28.7.16

28 de Julho -Dia Nacional da Conservação da Natureza

Portugal deve intervir mais ativamente no sentido de minorar as ameaças à conservação dos peixes de água-doce nacionais
Hoje, dia 28 de Julho, comemora-se o Dia Nacional da Conservação da Natureza. Neste dia, apesar de várias serem as problemáticas, no âmbito da Conservação da Natureza, para as quais se poderia alertar, a Quercus decidiu destacar no entanto, a questão da conservação dos peixes de água-doce como o tema central deste ano. Nesta área em concreto, a Quercus tem vindo a divulgar e a envidar esforços no sentido de promover diversas ações minimizadoras de impactes negativos sobre os cursos de água nacionais, assim como recuperar algumas das espécies de peixes de água-doce criticamente ameaçadas. Agora, é altura de também o Estado Português investir mais e melhor nesta área.
O crescimento demográfico exponencial, as infraestruturas turísticas e as atividades de produção tem levado à drenagem e à poluição de zonas húmidas, responsáveis pela destruição de numerosos habitats, colocando em risco a riqueza faunística e florística que estes ecossistemas albergam. No fundo, todas as ações e atividades passíveis de provocar alterações significativas nos sistemas aquáticos e ribeirinhos e a sua desnaturalização constituem ameaças às espécies autóctones e endémicas.
Os cursos de água nacionais enfrentam fortes pressões, encontrando-se sujeitos a séria degradação. Situações como as descargas de efluentes industriais ou pecuários, contaminantes dos cursos de água, o aumento inevitável de verões prolongados e com pouca ou nenhuma chuva, colocam enormes ameaças à sobrevivência dos organismos fluviais, nomeadamente do grupo dos peixes. A estas ameaças acresce a presença e proliferação de animais ou plantas de espécies exóticas, invasoras, com efeitos devastadores para as populações nativas.
Considera-se a construção de barragens como a maior ameaça e com elevadíssimos impactes negativos nas espécies de peixes dulçaquícolas, em particular se se considerar todos os impactes provocados desde a sua construção, o que por si só implica a perda de grandes áreas de habitats a montante e a jusante. Acresce a estes impactes o efeito de barreira, provocando a fragmentação e o isolamento de populações das diferentes espécies com consequente descontuidade das populações.
Peixes de água-doce ameaçados
Dentro das espécies de peixes de água-doce presentes nos ecossistemas fluviais portugueses, destacam-se algumas espécies endémicas cuja situação é de elevado risco de ameaça e que tem sido objeto de medidas especiais de conservação: a boga do Oeste (Achondrostoma occidentale), a boga portuguesa (Iberochondrostoma lusitanicum), o escalo do Mira (Squalius torgalensis), o escalo do Arade (Squalius aradensis), a boga do Sudoeste (Iberochondrostoma almacai) e o saramugo (Anaeceprys hispanica).
A Quercus está ativamente a intervir através de medidas minimizadoras que constituem ações no sentido de contrariar as ameaças para estas e outras espécies e intervindo em duas frentes, sendo que numa delas reproduz exemplares destas espécies em cativeiro e efetua ações de repovoamento. Noutras situações em que existem habitats destas espécies muito degradados, realiza ações de recuperação de linhas de água para posterior reintrodução dos espécimes reproduzidos.
O papel do Estado Português
Contudo, é igualmente necessário que o Estado Português invista mais e melhor nesta área, de modo a que seja ainda possível recuperar algumas destas espécies seriamente ameaças de extinção. Algumas dessas medidas de conservação passam pela melhoria da qualidade da água dos nossos cursos de água, através da construção de mais infraestruturas de tratamento de efluentes domésticos e industriais, e pela consolidação e renaturalização das suas margens. Também o restabelecimento da conectividade fluvial, um controlo mais eficaz sobre a pesca ilegal e medidas de erradicação das espécies invasoras seriam fundamentais ao sucesso de um sério plano de recuperação dos peixes de água-doce que deveria ser implementado a nível nacional.
Salienta-se que a Quercus continuará a colaborar ativamente, contribuindo com projetos e iniciativas em parceria com outras entidades públicas e privadas, para que a área da conservação da natureza e da biodiversidade seja uma prioridade numa vertente de atribuição de financiamentos na política pública de ambiente. Para além disso, a Quercus manterá a sua natural e histórica estratégia de educação dos mais jovens e de sensibilização para as questões ambientais e de conservação da natureza junto de toda a sociedade portuguesa.
Lisboa, 28 de Julho de 2016
A Direção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

OPINIÃO: É isto que querem?

A União Europeia é uma fraude política escondida nas malhas da economia. 
Não entendemos o que os políticos dizem. Eles não falam connosco e muito menos para nós. O elevado grau de incomunicabilidade reside, acaso, em os políticos raramente conversarem de política e de nos termos afastado dela por desprezo, indiferença e pela "rotatividade" dos propósitos. Ouve-se dizer: eles querem é tratar da vidinha. Há uma certa asserção no dito. Perdeu-se a vocação ideológica e a paixão que deram, há muito tempo, um sentido criador à nossa existência social, cultural e ética. A mediocridade tem feito cama. Não há polémica. Apenas no futebol o debate parece existir; e, mesmo assim, em que moldes, em que estilo e em que dimensão? Leio-lhes as longas entrevistas, ouço-lhes os discursos e as proclamações.
Nada dizem: só falam. E, no entanto, a política é um dos interesses da cultura, quando não uma disciplina aplicada. Os intelectuais portugueses emudeceram; as televisões a eles não se referem, exactamente porque inexistem, pior do que não existirem. Onde o protesto, o abaixo-assinado, a indignação?, onde? Portugal passou a ser uma colónia alemã. A União Europeia é uma fraude política escondida nas malhas da economia, e uma armadilha habilmente montada pelo capitalismo mais predador. A quem serve? Deixou de haver jornalistas, no exacto sentido da nobre palavra. São meros microfones esticados, ou, pior, explicações de "economês" bastardo. O idioma sofre tratos de polé, com a aparente simplificação ortográfica. Nada no-lo é explicado. Só conheço, e mal, um programa de literatura?, praticamente uma charada. São às dezenas os de futebol, ligeirinhos, ligeirinhos; e os de futilidades sem nexo nem sentido. "Que Portugal se espera de Portugal?", perguntava, há anos, o grande poeta Jorge de Sena. Estranhamente, a pergunta permanece, como chaga inquietante que se não atenua. É isto que querem?
Baptista Bastos - "Correio da Manhã" - 27/7/2016
Cartoon de Henrique Monteiro in http://henricartoon.blogs.sapo.pt

