11.11.16

Ministras de 2 países querem encerramento da Central nuclear de Cattenom

Central Nuclear de Cattenon - Foto Pierre Matgé
Barbara Hendricks, Carole Dieschbourg e Lydia Mutsch escrevem carta conjunta a Ségolène Royal
É uma carta escrita a três mãos mas com um único objectivo comum: encerrar de vez a central nuclear francesa de Cattenom.
A ministra do Ambiente do Luxemburgo, Carole Dieschbourg, a ministra luxemburguesa da Saúde, Lydia Mutsch, e a ministra alemã do Ambiente e Segurança Nuclear, Barbara Hendricks, escreveram uma missiva dirigida à ministra francesa do Ambiente e Energia, Ségolène Royal.
Na carta, as três governantes reiteraram as suas críticas e “profunda preocupação” com uma possível extensão do prazo de vida das centrais nucleares francesas além dos 40 anos.
Barbara Hendricks, Carole Dieschbourg e Lydia Mutsch querem transmitir à ministra francesa que levam "muito a sério as preocupações dos habitantes das regiões fronteiriças quanto a segurança das centrais nucleares francesas, perto das fronteiras com a Alemanha e Luxemburgo".
Na carta, é pedido a Ségolène Royal para ter em conta estas preocupações e “não se comprometer” com uma nova prorrogação do tempo de vida das centrais.
Aproveitando o facto de estarem em curso discussões sobre a aplicação da lei francesa relativa à transição energética, assim como a calendarização, implicações concretas e os critérios de encerramento das centrais nucleares no país, as três ministras propõem a Ségolène Royal uma "reunião conjunta" para aprofundar e debater o assunto.
A central nuclear de Cattenom é explorada pela francesa Électricité de France (EDF), localizada na região de Lorraine, no município de Cattenom, nas margens do Rio Mosela, entre Thionville (10 km a montante) e Trier (80 km a jusante), e perto da cidade do Luxemburgo (35 km), Arlon (42 km) e Metz (40 km).
O Luxemburgo, a Alemanha e a Bélgica exigem o encerramento definitivo da central, mas há um projeto em andamento para prolongar a sua vida até 2025.
in www.wort.lu -10/11/2016