6.2.17

NISA: Um fato à medida

História alentejana -  Um homem foi ao alfaiate para encomendar que lhe fizesse um fato, à medida.
O alfaiate olhou para ele e disse: Não tem problema, venha cá daqui a três semanas que o fato está pronto e pode levá-lo. Só tem que me dizer a cor da fazenda e o modelo que quer.
O freguês estranhou tanta precisão e perguntou: Mas como? Nem sequer me tirou as medidas...
Resposta do alfaiate: Não é preciso! Basta olhar para si para ver que é pessoa de confiança e vai ver que o fato lhe assenta que nem uma luva.
- Mas não é necessário, sequer, experimentar e tirar as provas? - indagou o freguês.
- Se quiser e não lhe der mau jeito, pode passar por cá, assim a modos de que vem fazer uma entrevista e sempre podemos beber um cafézinho e falarmos um pouco sobre a utilização, de facto, do fato.
Mas, como lhe disse, este modelo é feito à medida e para clientes especiais como o senhor. Não precisa precisa incomodar-se, está tudo controlado.
Moral da história: se queres uma fatiota famosa, encosta-te ao partido da rosa.
Já o outro dizia: para teres um lugar à maneira, vai prá sombra da roseira.
Pois é, ainda dizem que o Benfica é que é levado ao colinho...