Festival Internacional de Música de Marvão termina com dois grandes espetáculos

O terceiro Festival Internacional de Música de Marvão termina, este fim-de-semana, com os espetáculos de Vitorino e Janita Salomé com a Orquestra Filarmónica das Beiras, e da Hong Kong Sinfonietta, no Pátio do Castelo. Um cenário perfeito para a música clássica, que promete conquistar o público.
 No sábado, dia 30, os irmãos Vitorino e Janita Salomé sobem ao palco, para um concerto que promete ser memorável, ao lado da Orquestra Filarmónica das Beiras. O início está agendado para as 20h, no Pátio do Castelo de Marvão.
 Para domingo, também no Pátio do Castelo, às 19h, está marcado o Concerto de Despedida, com a Hong Kong Sinfonietta, Veronika Eberle (violino), Edicson Ruiz (contrabaixo), Wiener Klaviertrio e o Maestro Christoph Poppen. Neste espetáculo, as entradas para crianças e jovens são gratuitas.
 Este evento único, que tem o conceituado Maestro Christoph Poppen como grande mentor e diretor artístico, reuniu, durante esta última semana, artistas de renome internacional, em concertos únicos, no Castelo, nas Igrejas e Cisterna de Marvão, na Cidade Romana de Ammaia e em Valencia de Alcántara.
 Seja pelos concertos ao pôr-do-sol, ou pelas representações mais intimistas, o Festival Internacional de Música cativou público dos mais diversos pontos do mundo e projeta, cada vez mais, o nome de Marvão, do Alentejo e de Portugal, além-fronteiras.
 Toda a informação e programação em: marvaomusic.com

COMENDA: Lançamento do livro de Jorge Branco "Crónicas Prisionais"


Colóquio PRAXIS V realiza-se em Proença-a-Nova a 29 de julho

Iniciativa organizada em parceria com o Instituto Politécnico de Tomar
De 29 de julho a 14 de agosto decorre o Campo Arqueológico Internacional de Proença-a-Nova (CAIPN), no âmbito do qual uma equipa de arqueólogos e estudantes de arqueologia vão realizar trabalhos em dois sítios distintos: no Recinto Muralhado de Chão do Galego e nas Antas/Mamoas das Moitas. No primeiro, o objetivo é perceber que tipo de construção monumental é aquela, ‘situada no ponto mais elevado da Serra das Talhadas, conhecida popularmente como Estrada dos Mouros. Formada por duas muralhas com cerca de 400 m de comprimento que, em associação com duas cristas quartzíticas paralelas, fecham um espaço com cerca de 20 hectares de superfície. Atendendo à sua posição e características estruturais admite-se que corresponda ao início do 1º milénio a.C. (final da Idade do Bronze). Uma das hipóteses avançadas para a sua função é a de ter sido um povoado refúgio durante período de instabilidade e conflitualidade à escala regional consequente ao estabelecimento de feitorias fenícias nas costas da Península Ibérica’. No segundo, é dada continuidade ao estudo das sepulturas megalíticas na zona onde se encontrou a maior mamoa, até agora identificada, no distrito de Castelo Branco, com cerca de 40 metros de diâmetro. Qualquer destes monumentos poderá ter mais de 5000 anos de existência no nosso território.
Todos os anos, os participantes no CAIPN têm a oportunidade de, para além do trabalho de campo, participar nas avaliações e discussões dos pares, bem como na conferência temática e em visitas a outros pontos de interesse, não só no concelho mas também na região.
Este ano, Proença-a-Nova acolhe a realização do colóquio Praxis V dedicado ao tema “Patrimónios da Terra e do Homem: Linhas de Valorização e Desenvolvimento Sustentável na Beira-Baixa”, organizado pelo Instituto Politécnico de Tomar, em parceria com o município de Proença-a-Nova e a Associação de Estudos do Alto Tejo. Com a presença de um painel de convidados de excelência (ver programa em: http://www.ipt.pt/praxisV/?pagina=programa) os temas irão versar essencialmente sobre: “Enquadramento Geral e programas na comunidade intermunicipal da Beira Baixa” (painel 1) e “Projetos e infraestruturas na CIMBB” (painel 2). A perspetiva do turismo ligado ao património será sempre um tema em discussão paralela sendo aquele um motor de desenvolvimento por excelência de um qualquer território.
A participação neste colóquio é gratuita, mas de inscrição obrigatória, devendo ser oficializada pelo email: altotejo@gmail.com, ou diretamente na página do colóquio disponível em: www.ipt.pt/praxisV, até 26 de julho.

NISA: Ficheiros do Património (17)


27.7.16

POSTAIS DO CONCELHO: Nisenses na Barragem da Póvoa

Pessoa amiga enviou-nos esta foto datada de 12/2/1950. Com o tempo quente e o calor abrasador que se faz sentir, a água da Barragem da Póvoa constituiu um lenitivo e um alívio, aqui bem perto.
Desde sempre os nisenses olharam para a Barragem como "sua", fosse pelas muitas dezenas de operários que trabalharam, nos anos 20, na sua construção, fosse pela proximidade de um bem natural, bem "à mão de semear", visitar e usufruir, como se mostra pela presença deste grupo de nisenses, em Fevereiro de 1950.
Vejam se conhecem algumas das pessoas da foto!

