25.5.17

TRADIÇÕES DE AMIEIRA (1) - A Quinta-Feira da Espiga

A excitação começava na véspera. Havia sempre alguém entre a mocidade, que ia dar uma vista de olhos pelos eucaliptais, para escolher o pau, que no seu entender melhor servia para pôr de pé, na Praça Nuno Álvares. A seguir, juntavam-se (sempre rapazes solteiros) para saber quem havia de entre eles, ir a casa do lavrador, pedir o eucalipto escolhido. É claro que normalmente, esse pedido era atendido. Depois, a rapaziada voltava a reunir e a segunda etapa, constava em saber quem havia de emprestar o carro de bois, que transportaria o “gigante”, até à dita praça.
Cumpridas estas diligências, lá iam eles alegres e bem dispostos. Quando regressavam, pela madrugada fora, em grande algazarra e já munidos do essencial, começava a grande prova de força e jeito, quando ainda antes do nascer do sol, o povo se levantava, havia sempre curiosidade em saber se o mastro estava de pé, se era grosso ou delgado. Passado este grande dispêndio de energias, lá iam todos tomar banho e vestir o fato domingueiro, para irem até à capela do Senhor Salvador do Mundo, situada no campo. Havia que ir matar sardaniscas, para atirar para cima das cachopas quando estas andavam a apanhar a espiga! Isto, enquanto não chegava a hora da missa, altura em que um lavrador da terra, levava até lá o seu rebanho, para que o leite ordenhado ali mesmo, fosse distribuído gratuitamente pelos pobres.
Acabada a missa, todos se reuniam numa alegre e sã camaradagem, juntando os farnéis e todos comendo e bebendo cada qual, aquilo que lhe apetecia.
Agora, quase tudo mudou, o dia, os costumes e este ano, nem o mastro teve a sua ascensão!...
Jorge Pires – in “O Pregão” – 30/5/1994