 25 de Abril de 1974, visa homenagear a Revolução dos Cravos, numa perspetiva de festa pela ação libertadora e de luta pela realização dos seus ideais.
Cada concorrente, maior de 16 anos, natural e/ou residente no Concelho de Avis, poderá participar com o máximo de duas quadras que deverão ser entregues nas Juntas de Freguesia do Concelho, na Divisão de Desenvolvimento Sócio-Cultural do Município de Avis ou enviados pelo correio para: Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Avis, Apartado 50, 7481-909 Avis, até ao dia 19 de Abril.
O Júri, constituído por elementos a designar pela Câmara Municipal, encarregar-se-á de proceder à seleção das três melhores quadras concorrentes, às quais serão atribuídos prémios monetários, e também à entrega de diplomas de participação a todos aqueles que tomaram parte no Concurso de 2013.


ALTO TEJO: Apresentação do nº 5 da revista Açafa online


Por ocasião do Dia Internacional da Terra (21 de Abril) e do Dia Nacional do Património Geológico (22 de Abril), o coordenador da Associação de Estudos do Alto Tejo e o Presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova têm a honra de convidar V. Exa a assistir à apresentação do número 5 da revista digital Açafa On-line.
A sessão terá lugar na Cafetaria/Galeria Municipal do Parque Urbano, em Proença-a-Nova, no dia 21 de Abril de 2013 (domingo), com início pelas 14h30.
Esta edição inclui um dossier temático que pretende assinalar a passagem dos 250 anos sobre os confrontos militares que tiveram lugar nesta região, no âmbito da Guerra dos Sete Anos, e evocar o papel desempenhado pelo Conde de Lippe (Friedrich Wilhelm Ernest zu Schaumburg-Lippe) na defesa de Portugal. Nesse contexto, assume relevância nacional o dispositivo militar hoje denominado Linha Defensiva das Talhadas-Moradal, que está bem representado em Proença-a-Nova, município onde tem beneficiado de várias acções de estudo e valorização.
A secção de Estudos e Trabalhos integra um conjunto muito diversificado de temas,  com  destaque para o  património  geológico  e geomineiro, a que se seguem outros textos, sobre investigação arqueológica, dialectologia, arquitectura e património rural, economia rural, crenças e religiosidade popular, um contributo para demografia histórica e registos fonográficos de poesia popular.
Os documentos desta edição reportam-se a uma região que abrange o sul da Beira Interior, o Norte Alentejano e parte ocidental da Província de Cáceres.
Estes documentos estarão disponíveis para descarga, a partir da data de apresentação, na página www.altotejo.org.

11.4.13

NISA: Animadores da Etaproni estagiam em entidades reconhecidas


Marcas de experiências únicas para seguir António Gedeão
Esta semana, no dia 8 de Abril, os alunos dos Cursos de Animador Sociocultural da Escola Tecnológica, Artística e Profissional de Nisa iniciaram os seus processos de Formação em Contexto de Trabalho. A organização da Formação em Contexto de Trabalho procurou garantir experiências de qualidade, estabelecendo protocolos de parceria com entidades recetoras reconhecidas ao nível nacional e internacional, sediadas em vários espaços do território nacional: Sintra, Faro, Lavradio, Coimbra, Amadora, Cascais, Lisboa, Almada, Nisa, Loures, Buraca, Castelo Branco, Setúbal, Évora, Almada, Gavião e Montargil. Nestas localidades os alunos foram recebidos em instituições que garantem espaços de aprendizagem de competências fundamentais para a formação pessoal, sociocultural, científica e tecnológica, que podem desempenhar um papel crucial para a sua integração socioprofissional futura: Refúgio Aboim Ascensão, Fundação do Gil, Kidzania, Casa da Criança de Tires, Fundação Aragão Pinto, Associação Cultural Moinho da Juventude, Associação Quinta Essência, Associação Nós, Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra, APPACDM de Castelo Branco, CERCI da Amadora, Centro de Atividades Sociais de Miratejo, Centro Social 6 de Maio, Santa Casa da Misericórdia de Nisa, Desafio Sul, Associação de Desenvolvimento de Nisa e Centro Comunitário de Torres Vedras. Algumas destas entidades já recebem estagiários do Curso de Animador Sociocultural há vários anos, tendo algumas delas assegurado o acolhimento dos mesmos aquando da conclusão dos seus cursos, para a realização de estágios profissionais. Os testemunhos apreendidos das experiências vivenciadas demonstram as suas virtualidades, uma vez que permitem aos alunos ultrapassar os seus limites, expandindo as suas possibilidades de desenvolvimento psicossocial. De António Gedeão aprendemos que “O sonho comanda a vida” e na Etaproni damos um sério contributo para que as formações em contexto de trabalho ajudem a construir sonhos.             

EVOCAÇÃO: Muddy Waters, o "pai" dos Blues


Passaram 100 anos, no passado dia 4 de Abril, sobre o nascimento de Muddy Waters ou McKinley Morganfield (04 de abril de 1913 - 30 de abril de 1983), músico de blues e considerado o "pai da moderna Chicago blues ". Muddy Waters foi a grande inspiração para a British Blues, "explosão" na década de 1960 e foi classificado com o nº 17 na revista Rolling Stone, no grupo dos 100 Maiores Artistas de Todos os Tempos. Evocamos, aqui, Muddy Waters com um texto da "Time" de 5 de Abril.
100 anos após seu nascimento, Muddy Waters ainda paira
Se o blues é a espinha dorsal da música popular americana, depois de Muddy Waters era a espinha dorsal do blues. Claro, há muitos artistas de blues significativas antes dele e outros após seu auge, mas Waters, que nasceu McKinley Morganfield em Issaquena County, Mississippi cem anos atrás, esta semana, foi um cantor, guitarrista, compositor e bandleader de elementar, tais poder que ele veio para ficar por tudo o que é comovente sobre a música em si. Sem Waters, é seguro dizer, rock and roll e suas derivações, muitos nunca teria saído da forma como fizeram. Listando aqueles influenciados por ele seria um jogo tolo, seu número é tão legião, mas vamos apenas mencionar uma banda chamada The Rolling Stones, que em homenagem a seu herói, nomearam-se de uma música clássica Muddy Waters.
Movendo para o norte, em início dos anos 1940, Waters chegou a resumir Chicago blues, um género que literalmente eletrizou a música de raiz rural que vieram antes dele. Para os próximos quatro décadas, até sua morte, em 1983, Waters incansavelmente espalhar a mensagem da música americana essencial. Uma das grandes homenagens lhe pagou foi a sua aparência filmado no 1976 all-star do rock extravaganza, The Last Waltz, captados pelo diretor Martin Scorsese para o filme de mesmo nome. Durante o "Menino Mannish", Scorsese nunca uma vez leva a sua câmera de Águas, revelando o seu talento vocal único e intensidade artística inigualável. Como sempre, Muddy roubou o show.
Steve Futterman in “Time” -  05 de abril de 2013