Posição de Os Verdes sobre a decisão da Comissão Europeia – sanções a Portugal

O Partido Ecologista Os Verdes regista a decisão da Comissão Europeia de não aplicar multas a Portugal por défice excessivo de 2015. Porém, o PEV lamenta que a Comissão Europeia mantenha em aberto uma eventual aplicação de sanções com a suspensão de fundos comunitários, decisão adiada para Setembro.
A Comissão Europeia tornou-se um elemento de ameaça constante a Portugal, procurando condicionar o desenvolvimento de políticas que favoreçam o bem-estar dos portugueses e a redinamização da nossa atividade económica.
Depois de, através da Troika, a Comissão Europeia ter contribuído ativamente para flagelar este país e este povo português, pretende prosseguir o seu trabalho através de ameaças constantes ao país.
Depois do Brexit, na primeira oportunidade que a União Europeia tinha para demonstrar que não existe para perturbar os povos e a capacidade de desenvolvimento dos países, passa, afinal, o tempo a ameaçar Portugal com sanções! É absolutamente vergonhoso, mas bem revelador do elemento perturbador que se tornou esta União Europeia, afinada por políticas neoliberais e por tentativas incansáveis de roubar a soberania aos povos.
Os Verdes reafirmam que tudo deve ser feito para contestar quaisquer sanções aplicadas a Portugal.
O Partido Ecologista Os Verdes

IMPRENSA REGIONAL: "Alto Alentejo" - edição de 27/7/2016


OPINIÃO: Trump é para levar a sério

Esqueçam a ideologia, esqueçam os preconceitos, esqueçam a nossa por vezes inquebrantável convicção de que as coisas terríveis que conseguimos antever também conseguimos evitar. Façam, apenas, um exercício honesto e descomplexado com base no que temos visto e lido da campanha para as eleições presidenciais nos Estados Unidos da América (EUA): imaginem viver num Mundo onde Donald Trump pudesse tomar decisões que influenciassem diretamente a economia e a segurança globais. Imaginem que o caldo do medo de que se alimenta o discurso republicano vigente encarna, em novembro, nesse homem, num homem que gere as relações humanas e diplomáticas com o mesmo nível de sofisticação usado por Chuck Norris nos seus filmes de gangsters.
O contexto temporal ajuda-nos a perceber a utilidade deste exercício e é, sobretudo, fundamental para não nos deixarmos enredar na teia desculpabilizante e ingénua dos que classificam a caminhada triunfal deste mitómano como uma excrescência do sistema democrático. Já passamos há muito essa fase.
Em março, ninguém dava um tostão furado pelo milionário narcisista que se bronzeia no solário e coleciona mulheres submissas. Donald era o pato-bravo, o provocador antissistema, o arruaceiro da família que diz em público o que muitos pensam mas não ousam verbalizar. O Mundo olhava para ele como uma caricatura. Donald manuseou esse preconceito em proveito próprio. Ei-lo, agora: a rir-se de quem o desenhou a traço fino.
Quatro meses volvidos, ganhou o partido e não só não amaciou o tom xenófobo, securitário e nacionalista, como encontrou nos mais recentes ataques terroristas que sobressaltam a Europa um dínamo natural para enfatizar as virtudes de uma América que não se verga e manda no Mundo com um dedo nervoso no gatilho. Já não são só os mexicanos, os gays e os muçulmanos. Trump também quer dificultar a entrada de franceses nos EUA. Como uma forma de punição por serem simultaneamente "culpados" pelo multiculturalismo e vítimas de sucessivas e nojentas ações terroristas. É desta ligeireza de raciocínio que se serve a narrativa deste demagogo. A conjuntura internacional faz o resto.

A fauna que arrasta o candidato republicano no andor saliva por justiça e repete a pergunta que cada vez mais americanos fazem: estamos mais seguros com Hillary Clinton ou com Donald Trump? As sondagens mais recentes mostram que a América, "land of the free and home of the brave", parece estar disposta a eleger um louco. É bom que levemos Trump a sério.
Pedro Ivo Carvalho - in "Jornal de Notícias" - 27/7/2016

Artistas nisenses no Salão de Pintura Naif no Casino do Estoril

Três artistas nisenses participam com os seus trabalhos no XXXVI Salão Internacional de Pintura Naif que decorre de 30 de Julho a 13 de Setembro na Galeria de Arte do Casino Estoril.
Este é o mais importante evento de divulgação da Arte Naif realizado em Portugal e no qual, desde há muito, se mostram as principais obras do conhecido pintor nisense Augusto Pinheiro, já falecido, artista que viria, muito justamente a ser distinguido pelo seu trabalho e obra pictórica.
Esta edição do Salão Internacional de Pintura Naif regista ainda a participação de outros dois pintores nisenses, como é o caso de António Charrinho e Dulce Ventura.

Revista "Mais Alentejo" já está nas bancas

Já está nas bancas de todo o país a Revista Mais Alentejo. Em período de Verão, são vários os motivos que tornam imperdível mais uma edição da Mais Alentejo. São Lourenço do Barrocal é o tema principal de capa, os 30 anos de Évora Património Mundial, o actor Marco Delgado, a nova Cartuxa Enoteca, os excelentes vinhos Margaça, as Sesmarias Turismo Rural & Spa, o 1680 Gourmet Taste e a "epopeia marítima" da escritora Maria João Lopo de Carvalho. E ainda muito mais, verdadeiramente, a não perder.

Poetisa nisense lembra Dia dos Avós

Avó

Uma velhinha
de renda bonita
nas mãos
esquecida.

Trabalha esquecida criança
enquanto o tempo sem pena
marca
a hora da partida.

Na face uma lágrima.
Saudade
de uma mocidade
gaiata.

