12.2.18

Terras sem Sombra abre 14.ª edição na Vidigueira

O festival do Baixo Alentejo que une a programação musical – clássica e tradicional – a actividades de valorização do património e de salvaguarda da biodiversidade, está de volta para uma nova temporada, que se estende até Julho.
O arranque desta 14.ª edição vai ser já a 17 de fevereiro na Vidigueira, “terroir” de sublimes vinhos, onde a cultura e natureza andam de mãos dadas ao longo de paisagens de cortar a respiração.
O Terras sem Sombra propõe uma experiência aberta a todos os sentidos, convidando os espectadores em cada fim-de-semana a viverem um programa aliciante, que associa a descoberta de notáveis repertórios e intérpretes à visita a monumentos extraordinários, geralmente inacessíveis ao público, e à participação em acções de salvaguarda da biodiversidade.
A tarde de sábado, dia 17, é dedicada, a partir das 14h30, a conhecer uma propriedade particular, o convento carmelita de Nossa Senhora das Relíquias (Quinta do Carmo). Vasco da Gama, o célebre navegador, 1.º conde de Vidigueira, faleceu em Cochim, na Índia, em 1524. Os restos mortais do almirante vieram para a igreja deste convento, em 1539, e aí estiveram até à sua trasladação para o mosteiro dos Jerónimos, em 1880. Cuidadosamente preservada, a velha casa religiosa é um tesouro de arte. A orientação da visita está a cargo dos proprietários, Mário, Susana e Filipa Maia e Silva, e do arquitecto José António Falcão.
A igreja matriz de Vila de Frades, às 21h30, recebe o Vaszy Viktor Kamarakórus (o Coro de Câmara da Ópera Nacional e da Catedral de Szeged), sob a direcção de Sándor Gyüdi. A iniciativa resulta da parceria do Festival com a Câmara Municipal e a Adega Cooperativa locais, além do Turismo do Alentejo e do Ministério da Cultura.
Fundado no ano de 1958 em Szeged, a terceira cidade da Hungria, país convidado desta edição, o Vaszy Viktor Kamarakórus tem pisado os principais palcos do mundo. O maestro Sándor Gyüdi, detentor de importantes prémios e de extensa discografia, constitui uma referência internacional para quem gosta de polifonia, desde a tradição gregoriana até aos maiores compositores sacros da actualidade.
A manhã do dia 18, a partir das 10h00, é votada às tradições vitivinícolas da região. Sob a orientação de Virgílio Loureiro, professor no Instituto Superior de Agronomia de Lisboa e José Miguel Almeida, agrónomo e presidente da Adega Cooperativa, mas também de produtores, como Joaquim Galante de Carvalho e Arlindo Ruivo, vão ser percorridas vinhas centenárias, de onde provém a uva utilizada no célebre vinho de talha ou “petroleiro” – um vinho medieval feito com tecnologia romana. Participar na poda, na época própria para isso, e confrontar práticas antigas e modernas, eis o desafio lançado aos voluntários do Festival.
Nascido em 2003, o projecto Terras sem Sombra resulta de uma iniciativa da sociedade civil. Tem como promotora a associação Pedra Angular e resulta da parceria entre várias entidades. O festival itinera nos concelhos de Sines, Santiago do Cacém, Ferreira do Alentejo, Odemira, Serpa, Mértola, Barrancos, Elvas e Beja, de 17 de Fevereiro a 8 de Julho. Todas as actividades são de acesso livre.