10.2.17

FEVEREIRO: Efemérides e Adágios populares (2)

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento. Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem.
Eugen Bertholt Friedrich Brecht (Augsburg, 10 de fevereiro de 1898 — Berlim Leste, 15 de agosto de 1956) foi um destacado dramaturgo, poeta e encenador alemão do século XX. Seus trabalhos artísticos e teóricos influenciaram profundamente o teatro contemporâneo, tornando-o mundialmente conhecido a partir das apresentações de sua companhia o Berliner Ensemble realizadas em Paris durante os anos 1954 e 1955.
Ao final dos anos 1920 Brecht torna-se marxista, vivendo o intenso período das mobilizações da República de Weimar, desenvolvendo o seu teatro épico. Sua praxis é uma síntese dos experimentos teatrais de Erwin Piscator e Vsevolod Emilevitch Meyerhold, do conceito de estranhamento do formalista russo Viktor Chklovski, do teatro chinês e do teatro experimental da Rússia soviética, entre os anos 1917-1926. Seu trabalho como artista concentrou-se na crítica artística ao desenvolvimento das relações humanas no sistema capitalista.
Recebeu o Prémio Lenine da Paz em 1954.
Dificuldade de governar
1
Todos os dias os ministros dizem ao povo
Como é difícil governar. Sem os ministros
O trigo cresceria para baixo em vez de crescer para cima.
Nem um pedaço de carvão sairia das minas
Se o chanceler não fosse tão inteligente. Sem o ministro da Propaganda
Mais nenhuma mulher poderia ficar grávida. Sem o ministro da Guerra
Nunca mais haveria guerra. E atrever-se ia a nascer o sol
Sem a autorização do Führer?
Não é nada provável e se o fosse
Ele nasceria por certo fora do lugar.
2
E também difícil, ao que nos é dito,
Dirigir uma fábrica. Sem o patrão
As paredes cairiam e as máquinas encher-se-iam de ferrugem.
Se algures fizessem um arado
Ele nunca chegaria ao campo sem
As palavras avisadas do industrial aos camponeses: quem,
De outro modo, poderia falar-lhes na existência de arados? E que
Seria da propriedade rural sem o proprietário rural?
Não há dúvida nenhuma que se semearia centeio onde já havia batatas.
3
Se governar fosse fácil
Não havia necessidade de espíritos tão esclarecidos como o do Führer.
Se o operário soubesse usar a sua máquina
E se o camponês soubesse distinguir um campo de uma forma para tortas
Não haveria necessidade de patrões nem de proprietários.
E só porque toda a gente é tão estúpida
Que há necessidade de alguns tão inteligentes.
4
Ou será que
Governar só é assim tão difícil porque a exploração e a mentira
São coisas que custam a aprender?
Bertolt Brecht
EFEMÉRIDES DE FEVEREIRO
Dia 10
1763 – É assinado o Tratado de Paris, entre o Reino Unido, França, Portugal e Espanha, que põe fim à Guerra dos Sete Anos.
1931 – Nova Deli torna-se a capital da Índia.
1980 – É fundado o Partido dos Trabalhadores (PT), em São Paulo, no Brasil.
Nasceram neste dia…
1890 – Boris Pasternak, poeta e romancista russo premiado com o Nobel de Literatura (m. 1960).
1894 – Mãe Menininha do Gantois, iyalorixá brasileira (m. 1986).
1898 – Bertolt Brecht, dramaturgo, poeta e encenador alemão (m. 1956).
Morreram neste dia…
1755 – Montesquieu, filósofo francês (n. 1689).
1950 – Marcel Mauss, sociólogo e antropólogo francês (n. 1872).
2005 – Arthur Miller, dramaturgo norte-americano (n. 1915).
MAIS ADÁGIOS DE FEVEREIRO
* A castanha e o besugo, em Fevereiro não têm sumo.
* A doçura de Fevereiro, faz o dono cavalheiro.
* A dois dias de Fevereiro, sobe ao outeiro: se a candelária chorar, está o Inverno a chegar; se a candelária sorrir, está o Inverno para vir.
* A Fevereiro e ao rapaz perdoa tudo quanto faz, se Fevereiro não for secalhão e o rapaz não for ladrão.
* A neve que em Fevereiro cai das serras, poupa um carro de estrume às vossas terras.
* Água de Fevereiro enche o celeiro.
* Água de Fevereiro mata o onzeneiro.
* Aí vem o meu irmão Março, que fará o que eu não faço.
* Ao Fevereiro e ao rapaz, perdoa tudo quanto faz.
* Aproveite em Fevereiro quem folgou em Janeiro
* Aveia de Fevereiro enche o celeiro.
* Bons dias em Janeiro enganam o homem em Fevereiro.
* Bons dias em Janeiro, pagam-se em Fevereiro.
* Candelária (2/2) chovida, à candeia dá vida.
* Chuva de Fevereiro mata o onzeneiro.
* Chuva de Fevereiro vale por estrume.
* Chuva em Dia das Candeias(2/2), ano de ribeiras cheias.
* Dia de S. Brás (3), a cegonha verás, e se não a vires o Inverno vem atrás.