Uma renda singela
que perdura
presa à memória
de quem te ama velhinha
gaiata avó!... querida

Réveri Cas

26.7.16

IMPRENSA REGIONAL: "Fonte Nova" - edição de 26/7/2016

FÉRIAS et VACANCES: Vêm de longe, de muito longe...

VÊM DE LONGE
Vêm de longe
De muito longe
Em data certa
Foram p´ra longe
P´ra muito longe
Esperança perdida.
Nas promessas vagas
Dum Abril distante
Foram muitos
Muitos e muitos
Os que buscaram
Outros brazis
Outras esperanças
Aqui bem perto
Viver melhor
Ter dignidade
Ter o conforto
Antes negado

Vêm de longe
De muito longe
Sem data certa
Matar saudades
Acarinhar o sonho
De votar à Esperança
Esperança perene
No sentir dum povo
O regresso adiado
O regresso sonhado
Vai ser um dia

Sem dia marcado.
Francisco Narciso
in “Notícias de Nisa” 25/8/1995

Emigrantes em férias
Cumprem um rito todos os anos repetido. Voltar à terra que os viu nascer, matar saudades, ver a família e os amigos.
As esplanadas enchem-se de emigrantes. Nas ruas, as matrículas estrangeiras dos carros, sobretudo francesas, são o sinal mais visível da sua presença.
Nos anos sessenta, muitos foram os que deixaram tudo para, noutras paragens, poderem ter uma vida melhor.
Vivia-se então num país atrasado e e isolado do resto mundo. A emigração fazia-se “a salto” sem papéis nem passaportes. Foi a época áurea para os “negreiros” dos tempos modernos: os “passaportes” que cobravam a troco de somas elevadas, contra promessas muitas vezes falsas.
Em 1974, ano da Revolução de Abril, muitas afirmações e promessas foram feitas, nomeadamente a do regresso dos nossos emigrantes, já que haveria lugar para todos. Que a necessidade de buscar noutras terras o pão nosso de cada dia ia desaparecer...
Passados vinte e tal anos, tal promessa não está concretizada, pelo contrário. Poucos voltaram e muitos continuam a partir à aventura, sem destino certo.
Assistimos hoje à presença, na sua terra, durante a época de férias, a presença de uma geração nova já nascida no estrangeiro. Muitos luso-franceses que não renegaram as suas raízes. Que gostam de ver e estarnos sítios que os seus pais foram obrigados a abandonar...
Dificilmente virão para ficar.
No entanto, este mês de Agosto é tempo de reencontro de amigos e de convívios com a família, de rever sítios e coisas que lhes ficaram na memória.
É uma alegria efémera, que é repetida cada ano.
António Conicha in “Notícias de Nisa” – 25/8/1995

Arraiolos- durante uma semana a sopa é rainha na mesa

A vila de Arraiolos promove tradicional sabor das sopas alentejanas, entre 25 Julho e 08 Agosto.
No decorrer destes dias, as mesas dos restaurantes locais realçam a diversidade da gastronomia alentejana, ligada ao mundo rural, onde se poderão desfrutar os tradicionais sabores de uma simples e apurada açorda ao fresco gaspacho.
Sopa de Beldroegas, Sopa de Tomate, Sopa de Cação são alguns exemplos do que se poderá provar e apreciar em Arraiolos.
As portas dos 19 restaurantes aderentes estarão abertas para receber todos os que pretendem gozar de uma ementa aprumada em que se realça o azeite, as ervas aromáticas e o alho.
À disposição também estarão um conjunto de outros pratos regionais, como migas e ensopado de borrego, bem como outros produtos regionais, a serem completadas com os afamados vinhos da região.
A iniciativa é promovida pela Câmara Municipal de Arraiolos que pretende proporcionar aos visitantes que gostam de boa gastronomia, o melhor da cozinha alentejana com produtos da terra.
Os restaurantes participantes no evento em Arraiolos são: Café Restaurante "O Alentejano", "O Pelourinho", o Restaurante "A Moagem", "O Cantinho do Giovanni", o Restaurante Típico "O Alpendre", Café Snack Bar "O Gingão", Restaurante Bar "Wine'Arte", Pousada Nossa Senhora da Assunção", "A Paragem" – Vinhos Petiscos.
Na freguesia de Ilha: Restaurante "A Horta". Freguesia de Sabugueiro Café "O Camponês". S. Pedro da Gafanhoeira: Restaurante "O Parque". S. Gregório: Café "O Telheiro" e em Vimieiro: Restaurante "Antiga Moagem", "Novo Dia", "Planície Dourada" e "Flor do Alentejo".

 in Hardmusica

NISA: Almoço e Convívio dos Joaquins


Mudanças na Diocese: Padre Constantin Buapale Malu substitui em Nisa o Padre Jacinto

A Diocese de Portalegre e Castelo Branco tornou público através do seu site as movimentações de carácter pastoral  a que procedeu, no sentido de dar respostas a algumas situações pastorais pendentes e de clarificar outras. Pelas nomeações feitas pelo senhor Bispo Antonino Dias e no que respeita à Zona Pastoral de Nisa, tomámos conhecimento da partida do Padre Jacek Cerzary Baginski (Padre Jacinto) sendo substituído pelo Padre Constantin Buapale Malu, da mesma Comunidade de Missionários do Verbo Divino.
Ao novo pároco desejamos boas vindas e votos de um trabalho profícuo na linha de acção do seu antecessor.
Movimentação Pastoral
Havendo necessidade de clarificar algumas situações pastorais pendentes e de dar resposta a outras, havemos por bem proceder às seguintes nomeações, agradecendo, muito reconhecidamente, a generosa disponibilidade dos sacerdotes para servir as comunidades cristãs mais precisadas. E agradecendo também ao povo de Deus pela sua compreensão e comunhão nestas preocupações de melhor servir os irmãos na fé. Continuamos, por mais alguns dias, a buscar a melhor solução para o Arciprestado de Portalegre, pedindo, entretanto, ao clero que está no Arciprestado, a sua solidariedade e entreajuda com quem está mais sobrecarregado, sobretudo na zona de Marvão e Castelo de Vide.
NOMEAÇÕES PARA O SERVIÇO PASTORAL
Mons. Paulo Henriques Dias, dispensado de Assistente do Centro de Preparação para o Matrimónio (CPM);
P. Manuel Lopes Mendonça, nomeado Assistente do Centro de Preparação para o Matrimónio (CPM);
Cón. José Dias da Costa, nomeado Assistente da Pastoral da Pessoa com Deficiência;
P. João Avelino, nomeado Assistente local da Associação dos Médicos Católicos, em Castelo Branco;
P. Vítor Manuel Matias, dispensado de Pároco das paróquias de Várzea dos Cavaleiros, Figueiredo e Ermida, Arciprestado da Sertã;
Cón. Lúcio Alves Nunes, na qualidade de Pároco, e Dr. Manuel Mendonça Esteves, na qualidade de Diácono, sem deixarem a equipa pastoral da Zona da Sertã em que estão inseridos, são nomeados responsáveis pela pastoral das paróquias de Várzea dos Cavaleiros, Figueiredo e Ermida, Arciprestado da Sertã;
P. Nuno Miguel Lopes Silva, dispensado de Pároco da paróquia de Rio de Moinhos, Arciprestado de Abrantes, de responsável pelo Pré-Seminário Diocesano, e nomeado Diretor do Secretariado Diocesano da Pastoral da Juventude e Vocações, em acumulação com os outros serviços que lhe estão confiados;
Prof. Ricardo Nuno Pires Farinha, dispensado de Diretor do Secretariado Diocesano da Pastoral da Juventude e Vocações;
P. Carlos José Cardoso de Almeida, nomeado Pároco da paróquia de Rio de Moinhos, Arciprestado de Abrantes, em acumulação com os serviços pastorais que já lhe estão confiados, contando com a ajuda pastoral do Diácono Vítor Manuel Cordeiro que já nela presta serviços pastorais; 
P. Jacek Cerzary Baginski, dispensado, de acordo e a pedido do seu Superior Provincial, dos seus trabalhos pastorais na Zona Pastoral de Nisa, a quem agradecemos toda a sua dedicação e testemunho sacerdotal na nossa Diocese e desejamos felicidades na sua nova missão;
P. Constantin Buapale Malu, apresentado pelo seu Superior Provincial para fazer parte da Comunidade dos Missionários do Verbo Divino na Zona Pastoral de Nisa, nomeado Pároco in solidum, com os já Párocos Padre Joaquim Martins Valente e Jomy Valliara Ezhupathil John, das Paróquias de Espírito Santo de Nisa, Nossa Senhora da Graça de Nisa, Santana, São Matias do Cacheiro, São Simão do Pé da Serra, Montalvão, Tolosa, Gáfete, Amieira do Tejo e Nossa Senhora da Graça de Arez, Concelhos de Nisa e Crato, Arciprestado de Ponte de Sor, sendo Moderador o Padre Joaquim Martins Valente;
P. Joaquim Martins Valente, nomeado Diretor in solidum, com os Padres Jomy Valliara Ezhupathil John e Constantin Buapale Malu, e também de acordo com o seu Superior Provincial, do Secretariado Diocesano das Missões e das Obras Missionárias Pontifícias.
Portalegre, 15 de julho de 2016.
+ Antonino Dias - Bispo Diocesano

ELVAS: Coro de Hong Kong actua no Forte da Graça

O Forte da Graça recebe a atuação do Coro Infantil de Hong Kong, no dia 27 de julho, pelas 21:30 horas, integrado na iniciativa “Noites de Verão”, organizada pela Câmara Municipal de Elvas.
O Hong Kong Children´s Choir foi fundado em 1969 enquanto organização sem fins lucrativos e é um dos mais reputados coros infanto-juvenis da atualidade. Sob a direção de Kathy Fok, o coro é considerado “one of the best children´s choir in the world” e um dos “China´s Top Ten Children Chorus”, o que faz com que seja regularmente convidado para atuações no estrangeiro.
O coro alcançou reputação internacional enquanto Litlle Goodwill Singing Ambassadors, tendo sido laureado na Hungria com o prestigiado Award of the Audience, no Vivace 2006 Internacional Choir Festival e com a Gold Cup, no Shangai Internacional Children´s Chorus Festival. Em 2014 apresentou-se na Coreia do Sul, no 10th World Symposium on Choral Music e na primeira World Choral Expo, em Macau, no ano de 2015.
Destaque ainda para as diversas participações realizadas nos principais eventos de Honk Kong, como a Hong Kong Handover Ceremony, por ocasião da inauguração do Aeroporto Internacional de Honk Kong e para diversas atuações nos Jogos Olímpicos de Pequim.
As “Noites de Verão” em Elvas, iniciam no próximo dia 23 de julho, com a atuação da fadista Cristina Maria e a atuação do Hong Kong Children´s Choir, um dos mais importantes coros infanto-juvenis do panorama musical internacional, dão seguimento às atividades da iniciativa no fortificação classificada como Património Mundial, o imponente Forte da Graça. O concerto é um dos seis que o coro tem agendados para a tour de Portugal.
O espectáculo é gratuito.

PORTALEGRE: Festa de Santa Ana - Dia dos Avós


25.7.16

CRÓNICAS DA TABANCA: Mentes Ardentes

“Matheus Mathisse tem um blog, onde escreve a dizer, uma vezes bem de mim, outras mal. A maior parte das vezes a dizer mal, mas estamos em democracia e eu sou uma pessoa muito democrááááááááááááática, entendem? O que posso fazer? É bom que falem de nós, é sinal que mexemos e estamos vivos. Mas fico triste, porque eu faço tudo para levantar este concelho de Nhabula, ainda há pouco saímos da Naturalejo, uma associação que não fez nada pelo município e pouca gente entende todo o esforço que em nome do Partido da Savana eu estou a fazer”- disse Isaltina Sôdade.
A presidente da Câmara de Nhabula falava no Palácio das Hortaliças durante a apresentação do livro “Gentes Carentes” da autoria de Cesário Oliva, da Rádio Bolanha e que integra diversas entrevistas a pessoas do concelho de Nhabula e que passaram naquela rádio.
Sem parar e como se tivesse a incumbência de servir de presidente de alguma comissão regional de Censura e de análise ao livro, Isaltina foi tecendo loas e louvores a cada um dos entrevistados do concelho referidos em “Gentes Carentes”, todos eles sem possuírem blog no qual pudessem afrontar ou pôr em causa a doutrina de Sua Eminência.
“ Os blogs, tal como alguns jornais, são um perigo nos tempos que correm – prosseguiu Isaltina Sôdade. “Os seus detentores nem imaginam o sacrifício que fazemos a trabalhar para as pessoas. Mas nós vamos continuar este esforço, ignorando as críticas subversivas (onde é que eu já ouvi isto?). Porque a verdade é só uma. Aliás, só a verdade é recta, mesmo se escrita por linhas tortas e ínvios caminhos. Aqui, em Nhabula, somos campeões da transparência. Vejam-se, como exemplo, as actas da Câmara aprovadas seis e sete meses depois ou, ainda, as da Assembleia Municipal que, nesse campo, batem todos os records: são aprovadas mais de um ano depois e colocadas no site do Município no mandato seguinte. Eu peço desculpa, sei que o senhor Cesário Oliva quer falar sobre o livro, mas não podia deixar passar esta oportunidade, para explicar aos ouvintes da Rádio Bolanha aquilo que estamos a fazer por Nhabula.
Em primeiro lugar, queremos que Nhabula seja a “Capital Pimba” da região e do país. Demos já um grande passo, com a transmissão em directo de um programa televisivo que trouxe um mar de gente à Praça da Independência. Na sede do concelho fizemos obras sem grandes gastos e projectos e uma delas, a rua Túlio Trasso, é um regalo para os olhos e símbolo da arte pimbólica que pretendemos implementar.
Vamos enfrentar e vencer novos desafios, pois nós, aqui, andamos a remar contra a maré. Enquanto no país, após 40 anos, a esquerda (oh, que horror!) uniu-se e formou governo, nós seguimos fiéis aos nossos princípios e mantemos uma aliança savanista-francófona, que já tem mais de 20 anos. É ela que garante a estabilidade “democrática” do regime local e que governemos sem sobressaltos, graças ao apoio do Partido Sândalo Damasqueiro que tudo aprova.”
Isaltina Sôdade pousou o microfone para fazer uma pausa, facto que Cesário Oliva aproveitou para usar da palavra e falar, finalmente, do livro “Gentes Carentes”, enaltecendo as gentes de Nhabula, uma terra de muitos e grandes artistas em diversos campos da cultura.
Disse ser sua intenção voltar a recolher mais entrevistas para a elaboração do programa na Rádio Bolanha e considerou gratificante a publicação de “Gentes Carentes” e a divulgação de tantas figuras da cultura popular, elogios a que Isaltina Sôdade não ficou indiferente.
“ Venha mais vezes a Nhabula, as vezes que quiser, mas, por favor, dê-nos uma palavrinha antes. Não sei se entendeeeeeeeee? Podemos, sempre, sugerir os nomes a serem entrevistados. De gente de valor, com mérito, percebeeeeee?”
A apresentação estava a chegar ao fim e, num impulso, Zacarias Indjaló, vereador savanista levantou-se da cadeira e gritou a plenos pulmões: Assim se vê a força que não engana! Viva o Partido da Savana! Savana! Savana! Savana! Savanaaaaaa!
A plateia estava ao rubro (salvo sejaaaaaa!) e Isaltina Sôdade dirigiu-se a um dos entrevistados do livro: “ Ó maestro Vitorino Baldé, toque lá qualquer coisa no seu violino. Uma “coisa” popular, assim tipo Nel Sobreiro, Tó Zé Galhoa ou Jóni das Carreiras. Apetece-me cantar. Eu sou uma romântica, entendeeeeeeeeem?
O fim da tarde foi descendo lentamente sobre o Palácio das Hortaliças, a noite aproximava-se e a sessão terminou.
Hoji Ya Enda

HISTÓRIA: Apreensão de Contrabando na Serra de S. Simão (1896)


24.7.16

Jovem músico com raízes nisenses brilha em Espanha


Manuel Toucinho conquistou o 1º Prémio em Concurso Internacional de Guitarra
A notícia vem publicada na mais recente edição do prestigiado “Jornal do Fundão” e por ela se fica a saber que Manuel Toucinho, filho do conhecido músico nisense Pedro Rufino e de Maria André, que emprestou a sua voz a alguns projectos musicais de Nisa, brilhou em Espanha, ao conquistar o 1º lugar na categoria jovem promessa do Concurso Internacional de Guitarra “José Tomás Villa de Petrer”
Resta dizer que o Manuel Toucinho tem apenas 16 anos e segue as pisadas do pai, de quem é aluno na Academia de Música e Dança do Fundão.
Já o professor Carlos Cebola dizia: “em Nisa, de um pau se faz um músico”, querendo demonstrar a qualidade, inata, dos nisenses tanto para a música como para artes cénicas.
O desempenho do jovem Manuel Toucinho só vem confirmar estas aptidões e a grande qualidade de um jovem guitarrista, fruto do estudo e de um trabalho aplicado, numa instituição que muito tem prestigiado a cidade do Fundão.
Parabéns ao Manuel Toucinho e, por extensão, ao Pedro Rufino e à Maria André.

Nisa em Festa de 12 a 15 de Agosto


Quercus junta-se a 40 organizações ambientalistas espanholas na luta contra a importação de gás de xisto na Europa

Depois do porto de Sines ter recebido, em Abril passado, o primeiro carregamento de gás de xisto norte-americano, chegou ontem, 23 de Julho ao porto de Mugardos, em Espanha, um segundo carregamento vindo também dos EUA.
 A Quercus, que há uns meses reforçou os perigos e desvantagens associados ao fracking e ao gás de xisto, subscreveu uma declaração assinada por 40 organizações e plataformas espanholas, denunciando a possibilidade de outros Estados-membros da União Europeia começarem a importar gás de xisto sob a forma de gás natural liquefeito (GNL).
 Numa declaração conjunta, disponível, entre outras, na página da ONG ‘Ecologistas en Acción’, as associações ambientalistas receiam que este seja o ponto de partida para a importação massiva deste combustível do outro lado do Atlântico.
 Por outro lado, em plenas negociações do Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP), em processo negocial há três anos, a Europa parece ser um destino claro para os carregamentos de GNL vindos dos EUA.
Do lado da Europa, parece haver receptividade, tal como demonstra a ‘Estratégia da União Europeia para o Gás Natural Liquefeito e o Armazenamento de Gás’, onde é feito o apelo ao investimento em infra-estruturas, como gasodutos e no reforço da capacidade de armazenamento e regaseificação.
 Portugal deverá estar na rota destas importações, dada a importância estratégica do porto de Sines. Além de ser o porto mais próximo da costa norte-americana, tem capacidade para albergar navios de grandes dimensões.
 A Quercus concorda com as restantes signatárias desta declaração quando afirmam que a aposta no gás de xisto ou a sua importação na forma de GNL vai na direção oposta à que seria necessária para cumprir as metas climáticas europeias e o espírito do Acordo de Paris.
 Lisboa, 23 de julho de 2016                

23.7.16

NISA: Ficheiros do Património (16)


Artes e Ofícios: O Bordado de Castelo Branco em Montalvão

A Associação Vamos à Vila (Montalvão) promove no próximo dia 30 de Julho (sábado) uma iniciativa cultural digna do maior registo.Retribuindo a visita e exposição de Artes Tradicionais de Montalvão que estiveram expostos na Casa do Arco do Bispo na cidade albicastrense, cabe agora a vez de uma representação da capital da Beira Baixa se deslocar a Montalvão.
Assim, no dia 30 de Julho e a partir das 18 horas, na antiga Escola Primária, estarão patentes ao público Bordados e Colchas de Castelo Branco, com uma Bordadeira a trabalhar ao Vivo.
A ocasião será aproveitada para a realização de uma Conferência pela professora Deolinda Barata versando, justamente, as Artes Tradicionais de Castelo Branco e, particularmente, os Bordados e as Colchas.
A iniciativa culmina com um Concerto pelo Orfeão de Castelo Branco, dirigido pelo Maestro Rui Barata, pelas 20,30h, na Igreja Matriz de Montalvão. 

Ginasta com raízes nisenses é uma das melhores do mundo na especialidade de tumbling

Chama-se Raquel Pinto. É atleta, ou melhor, ginasta da Sociedade Filarmónica Estrela Moitense. Com pouco mais de vinte anos já conhece os palcos das principais competições internacionais onde, em representação de Portugal tem conquistado medalhas e títulos a um ritmo verdadeiramente imparável. Como aconteceu no dia 10 de Julho, no mesmo dia em que Portugal se sagrou campeão europeu de futebol. O futebol, o espectáculo, mas, sobretudo, o negócio de milhões, centrou os holofotes nesta competição e deixou passar, sem a honra e o brilho que mereciam, as excepcionais prestações das ginastas portuguesas que competiram na Taça do Mundo de Trampolins, realizada em Coimbra. Foi lá que Raquel Pinto, bisneta do saudoso farmacêutico, Aniceto Ferreira Pinto, de tão gratas memórias e do não menos saudoso comerciante José Mendes Louro, conquistou a Medalha de Prata para Portugal.
Facto e desempenho para que nos alertou pessoa amiga e visitante atento do "Portal de Nisa". Urge dizer (e confessar) que não conhecíamos Raquel Pinto, pelo menos a sua relação directa e familiar com a vila de Nisa, tendo até assistido, via RTP2 a grande parte das provas realizadas em Coimbra.
Depois, o desconhecimento deu lugar à admiração. Não apenas pelo seu currículo desportivo - impressionante para quem tem pouco mais de 20 anos - como pelo número de provas e títulos internacionais para as quais Raquel Pinto contribuiu, mas, principalmente, por se tratar de uma jovem muito bonita e com as feições que eu já "conhecia" e que me fez viajar 50 anos atrás. Estão ali - que me desculpem os progenitores - os traços essenciais, marcantes, da sua avó.
Vamos acompanhar com mais assiduidade as prestações de Raquel Pinto. Os seus títulos e as suas desilusões (porque estas também acontecem no desporto e na vida) o seu trabalho (e quão difícil será conciliar estudos com uma modalidade e especialidade tão exigente) o seu desempenho de ginasta e desportista serão também, a partir de agora, acontecimentos de todos nós, nisenses, que vibramos com o fulgor e o sucesso dos nossos conterrâneos, ainda mais quando estes são obtidos vestindo as cores de Portugal. 
Sem prejuízo de um trabalho de maior destaque sobre esta figura destacada da Ginástica e do Desporto português, com Raízes Nisenses, sublinhe-se, deixamos a notícia da sua mais recente participação em provas internacionais, bem como algumas fotos e um vídeo para que possam perceber tanto a beleza dos movimentos de Raquel Pinto como a preparação e exigência do Tumbling, uma disciplina que "requer reações dinâmicas, consciência espacial, coordenação, força e coragem. Os exercícios não ultrapassam mais que alguns segundos. Porém, requerem vários anos de preparo para se atingir a precisão dos saltos."
Parabéns, Raquel Pinto! O teu exemplo como jovem e desportista merece ser apontado e valorizado. Fazemos votos para que muitos jovens o percebam e possam seguir!
Prata e bronze para Portugal na Taça do Mundo de Trampolins
O Coimbra Gym Fest chegou ontem ao fim com as finais da Taça do Mundo de Trampolins. Após três dias de festa na cidade do Mondego, as atenções estavam agora todas viradas para o desempenho dos atletas portugueses que se apuraram para as finais da competição. E Portugal conquistou duas medalhas, uma de prata e outra de bronze, ficando também Ana Rente muito perto de subir ao pódio. Raquel Pinto foi a 2.ª melhor na prova de tumbling feminino ao contabilizar 65,500 pontos, apenas superada pela russa Anna Korobeinikova que somou 67,900, enquanto o pódio foi completado pela francesa Lea Callon (64,600). Foi o primeiro grande momento da tarde com a portuguesa a receber uma forte ovação do público presente.

22.7.16

Quercus apela ao Ministro da Agricultura para que Portugal defenda a saúde e o ambiente

O perigo dos disruptores endócrinos para a saúde e o ambiente
Os disruptores endócrinos são compostos químicos que alteram o normal funcionamento hormonal de animais e humanos, estando no entanto presentes em numerosos produtos usados no nosso dia a dia, ou em atividades setoriais, como é o caso de muitos pesticidas usados na agricultura. De facto, alguns dos casos mais bem documentados de disrupção endócrina na vida selvagem e, recentemente, em humanos, estão relacionados com o uso de pesticidas agrícolas e outros biocidas. Por isso, os critérios que definem se determinada substância tem ou não um efeito de disruptor endócrino, têm merecido crescente atenção por parte de organizações ligadas à saúde e ao ambiente.
 Investigadores em todo o mundo, incluindo a Organização Mundial de Saúde, a Rede Europeia de Cientistas para a Responsabilidade Social e Ambiental (ENSSER) e a Sociedade de Endocrinologia (www.endocrine.org), têm alertado, há anos, para os perigos para a saúdedecorrentes da exposição aos disruptores endócrinos (EDC) mesmo que em pequenas doses.Se a exposição se der em fases iniciais do crescimento e desenvolvimento humano, nomeadamente embrião, feto e crianças, estas substâncias podem causar efeitos como deformações nos órgãos sexuais, infertilidade, obesidade, efeitos no comportamento, neurodegenerescência e/ou perturbações cognitivas [1]. Os custos em despesa pública com este tipo de doenças estão estimadas, na Europa, em milhares de milhões de euros[2].
Critérios em discussão na Europa; “risco” não é sinónimo de “perigo”
A 15 de junho de 2016, um ano e meio depois do fim da data estabelecida, a Direção Geral da Saúde da Comissão Europeia anunciou os critérios para os disruptores endócrinos e as correspondentes alterações à legislação[3]. Para grande desilusão de muitos, o Comissário da Saúde, VytenisAndriukaitis propôs critérios pouco razoáveis que envolverão anos de estudos para provar que uma dada substância com indícios de ser disruptor endócrino tem efetivamente esse efeito. Além disso, tornou possível que uma substância que já tenha sido identificada como disruptor endócrino possa continuar no mercado se o “risco” for considerado “negligenciável”, como sucederá com o bisfenol A. Agricultores, ambiente e consumidores continuarão expostos a estas substâncias.
Face a esta situação, alguns estados-membros, nomeadamente França, Dinamarca e Suécia já manifestaram a sua oposição através de uma carta aberta [4].
O Parlamento Europeu, o Conselho Europeu e a Comissão Europeia já tinham acordado, nos regulamentos 1107/2009 e 528/2012, que as autorizações deste tipo de produtos deverão “garantir um elevado nível de proteção da saúde humana, saúde animal e ambiente” (PPPR, Art. 1º) e, por isso, devem ser baseadas na perigosidade dos mesmos. Portanto, os disruptores endócrinos com efeitos mutagénicos, carcinogénicos e tóxicos para a reprodução deveriam ser proibidos em formulações de pesticidas agrícolas e outros biocidas. Todavia, em pleno desrespeito pela legislação e excedendo os seus poderes legais, a Comissão modificou o texto do regulamento e substituiu a expressão “baseado no perigo” por “baseado no risco”.
Comissário Europeu dá preferência aos interesses setoriais em detrimento da saúde e do ambiente
Estamos perante o resultado claro de um ambiente de pressão extrema proveniente da indústria, do mercado dos produtos fitofarmacêuticos e de alguns setores agrícolas. De novo é invocado o “monstro” da fome e da desvantagem competitiva para a agricultura europeia decorrente da proibição de determinados pesticidas (PAN Europe Impact Assessment Report, Capítulo 3)[5]. A indústria e o mercado atingiram, claramente, os seus objetivos: o Comissário da Saúde deu preferência aos interesses do mercado internacional e da indústria, em vez da proteção da saúde e do ambiente.
Quercus apela a uma posição mais exigente de Portugal
O próximo encontro do Comité Científico de Plantas, Animais, Alimentação e Forragens (cuja representação portuguesa é feita através do Ministério da Agricultura) decorrerá em princípio no final do Verão, com uma eventual votação acerca dos critérios dos disruptores endócrinos. Por isso, a Quercus e a PAN endereçaram uma carta ao Ministro da Agricultura (Anexo), deixando expressa a sua preocupação neste campo bem como um apelo para que Portugal defenda concretamente:
- A remoção do termo “risco negligenciável”;
- Uma definição mais abrangente dos disruptores endócrinos, para
poder abranger mais produtos químicos[6];
- O início imediato de testes em todos os pesticidas, para avaliação de
propriedades de disrupção endócrina.
 Lisboa, 21 de julho de 2016
 A Direção da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza